Blogue de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Lisboa e arredores

Quinta-feira, 27 de Julho de 2017
MUSEU DE MARINHA APRESENTA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA SOBRE A AVIAÇÃO MILITAR PORTUGUESA

Grande Guerra 1914-1918

Nos cem anos da constituição dos Serviços de Aviação do Corpo Expedicionário Português, da ativação do Centro de Aviação Marítima de Lisboa e da projeção da Esquadrilha Expedicionária a Moçambique, evoca-se a criação da componente aérea nacional através de uma exposição temporária que retrata a ação da Aeronáutica Naval e Militar durante a Grande Guerra.

CapturarMMARIN.PNG

Apresente exposição insere-se na programação da Comissão Coordenadora da Evocação da I Guerra Mundial, sob coordenação da Comissão Histórico-Cultural da Força Aérea e com a colaboração da Comissão Cultural de Marinha, Comissão de História e Cultura Militar e da Liga dos Combatentes.

Localização: Museu de Marinha | Pavilhão das Galeotas | Praça do Império - Belém, 1400-206 Lisboa

Horários:

todos os dias das 10H00 às 18H ( Horário de Verão – 1 MAI A 30 SET)

todos os dias das 10H00 às 17H ( Horário de Inverno – 1 OUT A 30 ABR)

Data:

28 de Julho a 12 de Outubro de 2017



publicado por Carlos Gomes às 14:57
link do post | favorito

Domingo, 26 de Março de 2017
POLÍCIA MARÍTIMA PROTEGE PORTUGAL NO MAR

O Dia do Livro Português foi criado pela Sociedade Portuguesa de Autores, para destacar a importância do livro e da língua portuguesa ao nível mundial. Foi definido o dia 26 de março, por ter sido neste dia que, em 1487, foi impresso o primeiro livro em Portugal, o “Pentateuco”, escrito em hebraico.

Associando-se a este dia, a AMN lançou no passado dia 20 de março, o livro “Polícia Marítima – Proteger Portugal no mar”. Com este livro pretende a Autoridade Marítima Nacional assinalar o passado histórico e as atividades da Polícia Marítima ao longo dos tempos, registando o seu valioso contributo ao serviço dos portugueses e do País.

17362936_710207435819478_3146395442742659817_n (1).jpg



publicado por Carlos Gomes às 13:08
link do post | favorito

Domingo, 19 de Fevereiro de 2017
CERIMÓNIA DE RENDIÇÃO DA GUARDA NO PALÁCIO NACIONAL DE BELÉM É UMA DOS MAIS NOTÁVEIS DO GÉNERO NA EUROPA

Render da Guarda no Palácio Nacional de Belém é já uma das cerimónias militares mais famosas a nível mundial

Teve hoje lugar mais uma espetacular cerimónia de Rendição Solene da Guarda no Palácio Nacional de Belém, em Lisboa. a Charanga a Cavalo do Regimento de Cavalaria da Guarda Nacional Republicana ofereceu uma vez mais um magnífico espetáculo militar e equestre que constitui uma das grandes atrações turísticas da capital do país, atraindo à zona histórica de Belém milhares de cidadãos nacionais e estrangeiros. Estas cerimónias ocorrem invariavelmente nos terceiros domingos de cada mês e é seguida de uma atuação no relvado do Jardim Vieira Portuense igualmente em Belém. A Rendição Solene da Guarda no Palácio Nacional de Belém, em Lisboa, é já uma das mais afamadas cerimónias militares do género que ocorrem em todo o mundo, a par das cerimónias congéneres que têm lugar do Reino Unido e na Dinamarca.

16649230_1344913212219011_3366057741254978028_n.jpg

De acordo com a informação disponibilizada pela Guarda Nacional Republicana nas redes sociais, “Corria o Ano de l942, o Regimento de Cavalaria da Guarda Nacional Republicana mantinha o seu efectivo honorífico disperso pelos diversos Esquadrões. Havia necessidade de tirar rendimento da componente artística dos valorosos “MOCAS” (alcunha dada aos Clarins) para que o seu Regimento pudesse apresentar algo diferente e com referência em paradas militares.

Era Mestre Clarim o Sargento Tomé que com todas as dificuldades da época reunia na sede periodicamente todos os Clarins dispersos pelos vários Esquadrões para a instrução possível. Viria mais tarde a ser auxiliado pelo 1º Sargento Viegas da Banda de Musica. Foram introduzidos os primeiros clarins graves e mandaram-se fazer os primeiros timbales na Fundição de Oeiras.

Nasceu assim a CHARANGA A CAVALO DO REGIMENTO DE CAVALARIA DA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA, única no mundo a executar nos três andamentos do cavalo, passo, trote e galope, marchas militares e trechos de música ligeira. Era composta por 28 executantes sob a Chefia do Sargento Mestre Clarim. Montava cavalos russos, com excepção do Mestre que montava um malhado. Mais tarde houve a preocupação de dotar os Timbaleiros e Fila Guias também de cavalos malhados, situação que se manteve até a alguns anos atrás, mas que actualmente é impossível de sustentar, devido à falta destes exemplares.

A CHARANGA teve o seu primeiro momento alto em 1957 aquando da visita a Portugal de Sua Majestade a Rainha Isabel II, já sob a chefia do 1º Sargento Marques que foi o grande impulsionador e primeiro MESTRE DA CHARANGA. 

Actualmente com a reestruturação da Guarda Nacional Republicana, integra a UNIDADE DE SEGURANÇA E HONRAS DE ESTADO e está sedeada no 3º Esquadrão em Braço de Prata, de cuja fileira são escolhidos os cavalos mais dóceis para as suas exibições, onde utiliza instrumentos de sopro (Cornetins, Trompetes, Fliscornes, Bombardinos e Contra-Baixos) e de percussão (Tímpanos). Neste momento é constituída por 25 elementos que alem de serem bons instrumentistas, tem que ser forçosamente bons cavaleiros.

O vasto reportório da Charanga muitas vezes adaptado à especificidade de cada actuação, é em grande parte trabalhado pelos próprios executantes que fazem os arranjos e adaptações necessárias às características dos instrumentos, do grupo e ao andamento do cavalo.

Integrada em paradas militares ou actuando isoladamente, é um espectáculo ímpar ver a Charanga com os seus cavalos cuidadosamente entrançados, garupas enxadrezadas e cascos e ferraduras pintadas, aparelhados com arreios ornamentados com xabraques vermelhos e dourados, garbosamente montados por cavaleiros impecavelmente fardados, com calção branco e dólmen azul contrastando com o capacete de penacho ao vento e o dourado dos seus instrumentos.

Alem de muitas outras actuações, destacam-se as seguintes:

  • “Comemorações dos 600 anos da Aliança Luso Britânica” em Londres – Inglaterra (1973),
  • “4º C.H.I no Deustshlandlle” em Berlim - Alemanha (1980),
  • “Royal Tounament de Earls Court” em Londres – Inglaterra (l986),
  • Livgardets Dragoner Tattoo” em Estocolmo – Suécia (l993),
  • “Comemorações do 125º Aniversário da Guarda e Segurança” em Viena - Áustria (1994),
  • “Encontro Hípico Europeu Diane-Hermés” em Chantilly – França (1995),
  • “Festas de Otonõ” em Jerez de La Frontera – Espanha (l996, l997 e l998),
  • “Honneur à la Garde” em Bercy – Paris- França (l997),
  • “Expo 98” Lisboa (1998)
  • “Festival de Fanfarras a Cavalo” em Nimes – França (2001),
  • “Concurso Internacional de Saltos” em Lion – França (2005),
  • Concurso Internacional de Saltos “CHIO 2007” em Aachen – Alemanha
  • 45º Musikschau Der Nationen em Bremen – Alemanha (2009).

Para além destas participações, apresenta-se muitas vezes em território Nacional, quer em Festivais, quer em paradas Militares, sendo ainda bastante requisitada para procissões de carácter religioso nos mais recônditos locais do Território Nacional emprestando a estas cerimónias um sentimento de pompa e emoção colectiva, como aconteceu quando escoltou a Imagem de Nossa Senhora de Fátima ao Estádio Nacional para a realização do Terço Vivo.”

Fotos: Manuel Santos

16649346_1344911598885839_296975147394650230_n.jpg

16681568_1344913398885659_6589826257330567096_n.jpg

16681611_1344911555552510_6760348132335563450_n.jpg

16681744_1344912098885789_673418537644658196_n.jpg

16729452_1344913835552282_7952498261908523361_n.jpg

16806869_1344911668885832_3693256983644634681_n.jpg

16806869_1344913502218982_8874952892009710889_n.jpg

16807087_1344912675552398_2675424648908939049_n.jpg

16807230_1344913792218953_647734912008675475_n.jpg

16807505_1344913742218958_1260398665615001841_n.jpg

16830841_1344912108885788_6347111481938428403_n.jpg

16832321_1344912965552369_2185440452059204986_n.jpg



publicado por Carlos Gomes às 19:10
link do post | favorito

Quarta-feira, 15 de Fevereiro de 2017
CHARANGA A CAVALO DO REGIMENTO DE CAVALARIA DA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA ABRILHANTA A RENDIÇÃO SOLENE DA GUARDA NO PALÁCIO NACIONAL DE BELÉM

Realiza-se no próximo dia 19 de Fevereiro mais uma espetacular cerimónia de Rendição Solene da Guarda no Palácio Nacional de Belém, em Lisboa. A partir das 11 horas da manhã, a Charanga a Cavalo do Regimento de Cavalaria da Guarda Nacional Republicana oferece um magnífico espetáculo militar e equestre que constitui uma das grandes atrações turísticas da capital, levando nesse dia milhares de cidadãos nacionais e estrangeiros à Praça Afonso de Albuquerque. Estas cerimónias ocorrem invariavelmente nos terceiros domingos de cada mês e é seguida de uma atuação no relvado do Jardim Vieira Portuense igualmente em Belém.

15573_1086965674653598_8964740828826913204_n.jpg

De acordo com a informação disponibilizada pela Guarda Nacional Republicana nas redes sociais, “Corria o Ano de l942, o Regimento de Cavalaria da Guarda Nacional Republicana mantinha o seu efectivo honorífico disperso pelos diversos Esquadrões. Havia necessidade de tirar rendimento da componente artística dos valorosos “MOCAS” (alcunha dada aos Clarins) para que o seu Regimento pudesse apresentar algo diferente e com referência em paradas militares.

Era Mestre Clarim o Sargento Tomé que com todas as dificuldades da época reunia na sede periodicamente todos os Clarins dispersos pelos vários Esquadrões para a instrução possível. Viria mais tarde a ser auxiliado pelo 1º Sargento Viegas da Banda de Musica. Foram introduzidos os primeiros clarins graves e mandaram-se fazer os primeiros timbales na Fundição de Oeiras.

Nasceu assim a CHARANGA A CAVALO DO REGIMENTO DE CAVALARIA DA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA, única no mundo a executar nos três andamentos do cavalo, passo, trote e galope, marchas militares e trechos de música ligeira. Era composta por 28 executantes sob a Chefia do Sargento Mestre Clarim. Montava cavalos russos, com excepção do Mestre que montava um malhado. Mais tarde houve a preocupação de dotar os Timbaleiros e Fila Guias também de cavalos malhados, situação que se manteve até a alguns anos atrás, mas que actualmente é impossível de sustentar, devido à falta destes exemplares.

A CHARANGA teve o seu primeiro momento alto em 1957 aquando da visita a Portugal de Sua Majestade a Rainha Isabel II, já sob a chefia do 1º Sargento Marques que foi o grande impulsionador e primeiro MESTRE DA CHARANGA. 

Actualmente com a reestruturação da Guarda Nacional Republicana, integra a UNIDADE DE SEGURANÇA E HONRAS DE ESTADO e está sedeada no 3º Esquadrão em Braço de Prata, de cuja fileira são escolhidos os cavalos mais dóceis para as suas exibições, onde utiliza instrumentos de sopro (Cornetins, Trompetes, Fliscornes, Bombardinos e Contra-Baixos) e de percussão (Tímpanos). Neste momento é constituída por 25 elementos que alem de serem bons instrumentistas, tem que ser forçosamente bons cavaleiros.

O vasto reportório da Charanga muitas vezes adaptado à especificidade de cada actuação, é em grande parte trabalhado pelos próprios executantes que fazem os arranjos e adaptações necessárias às características dos instrumentos, do grupo e ao andamento do cavalo.

Integrada em paradas militares ou actuando isoladamente, é um espectáculo ímpar ver a Charanga com os seus cavalos cuidadosamente entrançados, garupas enxadrezadas e cascos e ferraduras pintadas, aparelhados com arreios ornamentados com xabraques vermelhos e dourados, garbosamente montados por cavaleiros impecavelmente fardados, com calção branco e dólmen azul contrastando com o capacete de penacho ao vento e o dourado dos seus instrumentos.

Alem de muitas outras actuações, destacam-se as seguintes:

  • “Comemorações dos 600 anos da Aliança Luso Britânica” em Londres – Inglaterra (1973),
  • “4º C.H.I no Deustshlandlle” em Berlim - Alemanha (1980),
  • “Royal Tounament de Earls Court” em Londres – Inglaterra (l986),
  • Livgardets Dragoner Tattoo” em Estocolmo – Suécia (l993),
  • “Comemorações do 125º Aniversário da Guarda e Segurança” em Viena - Áustria (1994),
  • “Encontro Hípico Europeu Diane-Hermés” em Chantilly – França (1995),
  • “Festas de Otonõ” em Jerez de La Frontera – Espanha (l996, l997 e l998),
  • “Honneur à la Garde” em Bercy – Paris- França (l997),
  • “Expo 98” Lisboa (1998)
  • “Festival de Fanfarras a Cavalo” em Nimes – França (2001),
  • “Concurso Internacional de Saltos” em Lion – França (2005),
  • Concurso Internacional de Saltos “CHIO 2007” em Aachen – Alemanha
  • 45º Musikschau Der Nationen em Bremen – Alemanha (2009).

Para além destas participações, apresenta-se muitas vezes em território Nacional, quer em Festivais, quer em paradas Militares, sendo ainda bastante requisitada para procissões de carácter religioso nos mais recônditos locais do Território Nacional emprestando a estas cerimónias um sentimento de pompa e emoção colectiva, como aconteceu quando escoltou a Imagem de Nossa Senhora de Fátima ao Estádio Nacional para a realização do Terço Vivo.”

13346707_1360716667278496_1753448143239484375_n.jpg



publicado por Carlos Gomes às 19:52
link do post | favorito

Sexta-feira, 16 de Setembro de 2016
POLÍCIA MARÍTIMA COMEMORA EM LISBOA O SEU DIA

Ministro da Defesa condecora Polícia Marítima

Foi hoje comemorado pela primeira vez o Dia da Polícia Marítima. No ano passado foi por despacho do Comandante Geral da Polícia Marítima, Vice-Almirante António Silva Ribeiro, instituído o dia 13 de Setembro como o Dia da Polícia Marítima em alusão à data do diploma que, em 1919, procedeu à criação do Corpo de Polícia Marítima. Não obstante, as suas origens remontam a 1803, com competências relativas aos portos. Na ocasião, o Ministro da Defesa Nacional procedeu à entrega da medalha de Valor e Mérito Público ao Comando-geral da Polícia Marítima.

FullSizeRender (1).jpg

As comemorações decorreram hoje nas Instalações Centrais da Marinha, em Lisboa, tendo sido presididas pelo Ministro da Defesa Nacional, Prof. Doutor Azeredo Lopes, e contando com a presença do Secretário de Estado da Defesa Nacional, Dr. Marcos Perestrello, do Almirante Autoridade Marítima Nacional, Almirante Luís Macieira Fragoso e do Comandante Geral da Polícia Marítima, Vice-Almirante António Silva Ribeiro.

CX8A3263.JPG

As cerimónias incluíram uma exposição de equipamento e meios utilizados pela Polícia Marítima e o desfile das forças em presença com a actuação da Banda da Armada.

Inicialmente constituído por agentes destacados da Polícia de Investigação Criminal de Lisboa, pessoal pertencente ao Governo Civil e praças da Armada, a Polícia Marítima é “um órgão de polícia e de polícia criminal que garante, e fiscaliza, o cumprimento das leis e regulamentos nos espaços integrantes do Domínio Público Marítimo (DPM), em áreas portuárias e nos espaços balneares, bem como em todas as águas interiores sob jurisdição da AMN e demais espaços marítimos sob soberania e jurisdição nacional, devendo preservar a regularidade das actividades marítimas”, competindo-lhe ainda colaborar com as demais forças policiais com vista a garantir a segurança e os direitos dos cidadãos.

CX8A3205.JPG

CX8A3221.jpg

CX8A3275.JPG

FullSizeRender (1) (1).jpg

FullSizeRender (4).jpg

FullSizeRender (7).jpg



publicado por Carlos Gomes às 21:33
link do post | favorito

Sábado, 10 de Setembro de 2016
O QUE SÃO E PARA QUE SERVEM OS COMANDOS PORTUGUESES?

A morte recente de dois militares comandos causou forte consternação na opinião pública e até já existe quem no meio político reclame a extinção do próprio Regimento de Comandos. Não sabemos se tal proposta se deverá aplicar de igual modo a todas as forças militares e policiais onde possa vir a ocorrer um incidente do género nem tão pouco se os respetivos autores serão as pessoas mais avalizadas para emitir uma opinião a esse respeito, apenas pelo facto de diariamente se sentarem no parlamento e deambularem pelos “Passos Perdidos”. Por esse motivo, com a devida vénia, decidimos transcrever a missão e o historial do referido Regimento de Comandos – na nossa região ainda conhecidos como os “Comandos da Amadora” apesar de há vários anos já lá não se encontrarem! – do site oficial do Exército Português.

comandos-portugal-1x.jpg

“O Batalhão de Comandos conduz operações de combate, de natureza eminentemente ofensiva, de forma independentemente ou em apoio de outras Forças, em condições de elevado risco de exigência. Prepara-se para cumprir outros tipos de missões do espectro das operações militares.”

“Os Comandos nasceram no Exército Português como forças especiais de contra guerrilha

A criação doas Comandos correspondeu à necessidade do Exército dispor de unidades especialmente adaptadas ao tipo de guerra que, em 1961, começou em Angola e que, depois, se estendeu à Guiné e a Moçambique

O primeiro objectivo que se pretendeu atingir foi: “…constituir uma tropa especialmente preparada para as operações de contra guerrilha…”

A história dos Comandos começou em 25 de Junho de 1962, quando em ZEMBA, no norte de Angola, foram constituídos os primeiros seis grupos de combate, daqueles que seriam os antecessores dos Comandos

Os seis grupos obtiveram excelentes resultados operacionais

Em 1963 surgiu então, pela primeira vez, a designação de COMANDOS para as tropas instruídas no Centro de Instrução 16 em QUIBALA (Angola)

Em 13 de Fevereiro de 1964, iniciou-se na NAMAACHA (Lourenço Marques) o 1º Curso de Comandos de Moçambique

1965 - Passa a funcionar em LUANDA o Centro de Instrução de Comandos, criado por decreto-lei nº 46410 de 29 de Junho 65, que formaria Companhias de Comandos durante 10 anos, com destino às Regiões Militares de Angola e Moçambique (RMA, RMM)

1966 - Em Abril, é criado em LAMEGO um novo CI, onde passam a ser formadas Companhias de Comandos para os Teatros de Operações da Guiné e de Moçambique

1969 - Em Julho, é criado em BISSAU (Guiné) o Batalhão de Comandos da Guiné, que passa a integrar todas as Companhias de Comandos em actuação no Teatro de Operações da Guiné e, simultaneamente , funciona como CI, onde são formadas e recompletadas as 1ª, 2ª e 3ª Companhia de Comandos da Guiné

04Jul74 - É criado o Batalhão de Comandos nº 11, que fica aquartelado na Amadora, onde são integradas ou formadas as Companhias de Comandos

25Nov75 – O Regimento de Comandos intervém vitoriosamente e de forma altamente meritória nos destinos político-militares de Portugal, consolidando em definitivo a democracia e a liberdade conquistada em 25 de Abril de 1974 1976 - Nos diversos Centros de Instrução e até 1976, formaram-se um total de 67 Companhias de Comandos, que souberam sempre combater com determinação e valor, em todos os Teatros de Operações

01Out93 - É extinto o Regimento de Comandos 1996 – É ministrado o 99º Curso de Comandos, no Centro de Instrução de Operações Especiais / Lamego 09Maio02 - É reactivada a Unidade de Comandos, de escalão Batalhão a 2 Companhias, sedeada no Regimento de Infantaria Nº 1 - Serra da Carregueira

16Set02 - Início do 100º Curso de Comandos.

01Jul06 – É criado o Centro de Tropas Comandos (CTCmds). Por Despacho nº 131/CEME/2006 de 26Junho, com base no Anexo ao DL nº 115/2006 (2ª série) de 16 de Junho.

31Mar08 - O CTCMDS é transferido do Quartel do Alto da Vela para o Quartel da Carregueira pela Directiva Nº12/CEME/08 de 10 de Janeiro.

31Jul15: Em cumprimento do determinado no Decreto Regulamentar n.º11/2015, o Centro de Tropas Comandos retomou a designação de Regimento de Comandos (RCmds).”

Fonte: http://www.exercito.pt/



publicado por Carlos Gomes às 19:29
link do post | favorito

Quinta-feira, 9 de Junho de 2016
PRESIDENTE DA REPÚBLICA VISITA EXPOSIÇÃO DE MEIOS MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS NA RIBEIRA DAS NAUS E PRAÇA DO COMÉRCIO

O Presidente da República, Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, visitou hoje a exposição que se encontra patente até amanhã no Terreiro do Paço e na Ribeira das Naus, e que se destina a mostrar ao público as capacidades e meios militares dos três ramos das Forças Armadas Portuguesas.

13319771_1114054695304865_5062096293383857539_n.jpg

 Esta iniciativa inclui nomeadamente tendas de campanha, carros de combate, aeronaves, lanchas, robôs para inativação de explosivos, demonstrações com a participação de “cães de guerra” e ainda “batismos de mergulho” e a atuação da Orquestra Ligeira do Exército e de várias bandas militares.

Estas atividades são parte integrante das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas que se assinala amanhã no Terreiro do Paço com uma cerimónia militar, após a qual o Chefe de estado partirá para França a fim de presidir em Paris às comemorações oficiais do dia 10 de Junho.

A demonstração de capacidades e meios foi oficialmente inaugurada pelo chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas, acompanhado pelos chefes do Estado-Maior dos três ramos das Forças Armadas, e pelo presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

Fotos: Manuel Santos

13432316_1114053668638301_3628574906170760527_n.jpg

13240007_1114077725302562_8839320302898609480_n (1).jpg

13339487_1114053975304937_3264722869860565485_n (1).jpg

13343068_1114077988635869_4057722275710228960_n (1).jpg

13343085_1114078018635866_338895090541073863_n (1).jpg

13346906_1114078548635813_1389034727335611375_n (1).jpg

13419005_1114077975302537_2438367086566810276_n (1).jpg

13423798_1114077958635872_1331203348747011976_n (1).jpg

13423889_1114078531969148_7878206887472374740_n (1).jpg

13428430_1114054421971559_3067837951938841513_n (1).jpg

13434798_1114077681969233_2141617258134201094_n (1).jpg



publicado por Carlos Gomes às 23:11
link do post | favorito

Domingo, 8 de Maio de 2016
“A PENA E A LANÇA” – UM LIVRO DA AUTORIA DO VICE-ALMIRANTE ANTÓNIO SILVA RIBEIRO ATRAVÉS DO QUAL SE REALÇA A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA E DA LITERATURA NA CELEBRAÇÃO DOS GRANDES FEITOS MILITARES

Inspirado no Canto V d’Os Lusíadas, o livro “A Pena e a Lança” da autoria do Vice-almirante António Silva Ribeiro é um “Ensaio sobre o pouco conhecimento e a rara celebração dos feitos militares e dos heróis nacionais”. Trata-se de uma edição de autor e é dedicada ao Professor Doutor Adriano Moreira por “no Instituto Superior naval de Guerra (ISNG), no ano lectivo de 1989-1990, ter despertado em mim o gosto pelo estudo das Humanidades”.

Fundamentando os argumentos em acontecimentos históricos da antiguidade clássica ou mais modernamente nos feitos dos portugueses celebrados através do poema épico de Os Lusíadas, constitui esta obra um estudo da maior atualidade e pertinência porquanto procura realçar a importância da História e da Literatura na celebração dos grandes feitos bélicos protagonizados pelos portugueses. E, a comprovar a validade da sua tese, dá como exemplo a forma como passaram despercebidas as comemorações recentes do 6º Centenário da tomada de Ceuta, empreendimento no entanto considerado a todos os títulos notável.

Em forma de justificação, o autor recorre ao insigne poeta Luís Vaz de Camões quando este afirma através dos seus versos “Enfim não houve forte Capitão / Que não fosse também douto e ciente”, para concluir que “não basta ser um militar valoroso, capaz de cometer façanhas bélicas invulgares”, mas que “os líderes militares precisam de ter, igualmente, instrução e sabedoria para transmitirem essas ações através da escrita, como fazem os heróis dos outros países, a quem não falta eloquência. Em sua opinião, Portugal produz gente de enorme heroísmo e grande valia bélica, mas, por ser rude e inculta, dificilmente dai da penumbra da História”.

O Vice-almirante António Silva Ribeira é natural do concelho de Pombal e possui vasta obra publicada de entre a qual salientamos “A Hidrografia nos Descobrimentos Portugueses” e a “Cartografia Naútica Portuguesa dos Séculos XV a XVII”. É um académico especializado nas áreas de Estratégia, Ciência Politica e História, lecionando e supervisionando investigações em algumas das principais Universidades e Centros de Investigação de Portugal. Tem uma extensa obra publicada, e é orador habitual em conferências sobre Assuntos Militares e Políticos, Relações Internacionais e Estratégia.

É professor catedrático convidado do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, professor militar da Escola Naval e professor coordenador do Instituto Superior de Ciências da Informação e Administração. O seu principal tema de investigação é o planeamento estratégico, embora se interesse por estratégia marítima, estratégia militar, política internacional, sociologia militar, história militar, história marítima e história da hidrografia.

O Vice-almirante Silva Ribeiro é membro do Grupo de Estudos e Reflexão Estratégica de Marinha, da Academia de Marinha, do Centro de Estudos do Mar, da Liga dos Combatentes, do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo, do Centro Português de Geopolítica, da Comissão Portuguesa de História Militar, da Revista Militar, da Revista Nação e Defesa, da Revista Segurança e Defesa, do Clube Militar Naval, do Clube Náutico de Oficiais e Cadetes da Armada, do Grupo de Amigos de Olivença, da Revista de Relações Internacionais e da Revista de Ciências Militares.

Foto: Revista da Armada



publicado por Carlos Gomes às 17:51
link do post | favorito

Terça-feira, 24 de Novembro de 2015
BANDA DE MÚSICA DA FORÇA AÉREA DESFILA EM LISBOA NAS COMEMORAÇÕES DO DIA 1º DE DEZEMBRO

A Banda de Música da Força Aérea é a banda militar que este ano participa no desfile de bandas que vai decorrer no próximo dia 29 de novembro, na avenida da Liberdade.

aa-129655-1_1633

Trata-se de uma grandiosa jornada patriótica evocativa da data da Restauração da Independência Nacional em 1640, cujas comemorações devem manter-se vivas sob a forma de celebrações populares.

A organização é da iniciativa do Movimento 1º de Dezembro e conta com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, da EGEAC e da SHIP - Sociedade Histórica da Independência de Portugal.

Em relação à Banda de Música da Força Aérea, transcreve-se o respetivo historial:

“A Banda de Música da Força Aérea foi criada em 31 de Dezembro de 1957 na dependência da então Secretaria de Estado da Aeronáutica. Atualmente depende directamente do Chefe do estado-Maior da Força Aérea e toda a sua atividade é coordenada pelo seu Gabinete.

Considerada como um órgão titular de Coronel Aeronáutico, distintivo privativo da Força Aérea que, com ele caracteriza todas as suas Unidades, o seu Brasão de Armas ostenta como divisa: “SERVINDO COM ENGENHO E ARTE“

Ao longo da sua existência, vários concertos comprovam o nível eminentemente solístico, artístico e técnico dos instrumentistas e a dignidade da direção dos seus maestros.

Foi seu primeiro chefe o Capitão Joaquim Cordeiro, sucedendo-lhe no cargo o Major Silvério de Campos, o Major Aurélio Pinho, o Major Mário Marques, o Capitão Agostinho Caineta e o Tenente-Coronel João Silva. Foi ainda, Chefe da Banda, até abril de 2012, o Capitão José Serra.

Atualmente o maestro principal e também responsável pelas Fanfarras da Força Aérea é o Tenente-Coronel Élio Murcho, tendo como assistentes o Capitão António Rosado e o Tenente Rui Silva.

Constituída na sua maioria por executantes de primeiro plano, a Banda, para além de participar nas cerimónias militares oficiais quer no âmbito da Força Aérea, quer no âmbito do protocolo de Estado, tem contribuído, como elemento de divulgação cultural, para o enriquecimento do meio musical português, realizando concertos do mais alto nível por todo o País e ainda representando internacionalmente Portugal nos seguintes países:

- Alemanha em 1969, 1972, 1973 e 2006, em representação das Forças Armadas, onde atuou com assinalável êxito no Festival de Música da NATO em Monchengladbach e Kaiserslautern;

- Bélgica em 1977 e 2010, em representação nacional participou, respetivamente no 17º e 50º Festivais Internacionais de Bandas Militares na Cidade de Mons, Luxemburgo em 1977, realizou um concerto integrado no Dia de Portugal e das Comunidades Portuguesas, na cidade do Luxemburgo;

- Holanda em 1983, representou Portugal no Nacional Taptoe de Breda;

- Inglaterra em 1989, participou nas comemorações do 40º Aniversário da NATO, enviando a Londres uma representação da Banda da Força Aérea para, em conjunto com membros de todos os países aliados, celebrarem os 40 anos da Paz na Europa;

- Espanha em 2004, como convidada de honra, participou no XI Certame de Bandas de Música de Boqueixón (Santiago de Compustela);

- França, em 2005 e 2007, em representação nacional participou nos Tattoos Militares Internacionais de Nice e Albertville respetivamente e, em 2005 e 2008, nas Peregrinações Militares a Lourdes.

Pela forma exemplar como tem cumprido a missão que lhe está atribuída e, pelo contributo para elevar o prestígio da Força Aérea, das Forças Armadas e de Portugal, foi a Banda condecorada em 1997, pelas mãos de Sua Excelência o Presidente da República, com a Medalha de Ouro de Serviços Distintos.”

12196113_903057633134692_7164868301328386771_n



publicado por Carlos Gomes às 22:40
link do post | favorito

Segunda-feira, 19 de Outubro de 2015
LISBOA RECEBE MARINHA DE GUERRA CHINESA

Comunidade chinesa radicada em Lisboa festeja a sua chegada

Uma frota de navios da Marinha do Exército de Libertação Popular da China aportou anteontem na Doca da Rocha Conde de Óbidos onde foi calorosamente recebida pela comunidade minhota residente em Lisboa.

12122946_494627257364412_8073238425936509897_n

A frota é constituída pelo contratorpedeiro “Jinan”, a fragata “Yivan” e o navio de reabastecimento e de apoio “Qiandaohu” e permanecerá na capital até ao próximo dia 21 de outubro.

A frota realiza uma missão de patrulhamento global que incluiu uma missão de vigilância no Golfo de Aden, à entrada do Mar Vermelho, próximo da Somália, considerada uma via marítima essencial para o transporte do petróleo proveniente do Golfo Pérsico e, por conseguinte, uma região importante para a economia mundial, constantemente ameaçada pela ação dos piratas somalis.

A presença em Lisboa da frota naval chinesa destina-se a assinalar o momento das melhores relações diplomáticas e de cooperação entre Portugal e a República Popular da China cujos laços de amizade remontam a meados do século XVI.

O BLOGUE DE LISBOA agradece ao “Diário de Todos”, o primeiro jornal luso-chinês em Portugal, a autorização da utilização das suas fotos.

Fotos: Diário de Todos / https://www.facebook.com/quanribao/timeline

12109039_494627000697771_4956435691138028970_n

12122847_494627420697729_3179046244313534329_n

12122775_494627227364415_4795412057267494293_n

12119129_494627350697736_7564743663084224135_n

12115969_494627430697728_5632340042872638856_n

12115605_494627284031076_1145284302838617023_n

12115604_494627240697747_8799752869967244774_n

12109306_494627267364411_5418060566388117121_n

12109069_494627617364376_7547450410880849787_n

12108279_494627247364413_3167316174403362606_n

12107271_494627387364399_4566458343724727153_n

12105865_494626890697782_8587485601039739158_n

12088311_494627260697745_1912555393093228756_n

12063380_494627274031077_3825737864750399286_n

12063307_494626797364458_329646183513109093_n



publicado por Carlos Gomes às 19:38
link do post | favorito

Terça-feira, 16 de Junho de 2015
RENDER DA GUARDA ATRAI LISBOETAS E TURISTAS AO LARGO DO CARMO



publicado por Carlos Gomes às 21:27
link do post | favorito

Domingo, 7 de Junho de 2015
ENCONTRO NACIONAL DE COMBATENTES HOMENAGEIA ENFERMEIRAS PÁRAQUEDISTAS



publicado por Carlos Gomes às 10:41
link do post | favorito

Segunda-feira, 18 de Maio de 2015
REGIMENTO DE TRANSPORTES ASSINALA CENTENÁRIO COM EXPOSIÇÃO DE VIATURAS



publicado por Carlos Gomes às 22:08
link do post | favorito

Terça-feira, 12 de Maio de 2015
RENDER DA GUARDA ATRAI LISBOETAS E TURISTAS AO LARGO DO CARMO



publicado por Carlos Gomes às 14:22
link do post | favorito

Quinta-feira, 12 de Fevereiro de 2015
AERONAVES DA FORÇA AÉREA LEVANTAM VOO A PARTIR DA GRANJA DO MARQUÊS EM SINTRA

Situada na Freguesia de Pero Pinheiro, no Concelho de Sintra, a Base Aérea nº 1 da Força Aérea Portuguesa ocupa a vasta área que, juntamente com os terrenos em redor, foram a Granja do Marquês, assim denominados por outrora terem pertencido ao Marquês de Pombal. Ali encontra-se também instalado o Museu do Ar e a Academia da Força Aérea, ministrando instrução aeronáutica a milhares de pilotos militares.

BaseAereaSintra 023

Desde há muito tempo que as gentes de Sintra se encontram familiarizadas com as aeronaves sobrevoando constantemente os céus daquela localidade. Porém, a maior parte das pessoas desconhece a história do local e as próprias instalações, apesar do Museu do Ar constituir um local de interesse bastante visitado pelo público. Por essa razão, decidimos publicar a descrição feita pela própria Força Aérea Portuguesa.

BaseAereaSintra 031

Habituados a remontar ás mais antigas origens do povoamento do nosso país, já não nos surpreende o aparecimento de um qualquer testemunho palpável que consiga destrinçar, depurando-a, a lenda fácil da verdade histórica.

Raras são as povoações portuguesas a que os nossos solícitos corógrafos não tenham atribuído uma fundação dos mais arcaicos povoadores.

A Granja do Marquês, ubérrimo solo que ao longo dos tempos foi alimentando populações diversificadas, desde muito cedo que se supunha aproveitada e ocupada e, a atestá-lo, foi descoberta em 1880 uma sepultura da idade Neolítica, encontrada na mesma Granja.

BaseAereaSintra 020

Podemos afirmar que, dois mil anos antes de Cristo vir ao mundo, já nos terrenos da actual Base Aérea Nº 1, se prestava um culto aos mortos, iniciador duma devoção que, pelos séculos fora, dignificaria o homem, colocando-o definitivamente num lugar muito destacado das espécies criadas e apelidando-o de único animal religioso. Embora não restem vestígios destacados, sabe-se que durante a dominação romana estes ricos solos foram explorados e aproveitados bem durante toda a longa permanência árabe.

Quando a vila de Sintra foi, finalmente, incorporada por D. Afonso Henriques no Reino de Portugal, os terrenos actualmente pertencentes à Base mais antiga da Força Aérea Portuguesa, foram doados aos Templários na pessoa de Gualdim Pais. Coma a extinção da Ordem Militar dos Cavaleiros do Templo, em pleno século XIV, passou para a venerável Ordem de Cristo. Em pleno século XVII, e segundo a lenda piedosa, a virgem de Nazaré aparecendo nesta propriedade, determinou a mudança de nome para Granja da Nazaré.

BaseAereaSintra 008

Então, nesta vasta e magnífica propriedade, começou a ser construída por Jâcome de Loureiro, seu proprietário, uma bela ermida à mesma Virgem da Nazaré, que o avô do primeiro Marquês de Pombal, que entretanto adquiriria esta quinta, acabaria de construir em 1701. Passaria inclusivamente a chamar-se Granja do Marquês por ter pertencido ao ilustre Primeiro-ministro de D. José.

Em 1862, a Família do Marquês de Pombal arrendou a referida Granja para nela ser estabelecida a Quinta Regional de Cintra, primeira em Portugal de uma agricultura e zootecnia cientificamente elaboradas, posteriormente transferida no ano de 1887 para as proximidades de Coimbra com o nome de “Escola Prática Central de Agricultura”. Datam desta época grande parte dos melhoramentos efectuados, tanto no Palácio de habitação como nos alojamentos dos empregados, abegoarias e celeiros. Quem pode hoje imaginar que o actual edifício do Comando tenha sido um estábulo de criação de potros e que o Gabinete do Oficial de Dia e as instalações anexas tenham servido de estábulo de vacas de trabalho e de produção leiteira.

Quem poderá ainda imaginar que o primeiro observatório meteorológico da então Quinta Regional de Cintra, se situava na bem lançada torre da actual Capela de Nossa Senhora do Ar.

BaseAereaSintra 026

Quem ainda hoje não fica extasiado com a magnífica obra de engenharia constituída pelo aqueduto que, desde as nascentes de Morelena, transportava a água até ao tanque de rega, hoje transformado em piscina.

BaseAereaSintra 025

Em 1920 D. Amália de Carvalho, descendente do primeiro Marquês de Pombal, foi instada a vender a referida Granja a um grupo de Oficiais que se propôs transformar esta propriedade rural. Dificilmente acreditaria nas maravilhas que estes, a breve trecho, operariam a ponto de passados apenas alguns meses, a imagem patenteada ao grande público era a de um alfobre dos primeiros e intrépidos vencedores do espaço aéreo português. 
Estarmos definitivamente, numa nova era de utilização da Granja do Marquês. Nasce assim e aqui, a Base mais antiga da Força Aérea Portuguesa. Desde a longa manifestação do homem neolítico sintrense até ao homem actual que, na Granja do Marquês, eleva aos céus as máquinas que o progresso lhe proporcionou para os dominar, quanto caminho percorrido!

Respiguemos todavia mais alguns factos históricos, estes certamente, mais conhecidos de todos nós porque mais próximos.

BaseAereaSintra 022

A Base Aérea Nº 1

Em consequência da divulgação levada a efeito pelo Aero Clube de Portugal e pela imprensa diária, o Dr. António José de Almeida apresentou, em 21 de Junho de 1912, à Câmara dos Deputados, um projecto de lei tendente a criar no nosso País um Instituto de Aviação Militar através do qual se previa a construção dum “porto aéreo nas margens do Tejo”. Pouco tempo depois, a direcção do citado Clube nomeia duas comissões, para estudarem respectivamente a organização duma escola de aviação e dum serviço militar de aeronáutica.

BaseAereaSintra 002

Foram elaborados trabalhos no seio do Aero Clube de Portugal, que levaram à criação da Escola Aeronáutica Militar, precursora da Base Aérea Nº 1 e do Serviço Aeronáutico Militar, antecessor da Força Aérea.

A partir dos estudos feitos pela já referida Comissão especial, nomeada em Agosto de 1912 pela direcção do Aero Clube Portugal, foi decretada pelo Congresso da República e promulgada em 14 de Maio de 1914 pelo Presidente da República Manuel Arriaga, a lei que cria a Escola Militar de Aviação, com serviços de aviação e serviços de aerostação e ainda com uma secção de marinha anexa.

A construção da Escola iniciou-se em Vila Nova da Rainha em 5 de Abril de 1915 e em 1916, Santos Leite, num DUPERDUSSIN, realiza ali o primeiro voo. Em 1 de Outubro, sob o comando do Tenente Coronel de Engenharia Hermano de Oliveira, dá-se inicio oficial ao primeiro curso de pilotagem com aviões FARMAN e CAUDRON G-3. Em Maio do ano seguinte, na Sociedade de Geografia de Lisboa, procedeu-se solenemente à cerimónia de distribuição dos brevets aos 15 oficiais que concluíram esse histórico curso, dos quais 3 pertenciam à Marinha. Eram brevets militares que lhes vieram a ser concedidos por várias escolas francesas (Chartres, Juvisy, Avord, Châteauxroux, etc.).

BaseAereaSintra 001

Devido às péssimas condições da pista e à insalubridade da região, a Escola è transferida em 5 de Fevereiro de 1920 para a Granja do Marquês.

Em 14 de Agosto de 1926, o Cardeal Patriarca de Lisboa, D. António Mendes Belo, oferece e entroniza na capela da Granja do Marquês uma imagem de Nª Senhora da Assunção, adquirida em Paris; ficou consagrada como Nª Senhora do Ar, o que foi mais tarde confirmado em 1960, pelo Papa João XXIII, com o breve Pontifício “ALIGERA CYMBA”, sendo então proclamada Padroeira dos Aviadores Portugueses. Nesse mesmo dia festivo de 1926, foi recebido e solenemente benzido pelo mesmo Cardeal Patriarca, o Estandarte da Escola, oferecido por uma comissão de senhoras de Sintra e por elas bordado.

BaseAereaSintra 021

A Escola militar de Aviação, viu posteriormente, em 1928, o seu nome alterado para Escola Militar de Aeronáutica, nome que manteve até à sua extinção.

Em Dezembro de 1937, o Decreto Nº 28.401 remodela profundamente o Exército com especial ênfase para a arma de Aeronáutica, que é substancialmente desenvolvida; é este decreto que cria a Base Aérea de Sintra. Mas torna-se necessário esperar quase dois anos, para em Outubro de 1939, o Decreto Nº29.957 dar à Granja do Marquês o nome que ainda hoje ostenta: Base Aérea Nº 1.

Foi portanto na Granja do Marquês (Base Aérea Nº 1 a partir de 1939) que durante longos anos se formaram os pilotos e especialistas da Força Aérea. O desenvolvimento da Força Aérea, com substancial aumento de quadros a partir dos inícios dos anos 60, levou a formação de especialistas para a Base Aérea Nº 2, e obrigou ao desdobramento da instrução básica de pilotagem com uma esquadra na Base Aérea Nº 1 (T-37) e uma esquadra na Base Aérea Nº7 (T-6). Extinta a esquadra de instrução de S. Jacinto, manteve-se a formação de pilotos na Base Aérea Nº 1 até Junho de 1993.

BaseAereaSintra 027

Complementando a actividade de instrução, a acrobacia em formação foi desde sempre apanágio da Esquadra de T-37, o que motivou a sua escolha pelo CEMFA, em 1977, para levar ao grande público a nível nacional, a imagem da Força Aérea, contribuindo para a sua divulgação e suscitar vocações na juventude, bem como, representá-la em festivais internacionais, através da patrulha acrobática “ASAS DE PORTUGAL”.

Além da instrução, a fotografia aérea, é uma actividade com largas tradições na Granja do Marquês. Embora efectuada logo desde os primeiros tempos e com importância crescente, foi a partir de Outubro de 1965 que, por determinação do CEMFA, a Base Aérea Nº1 passou a ter atribuída a missão de fotografia aérea da Metrópole. Esta Missão, está hoje largamente excedida, realizando importantes trabalhos à escala nacional, tais como: fotografia para cadastro, urbanização hidráulica agrícola, fomento agrícola e florestal, estradas, caminhos-de-ferro, recursos hídricos, saneamento básico, controlo do meio ambiente, habitacional, levantamento aeromagnético, levantamentos pontuais para pesquisa de recursos terrestres (pirites do Alentejo, Moncorvo, etc.); colaboração com o sector das pescas no continente, Açores e Madeira.

Em Outubro de 1987 foi assinado pelo Governo Português um contrato de aquisição de 18 aviões de instrução Epsilon e foi decidido que a sua Base de operação seria Sintra.

BaseAereaSintra 004

A fase de instrução nos aviões Epsilon veio substituir totalmente a instrução elementar de pilotagem em aviões Chipmunk e parte da instrução básica.

O primeiro avião Epsilon voou de Tarbes (França) para Sintra em31 de Janeiro de 1989 e a cerimónia oficial de entrega deste avião, presidida pelo então Ministro da Defesa Nacional, Eurico Silva Teixeira de Melo, teve lugar em 1 de Fevereiro desse mesmo ano.

Em 10 de Maio de 1990, foi esta unidade dotada de uma Esquadra de 12 aviões CESSNA FTB 337, transferidos da então Base Aérea Nº2.

Em 15 de Junho de 1993, a Esquadra de Instrução 101 foi transferida para a BA11 (Beja) e em 6 de Julho de 1993 a Esquadra de Transporte 502, equipada com aeronaves C212, que estava sediada na BA3 (Tancos) foi movimentada para esta Unidade, em consequência da reorganização que se verificou na Força Aérea.

Em 25 de Julho de 2007 realizou-se a cerimónia de encerramento da actividade da frota FTB-337G.

Texto: Força Aérea Portuguesa

Fotos: Carlos Gomes

BaseAereaSintra 017

 



publicado por Carlos Gomes às 21:58
link do post | favorito

Domingo, 29 de Junho de 2014
FORÇA AÉREA MOSTRA-SE EM LISBOA

Termina hoje em Lisboa a exposição comemorativa do 62º Aniversário da Força Aérea e do Centenário da Aviação Militar.

Força Aérea 030

Durante nove dias consecutivos, esteve patente ao público, na Cordoaria Nacional e no espaço à frente da mesma, junto ao Rio Tejo, uma exposição que visou apresentar as capacidades deste ramo das Forças Armadas Portuguesas e dos serviços que presta à comunidade.

A exposição contemplou a divulgação das diversas atividades do quotidiano da Força Aérea Portuguesa, contando sempre com a presença dos militares para explicarem tudo aos visitantes. Estiveram também expostas as aeronaves F-16, Alpha-Jet e Alouette III.

A demonstração da atividade cinotécnica constituiu a principal atração do agrado sobretudo das crianças.

Força Aérea 029

Força Aérea 027

Força Aérea 031

Força Aérea 039

Força Aérea 033

Força Aérea 036

Força Aérea 041

Força Aérea 052



publicado por Carlos Gomes às 13:31
link do post | favorito

Sábado, 26 de Abril de 2014
GUARDA NACIONAL REPUBLICANA ABRE AS PORTAS DO QUARTEL DO CARMO À POPULAÇÃO

GNR comemora 103.º Aniversário e abre as portas do Quartel do Carmo ao público

No âmbito das comemorações do seu 103.º aniversário, a Guarda Nacional Republicana tem patente no Quartel do Carmo uma exposição aberta ao público que pretende também assinalar os 40 anos do 25 de Abril e o centenário do início da I Grande Guerra Mundial.

A exposição está aberta das 10:00 às 18:00 horas, do dia 23 de abril a 11 de maio. Para além da exposição, encontra-se também aberto ao público o museu da Guarda Nacional Republicana, inaugurado recentemente no Quartel do Carmo.

Trata-se de uma oportunidade para serem revisitados alguns dos marcos históricos de Portugal, diretamente relacionados com este histórico edifício, designadamente: como antigo Convento do Carmo, fundado pelo Santo Condestável Nuno Álvares Pereira, herói da batalha de Aljubarrota, que garantiu a independência nacional na crise de 1383-1385. Ainda, como marco do terramoto de 1755, que levou à decadência do antigo Convento e sua posterior afetação, como quartel e comando das guardas militares da polícia, até à atualidade. E ainda como marco histórico dos acontecimentos ocorridos em 25 de abril de 1974.

A entrada na exposição é livre, efetuando-se a coordenação e o agendamento de visitas guiadas para grupos, através dos seguintes contactos: arquivomuseu@gnr.pt e telefone: 213 939 770.

40Anos25Abril 113

40Anos25Abril 118

40Anos25Abril 111

40Anos25Abril 109

40Anos25Abril 108

40Anos25Abril 106

40Anos25Abril 083

40Anos25Abril 087



publicado por Carlos Gomes às 00:06
link do post | favorito

Quinta-feira, 24 de Abril de 2014
AS FORÇAS ARMADAS ESTÃO AO SERVIÇO DO POVO PORTUGUÊS!

- Artigo 275.º da Constituição da República Portuguesa

No âmbito das comemorações do 40º aniversário do 25 de abril de 1974, encontra-se patente ao público uma exposição de meios e equipamentos da Marinha, Exército e Força Aérea, no Terreiro do Paço e junto á Estação Fluvial Sul-Sueste, em Lisboa, entre os dias 24 e 26 e de abril.

Para além da exposição de Sistemas de armas e equipamentos militares, terá lugar amanhã, dia 25 de abril, um concerto da Banda da Armada, uma atuação de equipas cinotécnicas do Exército e um concerto da Orquestra Ligeira do Exército. Os chefes dos vários ramos militares e o chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Pina Monteiro, vão marcar presença na exposição.

Uma cozinha de campanha, uma piscina para “batismo de mergulho”, uma torre de escalada, uma tenda `airsoft´, uma viatura de combate a incêndios, um planador, um helicóptero e uma viatura blindada PANDUR são algumas das “atrações” da exposição que o Estado-Maior General das Forças Armadas decidiu organizar para comemorar os 40 anos do 25 de Abril.

A exposição pretende também trazer à memória coletiva alguns dos meios que estavam em operação em 1974 como um helicóptero Allouete III usado na Guerra Colonial para transporte de pessoal, uma lancha dos fuzileiros e uma `chaimite´.

BMinho 006

BMinho 014

BMinho 009

BMinho 010

BMinho 011

BMinho 012

BMinho 013

BMinho 015

BMinho 020

BMinho 019

BMinho 018



publicado por Carlos Gomes às 18:11
link do post | favorito


mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

15
16

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

MUSEU DE MARINHA APRESENT...

POLÍCIA MARÍTIMA PROTEGE ...

CERIMÓNIA DE RENDIÇÃO DA ...

CHARANGA A CAVALO DO REGI...

POLÍCIA MARÍTIMA COMEMORA...

O QUE SÃO E PARA QUE SERV...

PRESIDENTE DA REPÚBLICA V...

“A PENA E A LANÇA” – UM L...

BANDA DE MÚSICA DA FORÇA ...

LISBOA RECEBE MARINHA DE ...

RENDER DA GUARDA ATRAI LI...

ENCONTRO NACIONAL DE COMB...

REGIMENTO DE TRANSPORTES ...

RENDER DA GUARDA ATRAI LI...

AERONAVES DA FORÇA AÉREA ...

FORÇA AÉREA MOSTRA-SE EM ...

GUARDA NACIONAL REPUBLICA...

AS FORÇAS ARMADAS ESTÃO A...

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds