Blogue de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Lisboa e arredores
Sábado, 7 de Outubro de 2017
CASA DO CONCELHO DE ARCOS DE VALDEVEZ REALIZA AMANHÃ EM MARVILA DESFOLHADA DO MILHO À MODA ANTIGA

22089510_10159479424045525_5231152160606642985_n



publicado por Carlos Gomes às 11:44
link do post | favorito

LOURES: HOJE EM A-DAS-LEBRES HÁ DESFOLHADA TRADICIONAL DO MILHO E CANTARES AO DESAFIO AO SOM DA CONCERTINA

36815169602_217a48ddb8_b

 



publicado por Carlos Gomes às 04:13
link do post | favorito

Sexta-feira, 6 de Outubro de 2017
CARNAXIDE RECEBE SERÃO TEMÁTICO DE ETNOGRAFIA

Realizou-se ontem em Carnaxide, no Concelho de Oeiras, mais uma edição do Serão Temático “Como há 100 anos…”, iniciativa do Grupo de Folclore das Terras da Nóbrega.

IMG_2839

O evento teve lugar no Auditório Municipal Ruy de Carvalho e contou com a participação, além do grupo anfitrião, do Grupo Folclórico Cancioneiro de Cantanhede (Beira Litoral – Gândara), o Rancho Folclórico da Sociedade Recreativa da Cabeça Veada (Alta Estremadura) e o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Arouca (Douro Litoral Sul).

O espectáculo combinou de forma bem conseguida a música e a dança folclórica com os quadros etnográficos que procuraram recriar vários aspectos da vida das gentes do povo, do berço à cova, o ciclo do minho com a encenação de uma descamisada, o ciclo do linho e outros aspectos do seu quotidiano.

É uma história contada cujo cardápio apresenta nos seguintes termos: “Minha’bó, conte-me uma estória...” É desta forma que uma criança pede à sua Avó, já velhinha, que lhe conte uma história dos tempos que já lá vão...

Fotos: Manuel Santos

22221550_1576594942384169_181253456227336751_n

22221920_1576594885717508_694847101576989592_n

22222024_1576594469050883_3650880886354784257_n

IMG_2784

IMG_2789

IMG_2800

IMG_2811

IMG_2824

IMG_2826

IMG_2836

IMG_2845

IMG_2847



publicado por Carlos Gomes às 22:50
link do post | favorito

OS CLÁSSICOS E AS INTERMITÊNCIAS DO AMOR EM “DÁ-ME A TUA MÃO”

“P’ra quê complicar?”. A pergunta é d’Os Clássicos e está presente em “Dá-me a Tua Mão”, o melífluo pedaço de música pop que acompanha o duro momento em que o protagonista avança, destemido, em busca de correspondência no amor que nutre por uma rapariga.

Os Clássicos

O trio assume novamente as suas raízes pop/rock não escondendo as influências slow-rock e pop/funk que marcam a sonoridade. O terceiro single sucede a “Amor de Escola” e “Bom Demais”, e é mais uma amostra de “Primeiro Acto”, o álbum de estreia já disponível online, antes da edição física pela Music For All no final deste mês.

Para falar do nascimento do projeto “Os Clássicos” temos de entrar na nossa máquina do tempo e recuar até ao, não muito distante, ano de 2014. Foi precisamente esse o momento em que Edgar Santos, Leandro Martins e José Moreno deram o derradeiro passo e criaram uma banda.

Nessa altura ainda não sabiam mas viriam a chamar-se “Os Clássicos”, escolheriam navegar entre o pop e o rock, mas sempre com um pé no slow-rock e no pop/funk de quando em vez, e marcariam a diferença pela forte interação com o público em todas as apresentações ao vivo do seu talento.

Mas para compreender na totalidade este fenómeno é necessário colocar a viagem temporal em modo pausa, e dedicarmo-nos por completo à exploração do percurso individual de cada um dos membros da banda.

Comecemos a nossa nova missão pelo compositor, vocalista, guitarrista, baixista, baterista, percussionista, teclista e pianista Edgar Santos. Nasceu em 1993 e desde 1998 que está ligado ao mundo da música. Com a tenra idade de cinco anos entrou para a Musilândia, Escola de Música de Mirandela, desenvolvendo e evoluindo sempre até aos dias de hoje. Em 2012, entra para a ESPROARTE no curso de Percussão, naquele que foi um passo seguro e firme rumo à profissionalização. Foi percussionista da Orquestra Sinfónica, o que o levou a atuar na Casa da Música com o Maestro Pedro Neves, na Orquestra de Sopros, com a qual venceu o concurso Eixo Atlântico, e na Brassband.

Paralelamente foi também guitarrista e vocalista em diversas bandas do nordeste transmontano, tendo ao todo subido a palco mais de 50 vezes! Em setembro de 2015 rumou ao Algarve para frequentar o curso técnico de Produção Musical, tendo-o concluído com a melhor média do curso: 17 valores! Outra das suas paixões é a representação, não sendo, por isso, de estranhar as várias participações enquanto figurante ou o anúncio da estreia, em 2017, de uma curta-metragem por si protagonizada.

José Moreno, tal como Edgar Santos, tem uma profunda ligação ao mundo da música. Aos cinco anos inicia-se na banda de Vilarandelo, aos doze ingressa na Academia de Artes de Chaves, na classe de percussão, aos 14 entra para a Escola Profissional de Música de Espinho, também na classe de percussão, e aos 16 anos ingressa na ESPROARTE. Integrou a Orquestra de Sopros da Academia de Artes de Chaves e atualmente, para além de baterista d'Os Clássicos, é também Chefe de Naipe de Percussão na BrassBand portuguesa, na Orquestra Clássica Transmontana e na Escola Profissional de Artes de Mirandela.

O terceiro e último membro dos clássicos é o Trompetista Leandro Martins. Nasceu em pleno verão de 1999, contudo a sua história com o trompete tem início apenas em 2007, ano em que entra para a Banda Marcial de Murça para tocar esse mesmo instrumento. Três anos depois é selecionado para a vaga de violino na Orquestra Geração (atualmente denominada Orquestra Energia) de Murça, através da qual realizou diversas formações e concertos em cidades tão díspares quanto Porto, São Paulo ou Paris.

Um ano depois preenche uma das vagas disponíveis na ESPROARTE para trompete, mantendo ainda hoje os estudos com o professor Maciel Matos. Os anos seguintes seriam de grandes desafios musicais: em 2014 é convidado a integrar a DogmaBrassBand e, dois anos depois, à Orquestra Clássica de Trás-os-Montes e Alto-Douro (OCTAD).

Provando que o talento não conhece idade Leandro pode hoje em dia ser visto em palco com diversos projetos musicais, sendo o principal a banda Os Clássicos.

2017 é, assim, o ano do maior desafio até agora para Os Clássicos. A banda já editou três singles através da Music For All, “Amor de Escola”, “Bom Demais” e “Dá-me a Tua Mão”, estando previsto “Primeiro Acto”, o primeiro álbum da banda, para muito breve.


tags: ,

publicado por Carlos Gomes às 19:31
link do post | favorito

ALVARO LANCELLOTI À CONQUISTA DE PORTUGAL ESTARÁ EM LISBOA

Primeiro chegou “Balé”, single introdutório de “Canto de Marajó” (2016), o segundo disco de originais a solo de Alvaro Lancellotti. Agora chegam os palcos, o público e os aplausos que oxigenam todos os artistas.

Alvaro_Lancellotti - Tour PT

O cantor e compositor carioca tem uma longa história no Brasil: foi um dos líderes do projeto Fino Colectivo; viu o mais recente disco ser destacado por mais do que uma vez por David Byrne e recolheu excelentes críticas por todo o Brasil, sendo considerado um dos dez melhores de 2016 pelo reputado jornal “O Globo”.

Com dois discos de originais na bagagem (“O Tempo Faz a Gente Ter Esses Encantos”, de 2012, e o já citado “Canto de Marajó”)

Alvaro Lancellotti tem atuações marcadas para cidades como Portalegre, Lisboa, Leiria, Coimbra, Porto, Braga e Vila Pouca de Aguiar, sempre sob o selo da Music For All.

04.10 | Pátio da Casa, Portalegre, 22h, Entrada Livre

06.10 | Casa Independente, Lisboa, 23h, 5€

08.10 | Showcase FNAC, Leiria, 17h

11.10 | Murphy’s Irish Pub, Coimbra, 22h30

12.10 | Showcase FNAC, Sta Catarina, 18h30

13.10 | Showcase FNAC, Braga, 22h

14.10 | Club 11, Vila Pouca de Aguiar, 22h30, 2€ para Sócios e 3€ Não-Sócios

Álvaro Lancellotti só podia virar músico. Entre as influências do pai e do irmão, Ivo e Domenico Lancellotti respetivamente, do samba, boleros e dos baile funks que frequentou desde tenra idade, era impossível não se deixar conquistar por um mundo tão denso, profundo e apaixonante quanto este.

Mais tarde, tornou-se num dos pilares do Fino Coletivo, uma banda que unia de forma surpreendente compositores alagoanos e cariocas. Álvaro foi assim o vocalista de serviço nos dois álbuns da banda, “Fino Coletivo” (2007) e “Copacabana” (2010), vendo o seu talento reconhecido e o trabalho elogiado um pouco por todo o Brasil. O Fino Coletivo foi distinguido “Banda Revelação 2007” pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e os dois discos de originais foram selecionados para os melhores dos respetivos anos pelo jornal “O Globo”.

Dois anos depois surge o desejo de caminhar a solo, mostrando ao mundo as canções que pululavam na sua mente. Da ponta dos seus dedos nasceu, assim, “O Tempo Faz a Gente Ter Esses Encantos” (2012), álbum onde se destacaram dois temas: “Sexta-feira” e “Autoajuda”. Ambas as músicas integraram a banda sonora da série “Preamar”, da reputada estação televisiva HBO, trazendo uma vez mais o reconhecimento e mérito devido a Álvaro.

Estamos já em 2014 quando Lancellotti começa a trabalhar num novo disco a solo. No entanto, por motivos diversos, o disco acabou por apenas ver a luz do dia quase dois anos depois do início dos trabalhos. “Canto de Marajó” foi gravado entre a Serra de Petrópolis, no Estúdio da Aldeia, e Copacabana, no Estúdio 707, e contou com produção do próprio Lancellotti. A restante equipa é formada por Adriano Sampaio (percussão), Daniel Medeiros (baixo), Pedro Costa (violão e guitarra) e mixagem de Mário Caldato Jr (reconhecido pelo seu trabalho com Beastie Boys, Marcelo D2, Jack Johnson, Marisa Monte, Seu Jorge, entre outros). A arte é de Alexandre Fischer que, por sua vez, utilizou o trabalho do artista uruguaio Carlos Paes Vilaró. Assim nasceu “Canto de Marajó”, trabalho seminal que Álvaro traz agora a Portugal e que o jornal “O Globo” considerou um dos dez melhores discos de 2016. Outubro será o mês em que o cantor e compositor brasileiro embarca na maior das suas aventuras até hoje: partir rumo à conquista da Europa.


tags: ,

publicado por Carlos Gomes às 11:31
link do post | favorito

Quinta-feira, 5 de Outubro de 2017
MINHOTOS EM LOURES DESFOLHAM O MILHO E CANTAM AO DESAFIO AO SOM DA CONCERTINA

36815169602_217a48ddb8_b

 



publicado por Carlos Gomes às 22:25
link do post | favorito

MINHOTOS EM LISBOA DESFOLHAM O MILHO EM MARVILA

22089510_10159479424045525_5231152160606642985_n



publicado por Carlos Gomes às 22:23
link do post | favorito

PROFESSORES PROTESTAM EM LISBOA NO FINAL DAS COMEMORAÇÕES DA IMPLANTAÇÃO DA REPÚBLICA

Após o Presidente da República, Prof. Marcelo Rebelo de Sousa, dar por findo o seu discurso no âmbito das comemorações da implantação da República que hoje tiveram lugar na Praça do Município, em Lisboa, algumas dezenas de professores manifestaram-se com cartazes dando a conhecer as suas reinvindicações.

Tiveram ainda oportunidade de contactar com vários políticos dos partidos de esquerda que, após a cerimónia oficial, os foram escutar e, desse modo, tomar nota das suas preocupações. Refira-se que se assinala hoje o Dia Mundial do Professor.

Fotos: Manuel Santos

22237239_1574446972598966_891223154_n

22264590_1574447725932224_1359083317_n

22278606_1574446999265630_1803916146_n

22278638_1574447762598887_1072255340_n

22290175_1574447039265626_1531050553_n

22290221_1574447745932222_1045328282_n



publicado por Carlos Gomes às 13:27
link do post | favorito

GRUPOS FOLCLÓRICOS ORGANIZAM COLÓQUIO EM OEIRAS

22089015_1491197580934831_1937721510074752018_n



publicado por Carlos Gomes às 10:16
link do post | favorito

Quarta-feira, 4 de Outubro de 2017
OLIVIA HOLT ESTÁ DE VOLTA COM O SINGLE “GENEROUS”

Single sucede-se ao enorme êxito de “History”, que teve mais de 125 milhões de streams

A jovem Olivia Holt é uma das grandes promessas do atual panorama pop e depois de ter conquistado milhares de fãs com o single “History”, está finalmente de volta com um novo tema, intitulado “Generous”.

unnamed

A cantora e atriz começou por se apresentar ao mundo como uma das novas estrelas da Disney e agora prova o seu inegável carisma enquanto estrela pop.

Depois do sucesso alcançado com o single “History”, que até ao momento já soma mais de 125 milhões de streams, Olivia Holt revela “Generous”, single que a levou a colaborar com alguns dos compositores de topo do atual panorama pop, como Fran Hall (já trabalhou com Britney Spears) e Mozella (Miley Cyrus). O tema foi produzido por Gladius, que trabalhou com Justin Bieber no single “Company”. O vídeo de “Generous” foi realizado por Chris Applebaum.

Olivia Holt também tem também feito sucesso enquanto atriz, sendo que vai entrar na nova série da Marvel, “Cloak & Dagger”.

Até ao momento, Olivia Holt já vendeu mais de 450 mil singles, somando ainda 45 milhões de visualizações no YouTube/VEVO. Nas redes sociais, tem já uma abrangência impressionante de 9 milhões de seguidores no total.


tags: ,

publicado por Carlos Gomes às 22:55
link do post | favorito

Terça-feira, 3 de Outubro de 2017
MUSEU BORDALO PINHEIRO APRESENTA EXPOSIÇÃO LER LISBOA

Exposição Ler Lisboa | Museu Bordalo Pinheiro | 3 Outubro | 18h30

Partindo de uma ideia original de Patrícia Portela e Afonso Cruz, 20 escritores e 20 ilustradores percorreram os mais inesperados itinerários lisboetas dando a conhecer as diferentes cidades

que habitamos no Guia Ler e Ver Lisboa.

Na 3ª feira, dia 3, às 18.30 inauguramos uma exposição com serigrafias dos trabalhos de Alex Gozblau, Ana Ventura, André Carrilho, André Letria, António Jorge Gonçalves, Bárbara Assis Pacheco, Bernardo Carvalho, Goncalo Viana, João Fazenda, João Maio Pinto, Madalena Matoso, Maria Bouza, Paulo Galindro​,​ Rui Sousa, Teresa Lima, Tiago Albuquerque.

A não perder!

Uma parceria da EGEAC/comemoração dos 20 anos com as​ Edições Prado e o CPS – Centro Português de Serigrafia.

image002



publicado por Carlos Gomes às 03:29
link do post | favorito

Segunda-feira, 2 de Outubro de 2017
OS CLÁSSICOS E AS INTERMITÊNCIAS DO AMOR EM “DÁ-ME A TUA MÃO”

“P’ra quê complicar?”. A pergunta é d’Os Clássicos e está presente em “Dá-me a Tua Mão”, o melífluo pedaço de música pop que acompanha o duro momento em que o protagonista avança, destemido, em busca de correspondência no amor que nutre por uma rapariga.

Os Clássicos

O trio assume novamente as suas raízes pop/rock não escondendo as influências slow-rock e pop/funk que marcam a sonoridade. O terceiro single sucede a “Amor de Escola” e “Bom Demais”, e é mais uma amostra de “Primeiro Acto”, o álbum de estreia já disponível online, antes da edição física pela Music For All no final deste mês.


tags: ,

publicado por Carlos Gomes às 20:26
link do post | favorito

PAN CELEBRA RESULTADOS OBTIDOS NAS ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS

PAN celebra resultados históricos com forte reforço da presença do partido no território

  • Resultados alcançados nos 32 concelhos (72.673), semelhantes aos obtidos em todo o território nacional nas Legislativas de 2015 (75.140)
  • Face às eleições Legislativas de 2015 os resultados do PAN espelham uma variação média de 2,08% e refletem uma evolução de 129%.
  • Eleição de deputados municipais em todos os concelhos com tradição tauromáquica
  • Total ausência de cobertura televisiva na noite eleitoral não reflete o fenómeno de crescimento e de consolidação eleitoral do partido

O PAN, Pessoas-Animais-Natureza, voltou a alcançar resultados surpreendentes eleições de ontem, marcando a história da política e da sociedade portuguesa. Nas 32 candidaturas às Autárquicas 2017, o PAN elegeu 26 deputados municipais.

bab3071b5f24a146af315fe2e7519640_L

Face aos resultados das Legislativas de 2015, o PAN obteve mais 10.369 votos nas Câmaras Municipais em que concorreu em 2017, significando uma variação de 1,18% e uma evolução de 70%. Face aos resultados das Legislativas de 2015, o PAN obteve mais 29.923 votos nas Assembleias Municipais em que concorreu em 2017, significando uma variação de 2,08% e uma evolução de 129%.

O partido conseguiu eleger deputados municipais em todos os 15 concelhos do distrito do Porto e de Lisboa aos quais concorreu. Em Lisboa, duplicou a representação na Assembleia Municipal, tendo alcançado dois deputados. O número de votos alcançados nas Assembleias Municipais dos 32 concelhos (72.673) é semelhante ao resultado obtido em todo o território nacional nas Legislativas de 2015 (75.140).

Na corrida às Câmaras e Assembleias Municipais, o PAN teve resultados mais expressivos que BE, CDS ou CDU em vários concelhos, nomeadamente Leiria, Loures, Almada, Setúbal, Barreiro, Seixal, Albufeira ou Horta. O partido elegeu ainda deputados municipais em todos os concelhos com tradição tauromáquica, com resultados bastante expressivos: Vila Franca de Xira (4,56%), Moita (4,28%), Seixal (4,84%) e Albufeira (4,59%).

“Estes resultados demonstram que o PAN está a protagonizar uma alteração de consciências e que cada vez mais pessoas se revêm na mensagem de que não é aceitável perpetuarmos uma tradição que vive à custa de dinheiros públicos e do sofrimento e morte de animais”, reforça André Silva, Deputado do PAN e porta-voz do partido.

Na noite eleitoral houve uma total ausência de cobertura televisiva, depois de uma já desproporcional cobertura mediática da campanha do PAN ao longo destas eleições. Este facto tende a espelhar o atual estado da comunicação social na edificação da democracia portuguesa. É indiscutível que os meios de comunicação social desempenham um papel relevante no espaço público e na participação e literacia política, mas os critérios subjacentes à hierarquização e seleção dos conteúdos apresentados à opinião pública estão longe de ser consensuais ou claros. Se, a evolução e o amadurecimento das instituições democráticas estão diretamente relacionados com a imparcialidade e objetividade dos meios de comunicação social, o exemplo da cobertura destas eleições deve preocupar a todos.

O PAN reforça que, enquanto partido que chega acima dos 4% de participação política ativa em muitos municípios, é não só um fenómeno de crescimento e de consolidação eleitoral, como também é dotado de uma já significativa relevância social à qual é precisa ser dada a devida voz, quebrando o hábito de reforço das tendências dominantes na sociedade.



publicado por Carlos Gomes às 19:24
link do post | favorito

MINHOTOS EM LISBOA REALIZAM DESFOLHADA DO MILHO EM MARVILA

22089510_10159479424045525_5231152160606642985_n



publicado por Carlos Gomes às 19:05
link do post | favorito

GALIZA NA CPLP?

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), acaba de celebrar os 21 anos da sua criação com algumas decisões que, não implicando uma mudança essencial, podem gerar novas dinâmicas e expectativas.

28657_118550818165376_6524162_n

A última reunião do Conselho de Ministros, realizada o passado 20 de julho em Brasília, produziu duas novidades de interesse em relação aos “observadores associados”, países que não entram no grupo restrito dos membros de pleno direito, e os “observadores consultivos”, categoria reservada às entidades da sociedade civil.

No primeiro caso, o Conselho de Ministros adotou uma «Resolução sobre o reforço da cooperação com os observadores associados» que pretende dar um papel mais claro a estes países membros, até ao presente num papel limitado. Com esta decisão promove o acesso dos seus representantes aos expedientes internos, e a sua implicação nas políticas comuns, por meio da participação em reuniões do Comité de Concertação Permanente e o Conselho de Ministros, em fórmulas que ainda terão de ser estabelecidas. Desse modo os associados, como a Turquia, Senegal, Uruguai, Japão ou a Maurícia, adquirem maior margem de manobra em termos políticos e diplomáticos, o que acarreta simultaneamente o alargamento da CPLP em termos de capacidade de atuação em cenários que vão além do espaço de língua oficial portuguesa.

As discussões sobre o alargamento da CPLP e as dúvidas que suscita a entrada de novos países “não lusófonos”, são temas que têm vindo a ser comentados na comunicação social de Portugal com relativa frequência. O assunto vai muito além da questão da Guiné Equatorial e do seu processo de admissão, primeiro como país associado, depois como membro de pleno direito. Equaciona-se entre manter a organização estritamente no território de língua portuguesa, como oficial ou de herança, ou o estabelecimento de fórmulas de integração e colaboração de países que, sem ter uma relação direta com a nossa língua, mostram interesse em fazer parte do conjunto lusófono, por diversos motivos. Por outras palavras, a escolha situa-se entre manter a CPLP no atual espaço, ou promover um alargamento que a converta num ator com peso a larga escala.

Quanto aos observadores consultivos, a CPLP adotou uma resolução em que foi aceite a Academia Galega da Língua Portuguesa, com o patrocínio do Governo da República de Angola. A decisão fecha o périplo desta candidatura galega, apresentada em 2011, e vem reconhecer o papel da sociedade civil neste processo, dispondo agora de um interlocutor direto nesse organismo internacional.

É possível entrar na CPLP?

Isso não significa a entrada formal da Galiza na CPLP. Poderia ser admitida, em determinadas condições. Os galegos fomos consultados, através das Irmandades da Fala da Galiza e Portugal, em 1989, por iniciativa do Governo do Brasil, sobre o processo de criação do Instituto Internacional da Língua Portuguesa. E novamente em março de 1993, na ronda de consultas sobre a criação da CPLP, por iniciativa do Embaixador José Aparecido de Oliveira, como pode ser observado na documentação da Comissão Galega do Acordo Ortográfico, de que a Academia Galega da Língua Portuguesa é depositária.

Em segundo lugar, diversos governos galegos tiveram atuações em direção à CPLP. Isso aconteceu durante as presidências de Manuel Fraga e Emílio Pérez Touriño. Como sabemos, com resultados insatisfatórios. Em 1989, porque a redação inicial do projeto, concebido como comunidade de povos, se converteu em comunidade de estados, o que impossibilitou formalmente a admissão da Galiza. Contudo, os estatutos incluíram um parágrafo para a entrada como observadores associados de «entidades territoriais dotadas de órgãos de administração autónoma». Posteriormente, durante a presidência de Touriño, falhou a negociação com o Ministerio de Asuntos Exteriores da Espanha, provavelmente porque não fora preparada adequadamente.

Lei Paz-Andrade

A lição dessas experiências apontava para a necessidade de procurar um grande acordo político e social, reunindo apoios para retomar essa iniciativa. Isso implicava que os principais motores das políticas antilusófonas nas décadas de 1980 e 1990, instauradoras do modelo isolacionista para o galego, deveriam chegar, de alguma forma, a algum entendimento com o reintegracionismo. Isto aconteceu, parcialmente, com a Iniciativa Legislativa Popular Paz-Andrade, convertida em lei do Parlamento da Galiza em março de 2014.

A lei fornece um instrumento valioso para desenvolver as políticas tendentes a essa integração na Lusofonia. Porém, aos três anos da sua aprovação, há vários riscos que ameaçam gravemente o processo, como o facto de não ter-se criado uma só vaga para professores de português no ensino público, o que é um claro incumprimento dos acordos e produz frustração nos milhares de pessoas assinantes da ILP. Outro risco não menos importante é a inexistência de uma comissão oficial de trabalho sobre a aproximação da Lusofonia, como se sugeriu no Parecer sobre o Desenvolvimento da Lei Paz-Andrade, documento imprescindível que deveria servir como roteiro.

Contrariamente ao declarado por representantes do Governo, a política linguística é observada com atenção no Palácio dos Condes de Penafiel. Apresentar o galego como língua “intercompreensível”, mas “independente do português” coloca a Galiza, simbolicamente, da parte de fora. E quem se põe de fora dificilmente pode sentar-se à mesma mesa. Paralelamente, não pode pedir-se a entrada na CPLP e, ao mesmo tempo, manter a tradicional política de exclusão das pessoas e entidades da sociedade galega que publicam em português. Na ausência de movimentos do Governo e instituições involucradas, a participação direta da sociedade civil galega na CPLP só poderia deixar em evidência a deterioração das expectativas geradas com a própria Lei Paz-Andrade.

Ângelo Cristovão

Vice-Presidente da Academia Galega da Língua Portuguesa e Correspondente da Academia das Ciências de Lisboa.

Publicado no ‘Novas da Galiza’, Setembro 2017, p. 16-17

José Ângelo Cristóvão Angueira (Santiago de Compostela, 1965), licenciado em Psicologia pela Universidade de Santiago, especializou-se em Psicologia Social. Empresário. Vice-Presidente da Academia Galega da Língua Portuguesa e membro da sua Comissão de Relações Internacionais. Sócio Correspondente da Academia das Ciências de Lisboa; Sócio da AGAL desde 1983 e Sócio fundador da Associação Internacional dos Colóquios da Lusofonia.

Fonte: http://pgl.gal/galiza-na-cplp/



publicado por Carlos Gomes às 13:42
link do post | favorito

Domingo, 1 de Outubro de 2017
OEIRAS: QUEIJAS FESTEJA A S. MIGUEL

Minhotos desfilaram na procissão de S. Miguel de Queijas

Terminam hoje na localidade de Queijas, nos arredores de Lisboa, os tradicionais festejos em honra de S. Miguel. O povo saiu à rua numa manifestação de fé cristã à qual não faltou o Rancho Folclórico da Casa do Minho em representação da comunidade minhota radicada na região de Lisboa. A Procissão foi animada pela Banda Filarmónica (SIMECQ) da Cruz Quebrada e o Rancho Folclórico da Casa do Minho, em Lisboa.

CapturarcapotilhaMinho

Trata-se de uma iniciativa organizada pela União das Freguesias de Carnaxide e Queijas e pela Paróquia de São Miguel Arcanjo e que conta com o apoio da Câmara Municipal de Oeiras e de várias associações locais.

As cerimónias contaram ainda com a participação de várias instituições sediadas na União das Freguesias de Queijas e Carnaxide, nomeadamente a Polícia de Segurança Pública, a Corporação de Bombeiros Voluntários de Carnaxide, O Agrupamento de Escuteiros 774 de Queijas, e a Congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição (CONFHIC) que se encontra instalada em Linda-a-Pastora.

DSCF6086

DSCF6090

DSCF6093

DSCF6095

DSCF6101

DSCF6103

DSCF6104

DSCF6107

DSCF6109

DSCF6110

DSCF6114

DSCF6115

DSCF6116

DSCF6124

DSCF6125

DSCF6128



publicado por Carlos Gomes às 18:49
link do post | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

PAN INSTA GOVERNO A INTER...

PAN CONTESTA ENCONTRO EM ...

PAN ENTREGA LISTA DE CAND...

ESTAÇÃO BAIXA-CHIADO CELE...

COMUNIDADE ROMENA DA REGI...

INVESTIGAÇÃO DA UNIVERSID...

ALFRAGIDE REALIZA FESTIVA...

PAN ANUNCIA CABEÇAS DE LI...

METRO DE LISBOA PROMOVE C...

PAN FAZ BALANÇO DA LEGISL...

FAMÍLIAS NAVEGAM NO METRO...

PORTO DE LISBOA APRESENTA...

PROLONGAMENTO ORIENTE / A...

PAN CONSEGUE MAIS DIREITO...

PAN INTEGRA DELEGAÇÕES DO...

CASA DO CONCELHO DE TOMAR...

PAN ACUSA PSD, CDS E PCP ...

PAN CONSEGUE QUE OS ESTUD...

SINTRA: TERRUGEM RECEBEU ...

ACABOU O PRAZO INTERNUPCI...

PAN GARANTE 1ª VICE-PRESI...

METROPOLITANO DE LISBOA A...

PAN QUESTIONA MINISTRO SO...

CASA DO CONCELHO DE ARCOS...

FOLKLOURES'19 CELEBRA A A...

METRO DE LISBOA ASSINALA ...

PAN QUESTIONA COBRANÇA DE...

TOMAR ESTÁ EM FESTA!

COMUNIDADE MOLDAVA CONFRA...

COMUNIDADE MOLDAVA CONFRA...

SARDINHADA JUNTA TOMARENS...

PAN PROPÕE PROJETO-PILOTO...

PARLAMENTO EUROPEU: PAN E...

FOLKLOURES'19: VEM AÍ A G...

PROF. DOUTORA TERESA SOEI...

FEIRA INTERNACIONAL DO AR...

PROF. DOUTORA TERESA SOEI...

FEIRA INTERNACIONAL DE AR...

METRO DE LISBOA CELEBRA 7...

PAN CELEBRA MÊS ARCO-ÍRIS

PAN QUER QUE GOVERNO APRO...

FIA RECEBE ARTESANATO DE ...

GENTES DE ARGANIL TRAZEM ...

BELAS REALIZA FESTIVAL DE...

FESTA DA AMIZADE JUNTA MI...

SINTRA: BELAS REALIZA FES...

CASA DO CONCELHO DE TOMAR...

OEIRAS: PEDREIRA ITALIANA...

CASA DO CONCELHO DE PENAC...

GENTES DE ARGANIL TRAZEM ...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds