Blogue de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Lisboa e arredores
Segunda-feira, 31 de Agosto de 2015
AMADORA REALIZA ENCONTRO DE TOCADORES DE CONCERTINA



publicado por Carlos Gomes às 22:56
link do post | favorito

MOITA FESTEJA À SENHORA DA BOA VIAGEM

Na Moita, de 11 a 20 de setembro. Conhecido programa completo das Festas em Honra de Nossa Srª da Boa Viagem

Foi já em ambiente de festa que foi apresentado, na noite de 29 de agosto, no Largo do Mercado Municipal da Moita, o programa das Festas em Honra de Nossa Srª da Boa Viagem que, este ano, decorrem de 11 a 20 de setembro.

 

O Largo encheu-se de pessoas para conhecer o programa completo das festas, numa iniciativa que contou também com a atuação dos alunos de Zé Bacalhau, seguida de um baile popular com Os Náuticos. Em simultâneo, no Largo Conde Ferreira, decorreu uma largada de touros para os mais aficionados.

Música

Do programa das festas, destacamos, no campo musical, Les Enfants Terribles, Mátria, Chaparro & Rasnatura Band, DAMA, José Malhoa, José Cid, Diabo na Cruz, Cais Sodré Funk Connection, MastilSoul e, a encerrar as Festas, Anjos. Os irmãos Rosado, dos Anjos, também marcaram presença na apresentação das festas.

Todos os concertos são ao ar livre e, portanto, de entrada gratuita.

Religião

As celebrações religiosas centram-se no primeiro domingo da festa, dia 13 de setembro. São milhares as pessoas que assistem à imponente procissão em Honra de Nossa Sr.ª da Boa Viagem, seguida da bênção das embarcações típicas do Tejo. A procissão, que irá percorrer as principais artérias da vila da Moita, tem início às 17:30h.

Largada

Festa Brava

As largadas de touros, na Avenida Dr. Teófilo Braga estão já marcadas para os dias 11 e 18 de setembro, à 1:00h, nos dias 14, 15, 16, 17, 18 e 20, às 10:00h, e no dia 19, às 17:00h.

É também nesta altura do ano que acontece a maior e melhor feira taurina do País, na Praça de Touros Daniel do Nascimento.

Ainda na vertente do convívio popular, destaca-se a Tarde do Fogareiro, no dia 18 de setembro, a partir das 13:00h. Após a largada de touros, as gentes da Moita transformam a principal avenida da vila num local único de animação e convívio: os fogareiros, espalhados um pouco por todo o lado, acendem-se; as entremeadas, os couratos e as bifanas começam a assar-se e os amigos vão chegando, enchendo a Av. Dr. Teófilo Braga. Pela tarde fora, não vai faltar animação de rua, com muita música para dançar o “Huga Huga” em grupo, com a Charanga do Rosário.

No rio

O rio Tejo é outro dos palcos privilegiados para a promoção de diferentes iniciativas. A tradicional Regata em Honra de Nossa Sr.ª da Boa Viagem, com barcos típicos do Tejo, está marcada para o dia 12, às 14:30h. A tarde de terça-feira, dia 15 de setembro, Dia do Município, vai também ser dedicada ao rio, com mais uma edição do “Cais Vivo”, a partir das 15:30h, que inclui o desfile de embarcações típicas do Tejo e passeios de barcos, no Cais da Moita, para todos os que queiram participar.

De 11 a 20 de setembro, realiza-se também a FECI – Feira Comercial e Industrial, no Pavilhão Municipal de Exposições, na Moita.

Muitas outras iniciativas completam os 10 dias das Festas da Moita. O programa completo está disponível em www.cm-moita.pt.

Baile



publicado por Carlos Gomes às 20:09
link do post | favorito

FESTAS DA AMADORA TÊM FESTIVAL DE FOLCLORE



publicado por Carlos Gomes às 10:58
link do post | favorito

ALFRAGIDE REALIZA FESTIVAL DE FOLCLORE



publicado por Carlos Gomes às 10:56
link do post | favorito

INUNDAÇÕES REGRESSAM A LISBOA A PARTIR DE SETEMBRO

Chegou o mês de setembro e, com ele, as primeiras chuvadas que anunciam a entrada do Outono. Em consequência da falta de desentupimento das sargetas e coletores, estão de volta as inundações da via pública. É a sina de todos os anos dos lisboetas, ou não fosse Lisboa a cidade do fado.

A foto é do jornal “Público” e regista as inundações verificadas no ano passado… mas bem poderia servir para as ocorrências que aí vêm!

879228


tags:

publicado por Carlos Gomes às 10:45
link do post | favorito

Domingo, 30 de Agosto de 2015
MAFRA REVIVE ALDEIA DA ROUPA BRANCA

11899946_956513734390507_7252422772658586771_n



publicado por Carlos Gomes às 11:30
link do post | favorito

Sábado, 29 de Agosto de 2015
FESTIVAL DE FOLCLORE FESTEJA AMADORA



publicado por Carlos Gomes às 14:28
link do post | favorito

Sexta-feira, 28 de Agosto de 2015
“MARÉ CHEIA” DE SETEMBRO TEM SABOR A FESTA NA MOITA

O mês de setembro no concelho da Moita é sinónimo de Festas em Honra de Nossa Srª da Boa Viagem, tema principal da Agenda de Eventos “Maré Cheia” que já se encontra disponível para consulta em www.cm-moita.pt e, em breve, nos postos de distribuição habituais.

Nas páginas do “À Lupa”, fique a conhecer as áreas em destaque das Festas da Moita que, este ano, decorrem entre 11 e 20 de setembro.

Dedicada também às Festas é a página dos “Sabores & Saberes”, que lhe dá a conhecer quais os petiscos que aqui pode encontrar.

Mas nem só de festa se faz o mês de setembro neste concelho e, por isso, ao folhear as páginas do “Aqui Tão Perto”, fique a saber de que forma a Câmara Municipal da Moita vai assinalar a Semana Europeia da Mobilidade, de 16 a 22 de setembro.

As habituais “Cumplicidades”, com sugestões de livros, filmes, músicas e sites deram lugar, neste mês, à “Escolha de…” Bruno Vieira Amaral, crítico literário, tradutor, escritor, assessor de comunicação e editor adjunto da Revista Ler, que cresceu na freguesia do Vale da Amoreira, local onde esteve à conversa com a Maré Cheia.

Não deixe também de consultar as páginas do “Vai Acontecer…” para que não perca nenhuma das atividades que a Câmara da Moita preparou para si, nomeadamente cinema, dança, desporto, exposições, teatro, entre outros eventos.

Se pretende receber a Maré Cheia em sua casa, todos os meses, contacte o Gabinete de Informação e Relações Públicas da Câmara Municipal da Moita, através do e-mail: informacao-rpublicas@mail.cm-moita.pt ou do telefone 212806715.

Consulte aqui a Maré Cheia de setembro.


tags: ,

publicado por Carlos Gomes às 16:37
link do post | favorito

PRAIA DAS MAÇÃS ESTÁ EM FESTA



publicado por Carlos Gomes às 11:59
link do post | favorito

CONFRARIAS PROMOVEM COZINHA PORTUGUESA

unnamed (3)

MAPA DE EVENTOS

Eventos Da FPCG

24 de Outubro - Assembleia Geral electiva

28 de Novembro - Assembleia Geral Ordinária da FPCG

Capítulos de Confrarias Federadas – 2015

29 de Agosto - Confraria do Presunto e da Cebola do Vale do Sousa

13 de Setembro – Confraria da Chanfana

26 de Setembro - IX Capitulo da Confraria das Papas de S. Miguel

27 de setembro – Capítulo da Confraria do Arroz e do Mar

27 de Setembro - Confraria Gastronómica da Maçã Portuguesa

3 de Outubro - V Capítulo da Confraria do Chícharo

3 de Outubro - Capítulo da Confraria Gastronómica "O Rabelo"

3 de Outubro – Confraria dos Gastrónomos do Algarve

10 de Outubro - VII Capítulo da Real Confraria da Matança do Porco

17 de Outubro – Capítulo da Confraria do Bucho de Arganil – Pomares

17 de Outubro - Confraria das Tripas à moda do Porto

31 de Outubro - Real Confraria do Maranho

7 de Novembro – Confraria dos Ovos Moles

14 de Novembro – Confraria da Raça Arouquesa

21 de Novembro - XIII Capítulo da Confraria Queirosiana 

21 de Novembro - Confraria da Marmelada de Odivelas

22 de Novembro - VIII capítulo da Confraria do Medronho

28 de Novembro - Confraria dos Nabos e Companhia

5 de Dezembro -  X Capítulo da Confraria Gastronómica do Cabrito e da Serra do Caramulo

Capítulos de Confrarias Federadas – 2016

5 de Março - III Capítulo da Confraria dos Rojões da bairrada com Grelo e Batata à Racha

22 a 25 de Abril - Academia Madeirense das Carnes / Confraria Gastronómica da Madeira

14 de Maio – Confraria dos Ovos Moles de Aveiro.

21 de Maio - Confraria da Doçaria Conventual de Tentúgal

Outros eventos

30 de Agosto - Real Confraria Gastronómica das Cebolas

12 de Setembro - CAMINHADA “O Campo e a Ria” com passeio de Barco Moliceiro - Confraria Gastronómica “O Moliceiro”

26 de setembro - VII Capítulo da Confraria da Água.

10 e 11 de Outubro - IX FESTIVAL GASTRONÓMICO DA ENGUIA - Confraria Gastronómica “O Moliceiro”

Outros Eventos – 2016

12 de Março - V Capítulo da Confraria Enogastronomica Sabores do Botaréu - Águeda

26 de Março - Festa da Matança do Porco.
2 e 3 de Abril de 2016 - VIII Capítulo da CONGROG - Confraria do Grog de Santo Antão - Cabo Verde



publicado por Carlos Gomes às 11:17
link do post | favorito

Quarta-feira, 26 de Agosto de 2015
MOITA APRESENTA ARTES E TALENTOS

Feira de Artesanato: “Artes e Talentos” para ver e comprar no Mercado Municipal da Moita

Está agendada para a manhã do dia 5 de setembro, entre as 9:00h e as 13:00h, no interior do Mercado Municipal da Moita, mais uma “Artes e Talentos” – Feira de Artesanato. Esta feira realiza-se, mensalmente, no primeiro e segundo sábado de cada mês. No entanto, em setembro, só se realiza no primeiro sábado devido às Festas em Honra de Nossa Srª da Boa Viagem, na Moita, que decorrem entre os dias 11 e 20.

Artes e Talentos

Com o objetivo de valorizar diferentes tipos de artesanato e artesãos locais, a “Artes e Talentos” insere-se no programa de dinamização e animação do mercado municipal. Aqui, vai encontrar peças em madeira, tecido, metal, cerâmica, cortiça, crochet, entre outras.

Se quer expor e comercializar as suas peças, inscreva-se já através do endereço eletrónicopav.mun.exposicoes@mail.cm-moita.pt, indicando nome, morada, telemóvel, número de contribuinte e tipo de produtos a expor (com fotos exemplificativas).


tags: ,

publicado por Carlos Gomes às 21:11
link do post | favorito

GASTRONOMIA É A NONA ARTE

O sonho sempre comanda a vida, dando-nos as coordenadas para a execução. É o mote, a lembrança para os dias difíceis, o estímulo perante as contrariedades, a convicção perante a incerteza.Sempre foi assim e sempre será. Também connosco foi assim, toda a equipe dos Órgãos Sociais da FPCG acreditou que seria possível fazer mais e melhor, acreditou no sonho. 

E, porque acreditámos, o Dia Nacional da Gastronomia está instituído. Graças à persistência da FPCG foi aprovado, por unanimidade, na Assembleia da República o Diploma 1453 sendo que este, na essência das palavras e do espírito do texto, é também o resultado do contributo positivo da nossa instituição. Podemos, por isso, afirmar que está concretizado o nosso objectivo demonstrando, por um lado, a força das confrarias e, por outro lado, a convicção da relevância económica e cultural da gastronomia. 

Ao longo deste processo que se iniciou há cerca de um ano aquando de uma visita ao Senhor Ministro Adjunto, Dr Poiares Maduro, tivemos sempre presente a convicção da grande validade da nossa proposta e de como a FPCG poderia também marcar Portugal. A verdade é que, cada vez mais, a sociedade e as instituições públicas contam com o associativismo que marca o movimento das confrarias para o desenvolvimento dos territórios. E as confrarias têm sabido dar uma resposta muito coerente aos desafios que lhe são lançados. Não se trata apenas de divulgar os produtos e as localidades, trata-se de dinamizar a economia local fomentado a produção tradicional, qualificando os produtos, inventariando e caracterizando o que de melhor se faz pelas suas terras. Não é apenas dizer que o produto existe, é dizer como nasceu, onde nasceu, como evoluiu e como marcou a cultura e a identidade do povo. Não é referir somente que é bom, é mostrar que é bom e porque é que bom através de certames onde a qualidade é exibida como selo de garantia. 

O Prémio "Boas Práticas para a Valorização da Gastronomia" mostrou toda a pujança do trabalho das confrarias. Atribuído à Confraria do Cabrito e da Serra do Caramulo como o coroar de um bom trabalho efectuado em prol da comunidade, este prémio permitiu tomar consciência do grande esforço que é desenvolvido pelas confrarias. As candidaturas apresentadas mostraram isso mesmo, sendo que o júri demonstrou-se impressionado pelo trabalho "silencioso" mas muito profícuo. 

Apesar de concretizado o estabelecido em plano de actividades apresentado em Assembleia Geral, poderemos dizer que os desafios começam agora. Sabemos que, neste momento, a Assembleia da República, as instituições públicas e privadas e a sociedade em geral espera ainda mais da FPCG e das confrarias. É preciso cumprir o Dia Nacional da Gastronomia Portuguesa no espírito que foi proposto pela FPCG, como um dia de mobilização e integração de toda a sociedade na celebração da gastronomia. Na economia, na educação, na cultura, na história, na saúde, no turismo, na restauração, enfim, na sociedade, é preciso lembrar a importância da gastronomia.

Por isso, regressamos ao sonho entendido como a linha do horizonte que conduz a nossa acção. Por isso, pedimos a vossa acção e participação. 

No entanto, por ora, é tempo de férias, é tempo de usufruir das conquistas conseguidas, é tempo de olhar para trás e pensar nos amigos que conquistámos e nos vínculos que criamos pois que confrarias são, antes de mais, fraternidade e espaço de amizade. Estou certa que é essa, verdadeiramente, a nossa força. 

Assim e porque o tempo de férias e de maior disponibilidade para leituras, apresentamos a "NONA ARTE", nesta edição comemoramos a aprovação do Dia Nacional da Gastronomia Portuguesa com um caderno especial sobre o tema.
Para leitura on-line aceder ao link:

http://issuu.com/fpcg/docs/nonaarte_jun2015



publicado por Carlos Gomes às 15:04
link do post | favorito

QUELUZ REVIVE FEIRA SETECENTISTA



publicado por Carlos Gomes às 01:28
link do post | favorito

Terça-feira, 25 de Agosto de 2015
VARINO DA MOITA FAZ "BOA VIAGEM" NO RIO TEJO

Passeios no varino “O Boa Viagem” continuam a atrair visitantes

São cada vez mais os visitantes e os munícipes que usufruem dos passeios pelo rio Tejo a bordo do varino municipal “O Boa Viagem”, passando momentos únicos neste braço do Estuário, ouvindo as estórias e histórias do Mestre João Gregório e também conhecendo a fauna e flora deste concelho ribeirinho e dos concelhos limítrofes. Os passeios nesta embarcação típica do Tejo continuam em setembro, nos dias 2, das 17:00h às 20:00h, 3, das 8:00h às 20:00h, 23, das 9:30h às 12:30h, e 30, das 16:00h às 19:00h.

Passeio no varino

 

Adquira o seu bilhete no Posto de Turismo Municipal (Rua Machado Santos, n.º 35), na Moita, ou reserve-o através do T: 210852340.

Preço dos bilhetes – Passeios Fluviais de Inscrição Individual:

3 horas:

Crianças até 6 anos – gratuito

Crianças dos 6 aos 12 anos – 2 euros

Adultos: 3,99 euros

Dia Inteiro – 12 horas:

Crianças até 6 anos - gratuito

Crianças dos 6 aos 12 anos – 3,32 euros

Adultos: 6,63 euros



publicado por Carlos Gomes às 19:31
link do post | favorito

Segunda-feira, 24 de Agosto de 2015
ALFRAGIDE REALIZA FESTIVAL DE FOLCLORE



publicado por Carlos Gomes às 23:33
link do post | favorito

SERRA DAS MINAS ESTÁ DEBAIXO DE ÁGUA

Conduta de água tem rotura na avenida Maria Lamas

O rebentamento há escassas horas de uma conduta de água na avenida Maria Lamas, no bairro da Serra das Minas, em Rio de Mouro, alagou por completo toda a área envolvente, causando perturbações ao trânsito que circula no local.

BL-Inundações-SerraMinas 003

Este género de acidentes é demasiado frequente naquela localidade do concelho de Sintra, sobretudo durante o inverno, causando bastantes incómodos aos moradores e estabelecimentos comerciais a quem lhes é cortado o abastecimento de água durante muitas horas, enquanto se procedem a reparações.

Nalgumas artérias, como sucede na rua dos Penedos Gordos onde o rebentamento de condutas de água é constante, a canalização já se entra bastante “remendada” em consequência das inúmeras reparações efetuadas.

BL-Inundações-SerraMinas 002

BL-Inundações-SerraMinas 004

BL-Inundações-SerraMinas 001

BL-Inundações-SerraMinas 004

BL-Inundações-SerraMinas 005

BL-Inundações-SerraMinas 011

BL-Inundações-SerraMinas 012

BL-Inundações-SerraMinas 017

BL-Inundações-SerraMinas 018



publicado por Carlos Gomes às 20:41
link do post | favorito

PAN DIVULGA PROGRAMA ELEITORAL PARA AS ELEIÇÕES LEGISLATIVAS

O PAN – Pessoas-Animais-Natureza acaba de divulgar o seu programa eleitoral para as legislativas de 2015.Este programa reúne os princípios que orientam a ação do partido e assume-se como um compromisso na direccao do novo sistema económico e social que o PAN defende.

Civel

Entre as propostas do partido para as próximas eleições estão o fim de canis de abate, a instauração do estatuto jurídico do animal, o reconhecimento de direitos à natureza, o aumento do período de maternidade/paternidade para um ano, aumento à tributação da produção agroquímica e pecuária intensiva, o apoio à agricultura biológica, local e sazonal, a defesa de um Rendimento Básico Incondicional e ainda a abolição de espetáculos com sofrimento ou morte de animais, nomeadamente touradas, circos e caça desportiva.

O PAN vai concorrer aos 22 círculos eleitorais com o principal objetivo de “expandir o ideário PAN a mais cidadãs e cidadãos tal como de eleger pelo menos dois deputados para a Assembleia da República o que contribuirá, inevitavelmente, para o crescimento do movimento”, explica André Silva, Porta-voz do PAN e cabeça de lista por Lisboa.

Reforçando que, “a criação do novo sistema político, social e económico defendido pela PAN prevê também a redução do número de horas de trabalho para 30 e a implementação gradual de uma eco-fiscalidade onde, entre outras medidas, os bens serão taxados de acordo com a sua pegada ecológica através do IVA da distância.”

Para o PAN o desenvolvimento de Portugal não passa exclusivamente pela expansão e crescimento do PIB [Produto Interno Bruto] mas sim por acrescentar outros indicadores compostos como o FIB [Felicidade Interna Bruta] e o IPG [Indicador do Progresso Genuíno] que têm em conta mais variáveis que a exploração de recursos finitos, seja, por exemplo, o bem-estar social das comunidades e a sustentabilidade ecológica.

O programa eleitoral do PAN pode ser consultado na íntegra no Site:

http://legislativas2015.pan.com.pt/



publicado por Carlos Gomes às 14:06
link do post | favorito

PORTUGAL COMEMORA ANO EUROPEU PARA O DESENVOLVIMENTO

“ Se eu tivesse um mundo só meu, nada faria sentido. Nada seria o que é, porque tudo seria o que não é. E contrariamente o que é, não seria… e o que não fosse seria. Compreendes?” 

Lewis Carol – Alice no País das Maravilhas”

O Ano Europeu para o Desenvolvimento convoca-nos a pensar e a celebrar ganhos, mas sobretudo a garantir o futuro pleno de dignidade e direitos para todos - o primeiro passo para o desenvolvimento.

“A verdadeira alma de uma sociedade conhece-se pela forma como trata as suas crianças”, afirmou Nelson Mandela. Esta ideia, que reflete o princípio basilar de garantir direitos iguais para todas as pessoas, tem de ser concretizada e ganha hoje um significado acrescido. Quando foi assinada a Convenção dos Direitos da Criança, sabíamos que não se tratava apenas de um enunciado de Direitos, mas que lhe correspondia a obrigação passiva universal a respeitar.

Ao escrever este texto recordo realidades com que fui confrontada ao longo desta legislatura, por exemplo nas viagens de parlamentares a Moçambique e Timor Leste, para além de informação rigorosa que nos mostra injustiças gritantes.

A Exposição Novas Demais para Casar, o Relatório de 2015 sobre os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio e o último Relatório sobre o Acesso à Saúde em Portugal confirmam que subsistem desigualdades graves, o que não é admissível! Portugal e a Europa têm de responder e de ter capacidade de compromisso sério com o futuro.

A igualdade de oportunidades é o segredo da reintegração dos excluídos, cujo número cresce na proporção da competição económica. O combate à divinização do lucro e dos desníveis na repartição da riqueza é, a par com a efetivação da educação universal, o melhor caminho para a igualdade. De igual modo, os direitos e a saúde sexual e reprodutiva são a garantia mais segura da natalidade e felicidade. É uma questão de consciência cívica, sentido de responsabilidade e vontade de agir. Temos ou não essa vontade, eis a questão?

Princípios como a igualdade, a generalização do direito à saúde, à educação e a um nível de vida de qualidade, podem fazer mais pelo futuro do que os modelos políticos, sociais e económicos pelos quais a Europa do presente se rege. Os números constantemente repetidos das mortes evitáveis exigem que sejamos, enquanto país, capazes de colocar as pessoas e o seu inalienável e universal direito à Saúde como central nas decisões políticas.

Não basta distribuir medicamentos, formar profissionais, construir novos hospitais, a investigação laboratorial, os equipamentos de última geração tecnológica ou missões técnicas e de voluntariado. É urgente pensar em simultâneo e em articulação a prestação de cuidados de saúde em função das realidades locais e das pessoas a que se destinam. O agir local exige pensar global e vice-versa.

Uma das virtudes da República é a sobreposição do coletivo ao individual e do público ao privado. E as “virtudes” da República grega foram exaltadas a propósito da Revolução Francesa, da Americana, e nas correspondentes Constituições e das Declarações de Direitos em que foram arrolados os correspondentes princípios cívicos e éticos. É pois tempo de assumir nas opções políticas, em matéria de Saúde e de Desenvolvimento, as “virtudes” da República.

Por Maria Antónia Almeida Santos, Presidente da Comissão Parlamentar de Saúde, Deputada PS e membro do GPPsPD.



publicado por Carlos Gomes às 13:53
link do post | favorito

Domingo, 23 de Agosto de 2015
FEIRA DA LUZ REGRESSA A CARNIDE


tags: ,

publicado por Carlos Gomes às 13:16
link do post | favorito

Sábado, 22 de Agosto de 2015
BRASIL COMEMORA HOJE DIA INTERNACIONAL DO FOLCLORE

Em Portugal, o Dia nacional do Folclore Português será celebrado no último domingo de maio

O Dia do Folclore é assinalado hoje em vários países, incluindo o Brasil, como forma de assinalar a data em que o termo “folclore” foi criado pelo arqueólo inglês William John Thoms para definir a sabedoria e as tradições populares.

11892023_974555699266741_4384076596230168775_n

No Brasil, o Dia do Folclore foi oficializado em 17 de agosto de 1965, através do Decreto nº 56.747, assinado pelo então presidente, Humberto de Alencar Castelo Branco e por seu Ministro da Educação, Flávio Suplicy de Lacerda, nos seguintes termos:

Art. 1º Será celebrado anualmente, a 22 de agosto, em todo o território nacional, o Dia do Folclore.

Art. 2º A Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro do Ministério da Educação e Cultura e a Comissão Nacional do Folclore do Instituto Brasileiro da Educação, Ciência e Cultura e respectivas entidades estaduais deverão comemorar o Dia do Folclore e associarem-se a promoções de iniciativa oficial ou privada, estimulando ainda, nos estabelecimentos de curso primário, médio e superior, as celebrações que realcem a importância do folclore na formação cultural do país.

Art. 3º Revogam-se as disposições em contrário.

Brasília, 17 de agôsto de 1965; 144º da Independência e 77º da República.”

Em Portugal, a Assembleia da República instituiu, no passado dia 12 de junho, o “Dia Nacional do Folclore Português”, a ser celebrado no último domingo do mês de maio de cada ano. No próximo ano, a data será assinalada no dia 29 de maio.

À semelhança de qualquer outra celebração, também o Dia Nacional do Folclore Português pretende comemorar (co-memorar = memória coletiva) um acontecimento que é considerado marcante para o folclore português e o seu associativismo: a fundação, em 28 de maio de 1977, da Federação do Folclore Português!

Por estranho que pareça, o legislador procurou fazer coincidir a comemoração com a data de aniversário de uma instituição que tanto podia ser a Federação do Folclore Português como o dia da fundação de um qualquer grupo de Alguidares-de-baixo… o critério foi necessariamente político!

Por conseguinte, através da comemoração do seu aniversário, a federação do Folclore Português passará, ao menos simbolicamente, a tutelar todo o folclore português e não apenas os grupos filiados ou aderentes, pese embora a maior parte não se encontrar integrada na referida entidade.

Por outro lado, o legislador revela desconhecimento acerca da projeção internacional da cultura popular portuguesa que, à semelhança da nossa História, encontra-se entre as raízes do folclore de muitos povos, incluindo o povo brasileiro.



publicado por Carlos Gomes às 17:00
link do post | favorito

GOVERNO PROÍBE PESCA DA SARDINHA EM PENICHE E NAZARÉ

Tratado de Lisboa entregou a Bruxelas a gestão dos recursos marinhos da ZEE Portuguesa

A partir deste momento e até ao final do ano, os pescadores e armadores de Peniche e Sesimbra estão proibidos de pescar sardinha na costa portuguesa. Mais de três centenas de pescadores e 20 empresas do sector têm o futuro em risco. Em causa está o Plano de Acção da Pesca da Sardinha que fixa a quota limite de captura, de acordo com as diretivas da União Europeia.

1278500_584453134951093_173487309_n

Esta medida não irá afetar a indústria conserveira nacional uma vez que esta tem é abastecida sobretudo por empresas pesqueiras de Espanha, França e Marrocos que não conhecem as mesmas limitações.

Recorde-se a propósito que o Tratado de Lisboa transferiu para Bruxelas a gestão dos recursos marinhos da Zona Económica Exclusiva de Portugal.

Fotos: Luís Eiras / http://esposendealtruista.blogspot.pt/



publicado por Carlos Gomes às 12:56
link do post | favorito

Sexta-feira, 21 de Agosto de 2015
FESTAS DA AMADORA VÃO TER FESTIVAL DE FOLCLORE



publicado por Carlos Gomes às 22:48
link do post | favorito

Quinta-feira, 20 de Agosto de 2015
ALCOCHETE: APOSENTO DO BARRETE VERDE COMEMORA 71 ANOS DE EXISTÊNCIA



publicado por Carlos Gomes às 11:55
link do post | favorito

ARGANILENSES MOSTRAM EM LISBOA TRADIÇÕES DA RIBEIRA DE CELAVISA



publicado por Carlos Gomes às 01:17
link do post | favorito

FEIRA SETECENTISTA REGRESSA A QUELUZ



publicado por Carlos Gomes às 01:10
link do post | favorito

Quarta-feira, 19 de Agosto de 2015
FÓRUM MONTIJO E TOKYO LISBOA RECEBEM OS “THE CODFISH BAND”

Os próximos concertos dos The Codfish Band realizam-se no Summer Spot do Fórum Montijo, já na próxima sexta-feira, dia 21 de agosto, pelas 21h00, e no Tokyo Lisboa, sábado, dia 22, pelas 24h00. Destaque-se que o álbum de estreia da banda, “Devil’s Tongue”, está à venda em formato CD desde o dia 22 de junho, além de se encontrar disponível nas principais lojas digitais. Este é um trabalho que tem o selo da Music In My Soul e do qual “Sweet Vision” e “Hit The Road” são os singles de apresentação.

Ao contrário do habitual background musical de uma banda, o projeto The Codfish Band resultou apenas da ousadia de quatro músicos que, dotados de uma técnica nada perfeita e sem nunca terem dado um concerto juntos, decidiram ir para estúdio, compor e gravar um álbum.

Miguel Ros Rio (guitarra e voz), Nuno Escabelado (baixo), Luigi Afonso (voz e guitarra) e Pedro Kystos (bateria) – que pertence também ao projeto Tara Perdida – juntaram-se em meados de 2013 para formarem o que a editora Music In My Soul acredita ser uma das mais promissoras bandas de Rock em Portugal.

O nome surgiu de uma fusão entre o símbolo da gastronomia portuguesa e  o clássico, e tão português, aperto de mão (“toma lá um bacalhau”).

Quanto ao álbum de estreia, “Devil’s Tongue”, tem tudo para agitar as playlists nacionais.

Para download do álbum

iTunes

https://itunes.apple.com/gb/album/devils-tongue/id1001658604

Xbox Music

https://music.xbox.com/album/the-codfish-band/devils-tongue/bz.81EC0309-0100-11DB-89CA-0019B92A3933

Amazon

http://www.amazon.com/Devils-Tongue-Codfish-Band/dp/B00YTGQBVS/ref=sr_1_1?s=dmusic&ie=UTF8&qid=1433861675&sr=1-1&keywords=the+codfish+band

THE CODFISH BAND

Site

http://www.thecodfishband.com/

Facebook

https://www.facebook.com/the.codfish.band?ref=br_rs

YouTube

https://www.youtube.com/user/codswill



publicado por Carlos Gomes às 22:47
link do post | favorito

Terça-feira, 18 de Agosto de 2015
PORTUGAL ASSINALA AMANHÃ DIA MUNDIAL DA AJUDA HUMANITÁRIA

Ano Europeu para o Desenvolvimento: Conselho de Ministros aprovou Estratégia Operacional de Ação Humanitária e de Emergência

O Conselho de Ministros aprovou no dia 13 de agosto a Estratégia Operacional de Ação Humanitária e de Emergência, bem como a criação da Unidade de Coordenação de Ação Humanitária e de Emergência, que tem por missão implementar a Estratégia Operacional e garantir a coordenação das respostas de ação humanitária e maior eficiência na resposta e utilização dos recursos existentes. A aprovação da estratégia surge no mês de agosto, dedicado à Ajuda Humanitária no âmbito do Ano Europeu para o Desenvolvimento.

Esta Estratégia Operacional de Ação Humanitária e de Emergência quer promover a articulação e coordenação nesta matéria entre as instituições públicas envolvidas, cabendo ao Camões – Instituto para a Cooperação e para a Língua, assegurar e coordenar as intervenções portuguesas. Esta estratégia pretende ainda potenciar a coerência e a coordenação entre os organismos e departamentos do Estado Português intervenientes na ação humanitária e garantir a articulação com entidades e atores da cooperação, como Organizações Não Governamentais de Cooperação para o Desenvolvimento (ONGD), Fundações e Setor Privado.

A Estratégia decorre do Conceito Estratégico da Cooperação Portuguesa 2014-2020, aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 17/2014, que determina que a ação humanitária e de emergência corresponde a uma das três áreas de atuação da cooperação portuguesa para o desenvolvimento. No que respeita a parcerias, o Governo português reconhece e apoia de forma indiscutível o papel central e de coordenação global das Nações Unidas, nomeadamente o realizado através do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Comunitários das Nações Unidas (OCHA).

Amanhã, 19 de agosto, é o Dia Mundial da Ajuda Humanitária, assinalado em memória das vítimas do atentado contra a sede das Nações Unidas em Bagdad (Iraque) em 2003, que matou 22 pessoas. Em 2013, 474 trabalhadores humanitários foram atacados e 155 foram mortos, e o risco de vida de um trabalhador humanitário quadruplicou em dez anos. Em 2014, existiram ataques a 329 trabalhadores humanitários, tendo morrido 120. Para mais informações e dados acerca de incidentes e ataques a trabalhadores humanitários, por favor consulte a ligação:

https://aidworkersecurity.org/incidents/report/summary

A União Europeia escolhe anualmente um tema para uma campanha de sensibilização do público e dos Governos de cada Estado-Membro. O ano de 2015 foi escolhido para ser o Ano Europeu para o Desenvolvimento sob o mote “O nosso mundo, a nossa dignidade, o nosso futuro.” Com o fim da vigência dos Objetivos do Milénio e a definição de uma nova Agenda de Desenvolvimento Global em 2015, urge informar e sensibilizar os cidadãos para a importância das políticas de cooperação para o desenvolvimento portuguesa e europeia e incentivar o debate sobre o papel de Portugal e da Europa face aos novos desafios do desenvolvimento.


tags:

publicado por Carlos Gomes às 23:10
link do post | favorito

MOITA FESTEJA A NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM

29 de agosto, no Largo do Mercado Municipal da Moita: Apresentação pública das Festas em Honra de Nossa Srª da Boa Viagem/2015

As tradicionais Festas em Honra de Nossa Srª da Boa Viagem estão já a aproximar-se e, por isso, no dia 29 de agosto, a partir das 21:45h, vai ser apresentado publicamente, no Largo do Mercado Municipal da Moita, o programa completo desta edição, numa iniciativa que vai contar com várias atividades.

Apres. Festras Barcos engalanados

Às 21:45h, a Charanga Huga Huga da Banda Musical do Rosário vai percorrer algumas artérias da vila, atraindo a população para o local e, às 22:00h, as principais entidades envolvidas na preparação das Festas da Moita divulgarão o programa e as expetativas para este ano. Para as 22:30h, está marcada uma Largada de Touros, no Largo Conde Ferreira, às 23:00h, um momento musical com os alunos do “Zé Bacalhau” e, a fechar a noite, às 23:30h, um baile com o Grupo Musical “Os Náuticos”.

Participe nesta festa de apresentação pública das Festas em Honra de Nossa Srª da Boa Viagem/2015 que, este ano, vão decorrer entre 11 e 20 de setembro.



publicado por Carlos Gomes às 15:02
link do post | favorito

Segunda-feira, 17 de Agosto de 2015
COLARES: PRAIA DAS MAÇÃS REALIZA PROCISSÃO DO MAR



publicado por Carlos Gomes às 10:27
link do post | favorito

Sábado, 15 de Agosto de 2015
PAVILHÃO CARLOS LOPES ESTÁ EM RUÍNAS

Câmara Municipal de Lisboa vira as costas ao Pavilhão dos Desportos

Situado em pleno Parque Eduardo VII, em Lisboa, o Pavilhão Carlos Lopes encontra-se em estado de abandono, ameaçando a sua completa ruína. As coberturas do edifício encontram-se em péssimo estado de conservação, o mesmo sucedendo em relação às peças ornamentais, estatuária, painéis de azulejos, cantarias e marcenarias.

BL-PavilhãoDesportos 057

O edifício atingiu um estado tão lastimável que, caso não venha a ser submetido a uma urgente intervenção, a sua recuperação poderá em breve tornar-se inviável, perdendo a cidade um dos seus equipamentos mais emblemáticos

BL-PavilhãoDesportos 052

Ao longo de muitas décadas, o Pavilhão dos Desportos – entretanto rebatizado em 1984 como Pavilhão Carlos Lopes – foi palco de inúmeros acontecimentos políticos, desportivos e culturais, mormente comícios partidários e festivais de folclore.

BL-PavilhãoDesportos 045

O edifício foi idealizado e construído no Brasil para a Grande Exposição Internacional do Rio de janeiro que teve lugar em 1923, tendo uma década depois sido reconstruído em Lisboa para servir de “Palácio das Exposições” da Grande Exposição Industrial Portuguesa e posteriormente adaptado á realização de eventos desportivos.

BL-PavilhãoDesportos 044

Em 2003, o edifício foi encerrado para obras e, em 2008, o município decidiu transformá-lo em Museu Nacional do Desporto. As obras deveriam ser suportadas com as receitas do Casino de Lisboa e o novo edifício deveria incluir serviço de cafetaria, restaurante, loja, desportoódromo, exposições e cinco núcleos museológicos temáticos.

BL-PavilhãoDesportos 038

Incapaz de gerir o seu próprio património, a Câmara Municipal de Lisboa quer agora entregar o pavilhão à Associação de Turismo de Lisboa, obrigando-a a “manter inalteradas as fachadas e a cobertura”, admitindo porém a demolição parcial do edifício.

BL-PavilhãoDesportos 039

Enquanto a autarquia lisboeta não encontra uma solução para o imóvel, poderá suceder que o mesmo venha a perder-se irremediavelmente, tal é o estado de degradação em que se encontra.

BL-PavilhãoDesportos 056

BL-PavilhãoDesportos 048

BL-PavilhãoDesportos 059

BL-PavilhãoDesportos 051

BL-PavilhãoDesportos 050

BL-PavilhãoDesportos 047



publicado por Carlos Gomes às 22:20
link do post | favorito

Sexta-feira, 14 de Agosto de 2015
AMADORA FESTEJA ANIVERSÁRIO COM FESTIVAL DE FOLCLORE



publicado por Carlos Gomes às 10:27
link do post | favorito

Quinta-feira, 13 de Agosto de 2015
MOINHO DA PEDRA É EX-LÍBRIS DE MIRA SINTRA

Recuperação do moinho da Pedra é exemplo a seguir em relação ao património local

Fazendo jus ao topónimo, a localidade de Mira Sintra disfruta de uma magnífica vista panorâmica sobre toda a região envolvente, no concelho de Sintra. Situada a norte da Agualva, pode-se a partir dos seus magníficos miradouros avistar-se uma enorme extensão dominada por espaços verdes, desde Meleças até ao oceano Atlântico.

Damaia 008

O bairro de Mira Sintra teve a sua origem na construção de um bairro social, edificado em meados da década de sessenta do século passado pelo então Fundo de Fomento da Habitação, tendo apenas sido habitado a partir de 1975.

Alcandorado no cimo de uma das suas encostas, o moinho da Pedra deve o seu nome ao local onde se encontra, outrora denominado por “Casal da Pedra” onde existia a Quinta dos Lóios. Trata-se de um magnífico exemplar dos moinhos típicos da região saloia, de dois pisos, com a porta e janelas voltadas a sul e mais duas janelas, uma voltada a nordeste e outra a sudeste.

Tendo atingido o estado de ruína, a autarquia local procedeu em 2002 à sua recuperação que incluiu a reprodução do engenho de moagem, investimento que foi orçado em cerca de 150 mil euros. O moinho da Pedra constitui atualmente um dos mais belos exemplares do concelho de Sintra, constituindo atração de muitos visitantes à localidade, além do interesse que o mesmo representa particularmente para os mais jovens.

Damaia 009

A arte de marinheiro e o ofício dos moleiros dos moinhos de vento

Quem já alguma vez teve a felicidade de contactar de alguma forma com o labor do moleiro, num moinho de vento, certamente se apercebeu da extraordinária semelhança de numerosos vocábulos empregues neste ofício relativamente à linguagem das gentes do mar. Com efeito, existem muitos termos que são comuns às duas atividades, em grande medida resultante da identidade de processos utilizados em ambas as atividades.

À semelhança das naus e, em geral, de todas as embarcações à vela, também os moinhos de vento aproveitam a mesma fonte de energia, recorrendo a uma técnica semelhante para assegurarem o seu próprio funcionamento. Tal como o marinheiro, também o moleiro deve saber medir a direção e intensidade do vento e manobrar as velas para dele tirar o máximo rendimento. Para tal, utiliza o cata-vento estrategicamente colocado sobre o capelo do moinho e os búzios atados na extremidade das vergas. Na realidade, o moinho de vento é como um veleiro a navegar em terra firme que requer a sabedoria do seu marinheiro – o moleiro!

Quando os portugueses se fizeram ao mar, a tripulação das naus partiu de terra e era naturalmente constituída por gente que, nas suas lides quotidianas, se dedicava aos mais variados ofícios. Entre ela encontravam-se certamente os moleiros cuja arte foi seguramente determinante para as atividades de manobra uma vez que, à semelhança dos moinhos, as naus e as caravelas navegavam à vela, sendo necessários marinheiros experimentados na arte de marinharia que era, afinal de contas, a arte dos próprios moleiros.

Não admira, pois, que ambas as linguagens se confundam em grande medida. De resto, é bastante sintomática a expressão outrora utilizada pelos navegadores quando, ao constatarem a evolução demasiado lenta da nau, a ela se referiam dizendo que “a nau ia moendo”, numa clara alusão ao ritmo pachorrento com que o moinho procede à moagem do grão.

O estudo dos moinhos é de uma extraordinária riqueza e elevado interesse cultural, sob todas as suas variantes, desde o ponto de vista tecnológico como ainda etnográfico, histórico e linguístico. Refira-se, a título de exemplo, que os construtores de moinhos eram outrora apelidados de engenheiros por se tratarem, na realidade, de construtores de engenhos.

Desde que o Homem sentiu necessidade de recorrer a processos mais eficazes para moer os grãos que utilizava na sua alimentação, ultrapassando a forma primitiva de os esmagar à mão com o emprego de duas pedras, os moinhos acompanharam a evolução do seu conhecimento e refletiram a sua própria organização social. Aproveitando os mais diversos recursos naturais e apresentando-se sob variadas formas, incluindo as azenhas e os moinhos de maré, eles encontram-se presentes nas novas tecnologias para captação da energia eólica ou ainda para bombagem de água como sucede na captação de água dos poços ou na manutenção dos diques da Holanda.

Atendendo ao valor cultural que o estudo dos moinhos representa, junta-se um pequeno dicionário comparado da linguagem utilizada pelos moleiros que trabalham nos moinhos de vento relativamente à empregue no meio náutico

Andadeira –Mó de cima. Corredor.

Bolacho – Diz-se quando a vela tem três voltas em torno da vara.

Braços – Varas, Vergas.

Búzio – Alcatruz. Pequeno objeto de barro, por vezes com a forma de uma cabaça, contendo um só orifício, que se coloca na ponta das vergas das velas dos moinhos de vento e que, com o girar destas, produz uma espécie de assobio que permite ao moleiro calcular a intensidade do vento e a velocidade adquirida pelas velas.

Cabrestante – Sarilho. Dispositivo para fazer rodar o capelo do moinho. – Nos navios, refere-se ao sarilho para manobrar e levantar a âncora e outros pesos.

Cabresto – Corda comprida que segura as varas e que serve para efetuar a amarração das velas no exterior. – Cada um dos cabos que, da ponta do gurupés vem à proa do navio, junto ao couce do beque. O gurupés é o mastro oblíquo situado na proa dos navios.

Calha – Peça que leva o grão da tremonha para o olho da mó. Ligação entre o tegão e o olho da mó. Quelha.

Canoura - Vaso de madeira donde o grão vai caindo para a mó. Moega. Tremonha.

Capelo – Parte superior do moinho que roda em função da direção do vento. Existem, contudo, moinhos que são rodados a partir da base, com a utilização de rodados. – Em linguagem náutica, diz-se da volta da amarra na abita que constitui a peça de madeira ou ferro, existente na proa dos navios, para fixar a amarra da âncora. Esta peça, apresenta-se geralmente de forma retilínea e liga ao “pé de roda” e termina na roda de proa. Nos barcos rabões, embarcações da família dos rabelos durienses, indica a sua extremidade superior. Nos valvoeiros, refere-se à parte superior da caverna.

Carreto – Roda colocada na parte superior do eixo central do moinho e ligado à entrosa.

Corredor – Mó de cima, com raio idêntico ao poiso, mas com altura inferior a esta.

Eixo – Mastro.

Entrosa – Rosa dentada existente no mastro do moinho, com os dentes na lateral engrenando noutra roda dentada.

Frechal – Calha onde assenta a cúpula móvel sobre a torre do moinho.

Forquilha – Vara comprida e com a ferragem em ponta em forma de “V”. – No meio náutico também se designa por forqueta e é constituído por duas hastes de madeira onde os pescadores arrumam o mastro, a verga e a palamenta enquanto pescam. A forquilha de retranca é uma cruzeta de madeira ou de ferro colocada na borda do navio, à popa, a meia-nau, para descanso da retranca.

Mastro – Eixo do moinho de vento. – Numa embarcação designa cada uma das peças altas constituídas por vergônteas de madeira que sustentam as velas.

Meia-ponta – Diz-se quando a vela tem cinco voltas em torno da vara.

Meia-vela – Diz-se quando a vela do moinho tem uma volta em redor da vara.

 – Pedra cilíndrica em forma de anel que serve para moer o grão.

Moageiro – Aquele que produz moagem.

Moagem – Acto ou efeito de moer. Moedura

Moedura – Moagem.

Moega – Canoura. Tremonha.

Moenda – Mó. Acto ou efeito de moer. Maquia que o moleiro retribui em géneros. Moinho. Moenga.

Moenga – Moenda

Moer – acto ou efeito de transformar o grão em farinha – Em linguagem antiga de marinha, “a nau ir moendo” referia-se à evolução demasiado lenta de um navio.

Olho da mó – Parte vazia no centro da mó.

Pano – Diz-se quando a vela do moinho se encontra toda aberta. – Os marinheiros referem “navegar a todo o pano” quando se pretende que o navio obtenha a sua velocidade máxima, aludindo ao completo desfraldar das velas.

Pião – Eixo do moinho de vento. Mastro.

Picadeira – Ferramenta usada para picar a mó a fim de criar novos sulcos. Picão.

Picão – Picadeira.

Poiso – A mó que fica por debaixo, estática.

Ponta – Diz-se quando a vela tem quatro voltas em torno da vara.

Quelha – Calha.

Sarilho – Dispositivo para fazer rodar o capelo. Cabrestante. – Nos navios consiste na máquina onde se enrola o cabo ou cadeia do cabrestante.

Segurelha – Suporte metálico regulável que fixa o corredor ao eixo vertical. Peça onde entra o ferro que segura a mó inferior ou poiso para tornar uniforme o movimento da superior ou andadeira.

Taleiga – Saco pequeno para condução de farinha.

Tegão – Peça por onde o grão passa para moer.

Traquete – Diz-se quando a vela do moinho tem duas voltas em redor da vara. – Nos navios, é a maior vela do mastro da proa.

Tremonha – Canoura. Moega.

Varas – Hastes de madeira de auxílio à amarração. Vergas. – Nos navios, constituem peças longas de madeira colocadas horizontalmente sobre os mastros para nelas se prenderem as velas.

Vela – Pano forte e resistente que se prende aos braços dos moinhos para os fazer girar sob a ação do vento. – Nos navios e embarcações, é o pano que se prende aos mastros para as fazer navegar.

Vela fechada – Diz-se quando a vela tem seis voltas em torno da vara.

Vela latina – Vela de formato triangular geralmente utilizada nos moinhos e nos navios.

Velame – Conjunto das velas de um moinho ou de um navio.

Vergas – Varas de auxílio à amarração. – Na linguagem náutica, existe uma grande variedade de designações, as quais remetem para as velas que nelas envergavam. De sublinhar, aliás, a proveniência do verbo envergar.

Bibliografia: LEITÃO, Humberto; LOPES, J. Vicente. Dicionário da Linguagem de Marinha Antiga e Actual. Edições Culturais de Marinha. Lisboa. 1990.

Carlos Gomes / http://www.folclore-online.com

Ourem30JUL11 010



publicado por Carlos Gomes às 11:56
link do post | favorito

Quarta-feira, 12 de Agosto de 2015
REFER ABANDONA PARQUES DE ESTACIONAMENTO NA LINHA DE SINTRA

Os parques de estacionamento da linha de Sintra destinados a servir preferencialmente os clientes da CP encontram-se abandonados e com mau aspeto, apresentando alguns deles obstáculos a impedir a sua utilização pública. Os parques de S. Pedro de Sintra, Mercês, Rio de Mouro e Rinchoa são alguns dos casos registados.

BL-RiodeMouro-Predios 009

A falta de rentabilidade devido à sua reduzida utilização em virtude da imposição de tarifário terá estado na origem da decisão do seu abandono por parte da Refer.

Construídos para facilitar o estacionamento público junto aos interfaces dos transportes públicos e, desse modo, reduzir o estacionamento desordenado dentro das áreas urbanas, estes parques de estacionamento deveriam ser requalificados, mantendo-se o seu acesso gratuito para que possam ser utilizados. Uma vez construídos, não faz o menor sentido mantê-los em situação de abandono.

As imagens publicadas foram recolhidas no parque de estacionamento de Rio de Mouro.

BL-RiodeMouro-Predios 006

BL-RiodeMouro-Predios 007

BL-RiodeMouro-Predios 008



publicado por Carlos Gomes às 09:22
link do post | favorito

Terça-feira, 11 de Agosto de 2015
TOCADORES DE CONCERTINA DE TODO O PAÍS RUMAM A PONTE DE LIMA



publicado por Carlos Gomes às 18:01
link do post | favorito

EMPRESA “PRIVATIZA” ESTACIONAMENTO PÚBLICO EM RIO DE MOURO

Junta de Freguesia de Rio de Mouro pede intervenção da Polícia Municipal de Sintra

De acordo com informação prestada pela Junta de Freguesia de Rio de Mouro, esta autarquia enviou já comunicação à Polícia Municipal relativamente à questão do estacionamento na avenida Irene Lisboa, tema referido no “Blogue de Lisboa”.

BL-RiodeMouro-Predios 023

Trata-se de uma empresa situada no bairro da Serra das Minas, que decidiu privatizar o estacionamento público existente junto às suas instalações, no exterior dos muros da sua propriedade, como já foi referido no BLOGUE DE LISBOA.

Aquela empresa colocou no gradeamento várias placas de cor amarela, lembrando aos proprietários de viaturas que ali porventura tencionem estacionar, que o local é de “estacionamento privado / sujeito a reboque”.

Não se trata de qualquer sinal de trânsito regulamentado pelo Código da Estrada nem espaço reservado com autorização da Câmara Municipal de Sintra, configurando apenas uma situação de abuso que agora mereceu a intervenção da autarquia local.

BL-RiodeMouro-Predios 026



publicado por Carlos Gomes às 14:39
link do post | favorito

Segunda-feira, 10 de Agosto de 2015
GRUPOS FOLCLÓRICOS PREPARAM-SE PARA COMEMORAR DIA NACIONAL DO FOLCLORE PORTUGUÊS

As comemorações vão ter lugar pela primeira vez no próximo dia 29 de maio

A Assembleia da República instituiu no passado dia 12 de junho o “Dia Nacional do Folclore Português” a ser celebrado no último domingo do mês de maio de cada ano. No próximo ano, a data será assinalada no dia 29 de maio, havendo já vários grupos folclóricos a preparar programas culturais com vista à sua comemoração.

11831653_493142907529036_6583583640346447983_n

Os deputados dos grupos parlamentares do PSD e do CDS apresentaram então um Projeto de Resolução com vista à criação do “Dia Nacional do Folclore Português. O referido documento, cuja redação curiosamente não obedece ao Acordo Ortográfico em vigor, institui o último domingo do mês de maio para a sua celebração.

Esta iniciativa que tem a sua aprovação assegurada por parte da maioria parlamentar e deverá contar também com a aprovação dos partidos políticos da oposição, foi tomada a escassos meses das próximas eleições legislativas e reflete claramente a importância social do folclore, pese embora o desprezo a que sempre tem sido votado pela classe política. Até ao presente, os ranchos folclóricos apenas têm sido chamados para cantar as janeiras a titulares de cargos políticos ou fazer arruada em campanhas eleitorais…

Entretanto, a televisão pública continua a preterir o folclore português na sua programação e o Museu de Arte Popular mantém o seu destino incerto, privado do “Mercado da Primavera” e já ameaçado de demolição.

Transcreve-se o documento apresentado pelos grupos parlamentares do PSD e CDS.

Projecto de Resolução n.º 1531/XII/4.ª

INSTITUIÇÃO DO DIA NACIONAL DO FOLCLORE PORTUGUÊS

Exposição de motivos

O saber do povo português está, em grande parte, guardado no folclore. É, aliás, essa mesma a raiz da palavra ‘folclore’, que liga dois termos ingleses - ‘folk’ e ‘lore’ - que significam, respectivamente, ‘povo’ e ‘saber’. Ou seja, enquanto expressão do saber tradicional de um povo, o folclore tem um valor inestimável de identidade nacional e deve, como tal, ser preservado.

O folclore representa conhecimento transformado em cultura de origem popular, constituída pelos costumes, lendas e tradições, e celebrada em festas populares, que passam de geração em geração. Tradicional, porque passa de pais para filhos; oral, porque acessível a todos; anónimo, porque não tem autor mas é de todos; funcional, porque aproxima a comunidade e fortalece os laços entre os seus membros; espontâneo, porque é culturalmente dinâmico e não pode ser institucionalizado. Por todas estas características, o folclore é, de certo modo, o veículo através do qual a herança dos nossos antepassados chega até nós.

Assim sendo, assinalar a sua importância não se limita a apreciar o folclore enquanto género cultural, mas sobretudo a celebrar o que nos define como portugueses.

De facto, todos os povos têm as suas tradições e as suas crenças, e estas fazem parte do seu ADN e da sua História. Portugal não é excepção, contando com várias associações que, nas suas comunidades, mantêm o folclore vivo. De acordo com a Federação do Folclore Português, o movimento folclórico no território nacional engloba 1875 associações culturais – 534 no Norte, 306 no Douro/Vouga, 416 na região Centro, 306 na região Sul, 219 nas Beiras e 94 nas Ilhas. Considera-se, pois, que estas associações envolvem directamente mais de 150 mil portugueses e, indirectamente (incluindo associados), mais de 800 mil cidadãos.

Num momento em que a cultura portuguesa de origem popular se tem afirmado internacionalmente, como aconteceu com o reconhecimento, por parte da UNESCO, do Cante Alentejano como Património Cultural e Imaterial da Humanidade, e após várias iniciativas do actual Governo no sentido da valorização do nosso património popular, como a instituição do Dia Nacional das Bandas Filarmónicas (reconhecendo o trabalho que desenvolvem em favor da sociedade e da cultura), os Deputados do Grupo Parlamentar do PSD e do CDS-PP apresentam este projecto de resolução no sentido de dar igual distinção ao folclore português, instituindo um Dia Nacional para a sua celebração.

Assim, a Assembleia da República resolve, nos termos do nº 5 do artigo 166º da Constituição da República Portuguesa:

Instituir o último Domingo do mês de Maio como dia nacional do folclore português.

Palácio de São Bento, 12 de Junho de 2015

Os Deputados



publicado por Carlos Gomes às 21:50
link do post | favorito

CARNIDE MANTÉM A TRADIÇÃO DA FEIRA DA LUZ

Freguesia de Carnide, em Lisboa, está em festa a partir do próximo dias 29 de agosto até 27 de setembro em honra de Nossa Senhora da Luz

O culto a Nossa Senhora da Luz remonta ao século XV, altura em que, segundo reza a tradição, na localidade de Carnide, um devoto a Nossa Senhora encontrou, graças a uma estranha luz, uma imagem da Mãe de Deus.

A sua ocorrência veio a dar origem à construção de um convento e uma igreja em torno da qual ainda se realiza uma das feiras mais pitorescas dos arredores de Lisboa. O culto expandiu-se um pouco por todo o país graças ao patrocínio da Infanta D. Maria e de D. Leonor de Áustria, respetivamente a filha e a terceira esposa do rei D. Manuel I.

O culto a Nossa Senhora da Luz propagou-se ainda a todo o Império Português e é ainda invocado, consoante os lugares, sob os nomes de Nossa Senhora da Candelária, Nossa Senhora da Purificação e Nossa Senhora das Candeias, ocorrendo geralmente a 2 de Fevereiro a data da sua celebração.

Ligada à tradicional romaria que se realizava anualmente, em setembro, no Santuário da Nossa Senhora da Luz, realizava-se a feira que durava vários dias, atraindo numerosos forasteiros da capital e sobretudo da região saloia.

Este ano serão muitos os motivos para visitar o Jardim da Luz: artesanato, ranchos folclóricos, workshops, ateliers, teatro, animação de rua, dança, fotografia e muitos concertos com a presença de artistas como a Romana, Carapaus Azeite e Alho, Quim Barreiros, Ruth Marlene, Lúcia Moniz, HMB, Diabo na Cruz, Luiz Caracol, Flor de Liz, The Guest e Mónica Sintra, entre muitos outros.



publicado por Carlos Gomes às 09:23
link do post | favorito

ESCOLAS DA REGIÃO DE LISBOA MANTÊM TELHADOS DE FIBROCIMENTO

Muitas escolas e outros edifícios públicos da região de Lisboa continuam à espera de verem substituídas as telhas de fibrocimento que constituem as suas coberturas, as quais podem constituir um sério risco a saúde de quem frequenta esses locais.

Damaia 007

A utilização deste material está proibida em Portugal desde 2005 uma vez que, a eventual libertação de fibras em consequência da sua degradação, podem causar graves danos para a saúde em caso de inalação. As fibras cancerígenas alojam-se nos pulmões e as suas consequências podem ser reconhecidas entre 10 a 60 anos após o contato com este material.

Damaia 006

O Ministério da Educação e Ciência tinha planeado a implementação de um Programa de Remoção Faseada das Coberturas de Fibrocimento das Escolas a ter lugar em 2013 e 2014. Porém, a maior parte dos edifícios escolares continua a manter as coberturas de amianto, como se verifica com a Escola Básica D. Domingos Jardo, na freguesia de Agualva Mira-Sintra, no concelho de Sintra, conforme as imagens documentam.

Damaia 004

Publicamos a lista das escolas que constam do Programa de Remoção Faseada das Coberturas de Fibrocimento das Escolas previsto para 2013 e 104.

2013

z1

2014

z



publicado por Carlos Gomes às 02:08
link do post | favorito

Domingo, 9 de Agosto de 2015
RIO DE MOURO: EMPRESA “PRIVATIZA” ESTACIONAMENTO PÚBLICO

Uma empresa situada no bairro da Serra das Minas, em Rio de Mouro, decidiu privatizar o estacionamento público existente junto às suas instalações, no exterior dos muros da sua propriedade.

BL-RiodeMouro-Predios 023

Várias placas de cor amarela, lembram aos proprietários de viaturas que ali tencionem estacionar que o local é de “estacionamento privado / sujeito a reboque”.

Como se pode verificar pelas imagens, não constitui qualquer sinal de trânsito regulamentado pelo Código da Estrada nem espaço reservado com autorização da Câmara Municipal de Sintra, pelo que esta situação configura um abuso que exige a intervenção das autoridades com vista à reposição da legalidade.

BL-RiodeMouro-Predios 025

BL-RiodeMouro-Predios 024

BL-RiodeMouro-Predios 022

BL-RiodeMouro-Predios 026



publicado por Carlos Gomes às 22:54
link do post | favorito

AUTOCARROS DA SCOTTURB POLUEM O AMBIENTE

A empresa de transporte público ScottUrb que opera nos concelhos de Cascais, Sintra e Oeiras tem vindo a manter em circulação na via pública algumas viaturas emitindo gases poluentes em excesso, constituindo um atentado ao ambiente e á saúde pública.

BL-RiodeMouro-Autocarropoluidor 001

Hoje mesmo, registamos em imagens que publicamos o péssimo estado em que se encontra a viatura 48-DS-08, quando esta circulava em Rio de Mouro com destino ao cacém, por volta das 19 horas, efetuando a carreira 448 que liga a Portela de Sintra ao Cacém. As imagens foram captadas no percurso entre Rio de Mouro e a rotunda do Cacém.

“Ciente do seu papel, a ScottUrb não esquece a sua responsabilidade social e ambiental enquanto empresa empregadora e prestadora de serviço público” – pode ler-se no site oficial da empresa. Aguardamos que esse compromisso se concretize na melhoria das condições de circulação das suas viaturas.

BL-RiodeMouro-Autocarropoluidor 003-2

BL-RiodeMouro-Autocarropoluidor 004

BL-RiodeMouro-Autocarropoluidor 005

BL-RiodeMouro-Autocarropoluidor 006

BL-RiodeMouro-Autocarropoluidor 007

BL-RiodeMouro-Autocarropoluidor 009

BL-RiodeMouro-Autocarropoluidor 010

BL-RiodeMouro-Autocarropoluidor 011

BL-RiodeMouro-Autocarropoluidor 014-2

BL-RiodeMouro-Autocarropoluidor 017

 



publicado por Carlos Gomes às 21:28
link do post | favorito

PROLIFERAÇÃO DE ANTENAS PARABÓLICAS NOS TELHADOS DEGRADAM PAISAGEM URBANA

O aparecimento da emissão do sinal televisivo por cabo parecia ter resolvido definitivamente o problema da proliferação de antenas de televisão nos telhados dos prédios, assegurando ao mesmo tempo a receção dos quatro canais generalistas a quem não estivesse interessado na assinatura de outros canais. Porém, em muitos locais, passaram as antenas parabólicas a constituir a praga que desfigura a paisagem urbana, tal como antes sucedia com as velhas antenas de televisão.

Damaia 003

Sem qualquer regulamentação e controlo por parte das autarquias locais, a instalação descontrolada de antenas parabólicas desfigura a paisagem urbana e a estética dos edifícios, conferindo às povoações onde tal acontece uma imagem degradante própria de países subdesenvolvidos, contribuindo para a desvalorização do parque habitacional.

As imagens que se apresentam foram captadas no centro de Rio de Mouro, no concelho de Sintra.

Damaia 002



publicado por Carlos Gomes às 14:41
link do post | favorito

FOLCLORE DO MINHO FESTEJA ANIVERSÁRIO DA AMADORA



publicado por Carlos Gomes às 11:17
link do post | favorito

Sábado, 8 de Agosto de 2015
QUINTA DA FIDALGA NA AGUALVA ESTÁ AO ABANDONO

Situada no Largo da República, na Agualva, a Quinta da Fidalga continua votada ao abandono e cada vez mais degradada. Abandonada há vários anos, o edifício encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Municipal, trata-se da Quinta de Nossa Senhora do Monte do Carmo, fundada por volta de 1725 por José Ramos da Silva, Provedor da Casa da Moeda e pai do escritor Matias Aires que ali viveu até ao seu falecimento em 1763.

Damaia 010

A Câmara Municipal de Sintra anunciou no ano passado a sua cedência ao Conservatório de Música de Sintra, no âmbito de um projeto de criação de uma orquestra em cada agrupamento de escolas do concelho. No edifício principal, com três pisos e três dezenas de salas, a autarquia projetava instalar uma escola de música e relacionar-se com outros conservatórios", segundo na altura explicou Basílio Horta à agência Lusa. O autarca estimou então que o Conservatório de Música de Sintra-Associação de Música e Dança invista na recuperação e adaptação do imóvel “mais de dois milhões de euros”. A igreja da quinta ficaria destinada à realização de concertos.

Damaia 017

De acordo com o contrato de cedência, com uma duração de 30 anos, na recuperação da quinta, classificada como "imóvel de interesse municipal", os trabalhos deverão ser autorizados e acompanhados pela autarquia, nomeadamente as obras na capela e nas fachadas do edificado, as portas e janelas, o lagar de fuso e a torre”.

O projeto mereceu o aplauso de todas as forças políticas do concelho de Sintra mas até ao momento, a Quinta da Fidalga continua votada ao abandono e a degradar-se.

Entretanto, a anterior vereação camarária presidida pelo Dr Fernando Seara procedeu a obras que descaraterizaram o Largo da República, considerado o centro histórico da Agualva, destruindo o coreto e extinguindo a feira que desde o século XVIII ali se realizava todos os anos durante o mês de maio.

Parafraseando a denominação de uma conhecida transportadora da região, aqui vai Sintra!

Damaia 011

Damaia 012

Damaia 014

Damaia 015

Damaia 016

Damaia 018



publicado por Carlos Gomes às 22:13
link do post | favorito

A SAÚDE EM ALGUEIRÃO MEM-MARTINS

Dos profissionais, aos utentes, dos que estão doentes aos que tratam quem precisa, todos merecem ter condições dignas.

11742721_861539333899378_6724523095509853023_n

Aos homens e mulheres que com as mãos mergulhadas na dimensão maior da sua existência, tratando, reparando e cuidando dos doentes, muitas vezes, trabalham sem as condições mínimas.

A Eles que tudo fazem por nós, nunca lhes agradecemos tudo aquilo que merecem.

Anunciado em Abril de 2014, pelo Sr Presidente da Câmara Municipal de Sintra, será criada uma “cidade da saúde” no terreno das antigas instalações da fábrica da Messa, projeto esse que, segundo o Presidente da autarquia, é já reconhecido pelo Ministério da Saúde.

Em Janeiro do presente ano foi celebrado e assinado o protocolo para a instalação de quatro unidades de saúde no Concelho de Sintra.

Uma delas contempla a freguesia de Algueirão Mem-Martins, que segundo a clausula 1ª do protocolo assinado pela C.M.S e Ministério da Saúde será a “ instalação de uma Unidade de Saúde em Algueirão Mem-Martins, nos terrenos da antiga fábrica da Messa, em substituição da Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados Algueirão, da Unidade de Saúde Familiar Natividade (Ouressa), da Unidade de Saúde Pública Sintra, da Unidade de Cuidados na Comunidade Cruzeiro e do Espaço Jovem”.

Assim sendo, segundo o Presidente da Câmara, esta “cidade da saúde” iria centrar diversos polos de interesse na área da saúde, como um centro tecnológico para a indústria farmacêutica e um centro de saúde com 30 médicos para servir 62 mil utentes.

Também é público que, para esta obra, a autarquia diz ter disponível cerca de 2 milhões de euros.

Depois de tanta poupança feita nestes dois anos de mandato, e do anúncio desta “cidade da saúde” ter sido tornado público, através dos órgãos de comunicação social, fica a questão no ar.

O protocolo foi assinado pela C.M.S e M.S e os dois milhões de euros estão disponíveis, a população de Algueirão Mem-Martins anseia por um Centro de Saúde novo e com condições para quem lá trabalha e o utiliza.

Uma população envelhecida, e com muitas carências, onde todos os dias dezenas de utentes esperam horas seguidas, ao frio, ao vento, com crianças ao colo, por uma consulta, onde por vezes depois de tanto esperar, são informados que as vagas do dia estão preenchidas e terão de voltar a tentar no dia seguinte.

Uma situação, que se torna insustentável, e que não se pode arrastar por mais tempo. Está na hora de dizer basta e exigir que seja cumprido o que foi anunciado e assinado.

O que espera o Executivo camarário PS/PSD/CDU para avançar com a construção da “cidade da saúde”?

Luis Carlos Parreira

Autarca eleito na Assembleia de Freguesia

Algueirão Mem Martins, pelo Movimento Sintrenses com Marco Almeida.

11871656_873246442728667_1451858474_o



publicado por Carlos Gomes às 18:55
link do post | favorito

Sexta-feira, 7 de Agosto de 2015
CIDADE DE NAGASAKI FOI DESTRUÍDA HÁ 70 ANOS!

Nagasaki foi fundada pelos portugueses há 445 anos, na Ilha de Kyushu, no sudoeste do Japão

No próximo dia 9 de agosto, passam precisamente 70 anos sobre a data da destruição da cidade japonesa de Nagasaki. Naquele fatídico dia, os Estados Unidos da América lançaram sobre a cidade a bomba atómica, após dias antes terem feito o mesmo em relação à cidade de Hiroshima.

1979111-3227-rec

Nagasaki foi criada pelos portugueses com vista ao estabelecimento de um porto de abrigo para os navios que demandavam aquelas paragens. Após um longo processo de negociações entre os jesuítas e Ômura Sumitada, senhor de Ômura e várias tentativas falhadas de fixação noutros locais, foi finalmente decidida a sua construção na ampla e profunda baía onde até então apenas existia uma pequena povoação de pescadores.

11825167_10200735516707334_2297778591639102646_n

A construção foi iniciada em 1571 e a cidade rapidamente se transformou num importante entreposto comercial, sobretudo para os negociantes holandeses, ingleses, chineses e coreanos. De igual modo, constituiu um dos principais pontos de evangelização dos jesuítas no Extremo Oriente

Possuindo uma população maioritariamente cristã, em grande medida resultante da miscigenação entre portugueses e mulheres japonesas, Nagasaki era uma cidade carateristicamente portuguesa, com as suas catedrais, a organização paroquial e a Misericórdia fundada em 1583. Mas, ainda mais relevante, a introdução de numerosos vocábulos no dialeto local, a influência na gastronomia, no vestuário e em muitos outros hábitos japoneses.

A sua importância estratégica levou á instalação no local de uma importante base naval da Marinha Imperial do Japão, razão pela qual se tornou um dos alvos escolhidos para o lançamento da bomba atómica no final da Segunda Guerra Mundial que a destruiu quase por completo.

Mais do que qualquer outra cidade do Japão, Nagasaki permanece viva no coração dos portugueses!



publicado por Carlos Gomes às 22:30
link do post | favorito

PARTIDO “OS VERDES” RECLAMA ORDENAMENTO DA FLORESTA PORTUGUESA

Os Verdes alertam para a necessidade urgente de medidas de prevenção de incêndios e ordenamento da Floresta Portuguesa

Segundo os dados provisórios divulgados ontem pelo Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), nos primeiros sete meses deste ano já arderam 28781 ha de espaços florestais - a segunda maior área ardida do decénio, depois dos 68 mil em 2012, e a terceira desde 2005.

Trata-se de um dos períodos mais severos em termos de incêndios com o quinto maior número de ocorrências desde 2005. Em relação ao ano passado, o agravamento é muito expressivo: arderam mais 21206 ha (280%) do que o total queimado até esta altura.

A situação de severidade meteorológica que tem caracterizado este ano - e com tendência a agravar-se e a repetir-se no futuro – devido ao agravamento do fenómeno das alterações climáticas, para o qual Os Verdes têm, desde sempre, alertado, leva ao aumento da tendência da ocorrência de incêndios.

Perante esta situação gravosa, associada ao facto de que o Governo continua a ignorar a urgência da aplicação de uma política de defesa e preservação da nossa floresta, bem como de prevenção de incêndios, torna-se urgente a implementação de medidas efetivas de prevenção, e não apenas de combate.

O Partido Ecologista «Os Verdes» considera urgente a aplicação de uma política de fundo que promova o ordenamento da floresta portuguesa, com a plantação de espécies autóctones, investimento na prevenção e limpeza, concretização do cadastro florestal, fiscalização efetiva e o fim da expansão das culturas de eucalipto. A defesa de uma floresta viva, fonte de vida, de riqueza e biodiversidade, uma floresta de usos múltiplos, económica e ambientalmente sustentável, e protegida contra o drama anual dos incêndios florestais deve ser cada vez mais uma prioridade.

O PEV pretende ainda deixar, através desta nota de imprensa, um profundo agradecimento a todos os bombeiros portugueses que têm lutado fortemente contra o flagelo dos incêndios que, todos os anos, deixam o nosso País mais pobre.

O Partido Ecologista “Os Verdes”



publicado por Carlos Gomes às 19:15
link do post | favorito

FESTIVAL DE INVERNO ESTÁ DE REGRESSO A LISBOA

O Festival de Inverno está de regresso e vai realizar-se a 20 de fevereiro de 2016, na arena do Campo Pequeno, em Lisboa.

Com uma renovação do conceito, o Festival de Inverno contará nesta segunda edição com 12 horas da melhor música. A Music In My Soul, produtora do evento, tem como objetivo “mobilizar os festivaleiros do país inteiro através de um conceito diferenciador, não só no que respeita ao cartaz, como também pelas atividades paralelas que irão rodear o mesmo”.

A 1ª edição do Festival de Inverno decorreu a 21 e 22 fevereiro de 2014 e contou com a participação de artistas como Mesa, Balla, Anarchicks, O Martim e NBC.

Esteve também nomeado, na categoria de “Melhor Micro Festival”, para os Portugal Festival Awards.

Brevemente será anunciada a abertura de bilheteiras e os respetivos locais de venda.

Mais informações: www.festivaldeinverno.pt (em atualização) www.facebook.com/ofestivaldeinverno


tags: ,

publicado por Carlos Gomes às 19:12
link do post | favorito

Quinta-feira, 6 de Agosto de 2015
INATEL REALIZA FESTIVAL DIRIGIDO AOS CENTROS DE CULTURA E DESPORTO

A Fundação INATEL prepara a realização da 3ª edição da iniciativa “Festival Inatel”, dirigida aos Centros de Cultura e Desporto associados da INATEL.

Atendendo ao já bem reconhecido trabalho que a INATEL vem desenvolvendo, no estímulo e no apoio à criação e à cultura popular, a realização da iniciativa em apreço pretende promover o interesse, o divertimento e a socialização dos beneficiários da Fundação, individuais, coletivos e de diversos pontos do país e de diferentes faixas etárias, contribuindo, simultaneamente, para a dinamização da atividade associativa dos Centros de Cultura e Desporto.

A realização irá decorrer em duas fases:

  • Fase de apuramento de candidaturas por distrito: os CCD interessados em participar deverão enviar as candidaturas ao cuidado dos serviços Inatel. Este envio deve ser realizado através de formulário criado para o efeito, disponível na Internet.
  • Final Nacional: os melhores trabalhos apurados nos diversos distritos apresentarão os seus trabalhos numa ação final organizada em Lisboa, no Teatro Armando Cortez (Casa do Artista), no dia 8 de novembro de 2015.

A apresentação de candidaturas e o envio da documentação solicitada é possível através do preenchimento de formulário online, disponível em https://fs6.formsite.com/inatel/FI2015/index.html.

  • Em cada uma das edições do festival, os grupos participantes serão representantes de distritos ou de regiões autónomas nacionais.
  • Cada um dos distritos ou das regiões autónomas poderá ser representado apenas por um único grupo.
  • Cada um dos grupos poderá participar em representação de apenas um distrito ou de uma região autónoma.
  • Em cada uma das edições do festival, está prevista a participação de um número máximo de até 7 CCD, um por cada distrito ou região autónoma.
  • Considerando que se encontra prevista a realização de um mínimo de três (3) edições da iniciativa, existe a oportunidade para que todos os distritos e regiões autónomas se façam representar.
  • Os distritos ou regiões autónomas com participação prevista na presente edição de 2015, são:
  • Açores.
  • Coimbra.
  • Guarda.
  • Porto.
  • Santarém.
  • Viana do Castelo.
  • Vila Real.

Todos os restantes distritos já participaram na iniciativa.

A data limite para a apresentação de candidaturas é o dia 30 de setembro de 2015.



publicado por Carlos Gomes às 15:10
link do post | favorito

JOÃO PERRE VIANA APRESENTA PROJETO LITERÁRIO SOBRE A POETISA GALEGA ROSALÍA DE CASTRO

Autor do projeto é natural de Lisboa

João Perre Viana é o autor do livro Rosalía de Castro, um projecto literário que nasceu nas redes sociais, foi editado via uma campanha de crowdfunding e totalmente desenvolvido como edição de autor, conseguindo em pouco tempo alcançar mais de 20.000 leitores em quatro idiomas diferentes. O livro acaba de ser apresentado nas livrarias da FNAC em Braga e Guimarães, tendo também sido descrita a forma como o projeto se desenvolveu.

IMG_2069 2

Rosalía de Castro é um projecto literário que se desenvolveu de forma orgânica e inovadora, tanto pelas pessoas involvidas no seu lançamento como na forma de o fazer.

A história nasceu nas redes sociais através de um blog onde ao longo de várias semanas os primeiros capítulos do livro foram partilhados de forma gratuita. O leitor acabou por interagir com a história tornando-se parte da mesma, tendo sido por exemplo responsável pela escolha da capa ou do local do evento para o lançamento do livro :

https://bookrosaliadecastro.wordpress.com

As redes socias, nomedamente o Facebook, Linkedin, Pinterest, Spotify e Google+ ajudaram em poucos meses a alcançar uma plataforma de mais de 15 mil leitores online só no idioma Português, o que permitiu validar o interesse dos leitores pela obra e assim criar as bases para um lançamento no formato físico:

https://www.facebook.com/bookrosaliadecastro 

Seguindo uma linha independente o projecto foi financiado na totalidade pelos próprios leitores através de uma campanha de crowdfunding, um feito inédito para um autor português no Indiegogo :

https://www.indiegogo.com/projects/rosalia-de-castro-o-livro/x/4948564

O livro está disponível desde Julho para venda nas lojas Fnac e em algumas livrarias independentes.

IMG_2066

O enredo baseia-se numa parábola sobre os encontros e desencontros na vida de quatro pessoas. Nascidas em quatro países diferentes acabam por cruzar-se na busca que cada um faz na procura da felicidade.

As notas de rodapé que salpicam cada capítulo ajudam-nos a viver duas histórias paralelas, a que está escrita e aquela que o leitor fará por sua iniciativa.

Ao longo dos anos iremos acompanhar a vida de três mulheres.
Àgnes Szement, nascida em Budapeste, com uma ambição que poderá não encontrar limites na dimensão do nosso mundo.

Monika Lavova, viveu parte da sua vida em Praga, nasceu na antiga Checoslováquia, um país que já não existe, tal como as certezas com que cresceu.

Maria Cortez, uma galega misteriosa, tal como muitas das suas conterrâneas, sonha com uma vida diferente em Paris.

Na ponta de cada história, um mesmo homem, José Costa Terra.

Deixe-se guiar pelos espaços, sons e desafios de um caminho que se vai estreitando até uma longa noite na Veneza do norte.

Rosalía de Castro, uma ponte no tempo.

IMG_2039 2

O autor, João Perre Viana nasceu a 10 de Agosto de 1972 em Lisboa. Formou-se em Direito em Portugal e mais tarde fez um MBA na Bélgica, estando há mais de 20 anos dedicado à gestão e criação de empresas.

A sua vida profissional levou-o a trabalhar em diferentes países e culturas tendo mantido em paralelo a atividade de docente. Atualmente é professor convidado em diversas universidades onde leciona disciplinas nas áreas de empreendedorismo e da comunicação de marca.

Durante a adolescência leu vorazmente tendo começado a escrever de forma apaixonada as histórias e os relatos dos diferentes locais por onde tem vivido e trabalhado.

Ao atravessar a fronteira dos 40, prometeu a si mesmo que iria dedicar mais tempo à literatura. Rosalía de Castro e a primeira das histórias que sonham transformar-se em livro que tem para contar.

IMG_2037



publicado por Carlos Gomes às 13:30
link do post | favorito

Quarta-feira, 5 de Agosto de 2015
HISTORIADOR JOÃO ALPUIM BOTELHO PUBLICA A OBRA “AZULEJOS DA MISERICÓRDIA DE VIANA DO CASTELO”

João Alpuim Botelho é atualmente responsável pelo Museu Bordallo Pinheiro, em Lisboa

“Azulejos da Igreja da Misericórdia de Viana do Castelo. Representação das obras da Misericórdia” é o título do mais recente livro publicado pelo historiador João Alpuim Botelho, dando-nos a conhecer o magnífico património azulejar da autoria de Policarpo de Oliveira Bernardes, um dos maiores azulejistas do século XVIII. Editado pela Santa Casa da Misericórdia de Viana do Castelo, ricamente ilustrado com fotografia de Rui Carvalho e Carlos Valencia Maya e excelente grafismo de Rui Carvalho, a obra foi impressa na Gráfica Casa dos Rapazes, em Viana do Castelo.

Na Nota Introdutória, assinada por Manuel Gomes Afonso, Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Viana do Castelo, refere-se o seguinte: “Em boa hora beneficiou esta igreja de obras de conservação e restauro. Ao conjunto azulejar de Policarpo de Oliveira, cuja assinatura deixou gravada num dos azulejos, foi dedicado especial cuidado. O mérito deste trabalho de recuperação, um decisivo contributo para salvaguarda e preservação de um património de que nos podemos orgulhar, tem merecido o devido reconhecimento e a atestá-lo, ainda recentemente, a atribuição do Prémio SOS Azulejo com que foi distinguido pelo Museu da Polícia Judiciária. Por isso, é de inegável oportunidade e a todos os títulos bem-vinda a edição desta obra do Dr. João Alpuim Botelho, profundo conhecedor do património da Santa Casa da Misericórdia de Viana do Castelo.

Neste trabalho o autor, com o conhecido rigor, mestria e precisão que incute aos seus estudos, conduz-nos a conhecer as principais características e particularidades dos vários painéis, permitindo-nos um diferente olhar e um mais aprofundado conhecimento de todo o conjunto que a Igreja nos oferece”.

Através deste livro, o autor dá-nos a conhecer o magnífico património azulejar barroco da Igreja da Misericórdia de entre o qual se destacam as catorze obras de Misericórdia situadas no corpo da igreja, mas também a representação da vida de Maria e de Jesus Cristo, na Capela-mor, com finalidade catequética de, através da imagem e das referências bíblicas inscritas nas respetivas cartelas, lembrar aos irmãos e a todos quantos frequentavam aquele espaço a própria missão a que a se propunha a Irmandade.

De planta transversal composta por nave única e capela-mor, da mesma altura e largura, a igreja é rasgada por janelas e portal de arco de volta perfeita encimado por frontão interrompido pela imagem da Virgem, refletindo do ponto de vista arquitetónico o período de transição do maneirismo para o barroco.

Apresentando o interior uma extraordinária riqueza decorativa, o vasto conjunto azulejar monocromático azul que reveste as paredes da igreja apresenta-se perfeitamente combinado com a talha dourada e as pinturas do teto da nave, traduzindo-se num património integrado bem caraterístico do período do barroco.

João Alpuim Botelho nasceu em 1967, em Viana do Castelo. Licenciado em História (FLL, 1989) e Mestre em Museologia, tendo defendido uma tese sobre “Panorama Museológico do Alto Minho” (U.N.L., 2007), foi responsável por dois museus certificados pela Rede Portuguesa de Museus: o Museu de Artes Decorativas e o Museu do Traje. Desde 2013, encontra-se ligado à Câmara Municipal de Lisboa, sendo responsável pelo Museu Bordallo Pinheiro.

Trabalhou desde 1991 na Câmara Municipal de Viana do Castelo e, desde 1999, foi responsável pelo Museu do Traje, criado em 1997, com a gestão e direção da instalação e processo de adesão à Rede Portuguesa de Museus concluído em 2004.

No âmbito da sua atividade no Museu do Traje realizou cerca de 20 exposições de temática etnográfica, ligada à investigação e pesquisa da vida rural tradicional e da identidade alto minhota.

Publicou, entre catálogos e artigos, cerca de 50 trabalhos sobre a mesma temática. Destes trabalhos relevo a edição de Uma Imagem da Nação, O Traje à Vianesa, com Benjamim Pereira e António Medeiros (ed CMVC, 2009)

Ainda no âmbito dos Museus desenvolvi um conjunto de Núcleos Museológicos situados nas freguesias do Concelho de Viana do Castelo, que dispõe de cinco em funcionamento (Moinhos de Vento de Montedor, em Carreço; Moinhos de Água, em S.L. Montaria; do Pão, em Outeiro; do Sargaço, em Castelo de Neiva; das actividades Agro-Marítimas, em Carreço) estando esta rede em permanente alargamento.

Desde Julho de 2009 sou Chefe de Divisão de Museus da Câmara Municipal de Viana do Castelo, tendo a meu cargo dois Museus que integram a Rede Portuguesa de Museus: o Museu de Arte e Arqueologia e o Museu do Traje

Iniciou a sua vida profissional no Centro Nacional de Cultura com Helena Vaz da Silva, no Dep de Divulgação Patrimonial em 1990/91. Entre 1995 e 2002 deu aulas no Curso de Turismo da Escola Superior de Tecnologia e Gestão do IPVC de História de Artes e Ofícios Tradicionais, Animação Cultural e Património e Museologia.

Entre 2002 e 2005, foi Diretor Executivo da Culturporto – associação de produção cultural privada, financiada pela Câmara Municipal do Porto, responsável pela gestão do Teatro Rivoli e pela Animação da Cidade. Durante este período, e para além da atividade normal do teatro Rivoli, organiza o projeto Bairros - projeto de criação artística com crianças de bairros desfavorecidos, a Festa na Baixa, conjunto de atividades de animação e divulgação do património da Baixa do Porto, o Capicua 2002, Ciclo de programação comissariado por Eduardo Prado Coelho, o Pontapé de Saída, ciclo de programação de encontro entre as artes e o futebol, no âmbito do Euro 2004, Colóquio Encenação do Passado, com Marc Augé, Vítor Oliveira Jorge, Jorge Freitas Branco, Nuno Carinhas, Abertura da Livraria do Rivoli, primeira livraria do Porto dedicada às Artes de Palco, Fundação da Sem Rede, Rede de Programação de Novo Circo, para a divulgação da disciplina de novo circo, integrada por 13 espaços culturais.

Integrou o Grupo de Trabalho para a Animação da Cidade durante o Euro 2004, criado pela Câmara Municipal do Porto para a coordenação da animação da cidade durante o Campeonato Europeu de Futebol e também a Comissão Executiva da exposição Homenagem a Fernando Galhano: 1904 -1994, na Biblioteca Almeida Garrett, em Novembro de 2004.

Realizou a Exposição Sala do Oriente de José Rodrigues Proposta para uma viagem, no Convento de S. Paio, Vila Nova de Cerveira, em Dezembro de 2006.

Foto da Igreja: http://olharvianadocastelo.blogspot.pt/



publicado por Carlos Gomes às 21:21
link do post | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

PONTE DE LIMA LEVA A LOUR...

PAROQUIANOS DE LOURES CAN...

MAZGANI ANUNCIA PRIMEIRAS...

RANCHO FOLCLÓRICO DA CASA...

LOURES VAI OUVIR CANTARES...

CASCAIS: VILAÇA INTERIORE...

REVISTA DE MARINHA COMEMO...

GRUPO DANÇAS E CANTARES A...

MUSEU BORDALO PINHEIRO IN...

MINHOTOS RUMAM A LOURES P...

MINHOTOS EM LISBOA CANTAM...

PARABÉNS, MARINHA PORTUGU...

NÃO KAHLO!

NATAL NO METRO DE LISBOA ...

GRUPO FOLCLÓRICO VERDE MI...

METROPOLITANO DE LISBOA A...

ALMOÇO DE NATAL JUNTA EM ...

MINHOTOS RUMAM A LOURES P...

RUI AGUILAR CERQUEIRA VAI...

METRO DE LISBOA ACOLHE O ...

“FIREFLIES” - O AMOR SEGU...

STEVE TILSTON ATUA AO VIV...

ALMADA REALIZA MERCADO DE...

JOSÉ RIBEIRO E CASTRO FOI...

CGTP DEFENDE REFORMA AOS ...

PAN QUER TRANSFORMAR CANT...

DISCURSO DO COORDENADOR-G...

PAI NATAL PERCORRE LISBOA...

CONGRESSO DO BOMBO REÚNE ...

MINHOTOS EM LOURES CANTAM...

ALFRAGIDE FOI AOS FADOS

BANDAS DE MÚSICA DE TODO ...

BANDAS FILARMÓNICAS DE TO...

PAULO DUQUE É O NOVO PRES...

MÄBU MARCAM ESTREIA EM PO...

COMUNICADO DO PAN SOBRE O...

BANDAS FILARMÓNICAS DESFI...

MOVIMENTO 1º DE DEZEMBRO ...

PAN NÃO QUER CIRCO COM AN...

SINTRA: NAS MERCÊS CONTIN...

PAN LEVA A DEBATE NO PARL...

COCA-COLA ASSINALA 40 ANO...

MOVIMENTO 1º DE DEZEMBRO ...

BANDAS FILARMÓNICAS DESFI...

PAN VOTA FAVORAVELMENTE O...

LOURES VIRA CAPITAL DO FO...

MINHOTOS RUMAM A LOURES P...

PONTE DE LIMA LEVA A LOUR...

RUI AGUILAR CERQUEIRA VAI...

SARGENTO APRESENTA-SE CO...

arquivos

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds