Blogue de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Lisboa e arredores
Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2019
MINHOTOS EM LOURES REALIZAM FESTIVAL GASTRONÓMICO COM ARROZ DE SARRABULHO À MODA DE PONTE DE LIMA

CapturarAlmoçoSarrabulho2019 (14).PNG



publicado por Carlos Gomes às 23:06
link do post | favorito

Terça-feira, 29 de Janeiro de 2019
TOMARENSES EM LISBOA REALIZAM NOITE TEMPLÁRIA

48361566_1462306707237429_2484828933686558720_n (4).png



publicado por Carlos Gomes às 02:29
link do post | favorito

Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2019
METROPOLITANO DE LISBOA ASSINALA O 71.º ANIVERSÁRIO DA SUA FUNDAÇÃO COM HOMENAGEM AOS SEUS TRABALHADORES E ANIMAÇÃO AOS SEUS CLIENTES

O Metropolitano de Lisboa assinala, no dia 26 de janeiro de 2018, o 71.º aniversário da sua fundação com iniciativas destinadas aos seus colaboradores, aos seus clientes e ao público em geral.

No âmbito destas comemorações, o Metropolitano de Lisboa realizará uma homenagem aos trabalhadores que, em 2018, perfizeram 10, 20, 30 e 40 anos ao serviço da empresa, testemunhando o reconhecimento pelo desempenho das suas funções, numa iniciativa que será presidida pelo Secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade, José Mendes.

O Metropolitano de Lisboa, no âmbito destas comemorações, proporcionará, também, ações de animação nas suas estações aos seus clientes.

Assim, quem passar, no dia 26 de janeiro, pelas estações São SebastiãoCais do Sodré e Alto dos Moinhos, poderá assistir a concertos de música e usufruir de momentos únicos de descontração e lazer.

Este programa de concertos conta com o apoio do Museu Nacional da Música e com a colaboração de alguns grupos musicais que, habitualmente, marcam presença em ações desenvolvidas pelo Metropolitano de Lisboa.

O Metropolitano de Lisboa convida, assim, todos os clientes a participarem nestas iniciativas, no dia 26 de janeiro, assistindo aos seguintes concertos:

v  Estação São Sebastião |16h00 - T’ÚNICA - Universidade Intergeracional do Concelho de Almada

v  Estação Cais do Sodré |16h00 - Coro da Casa de Pessoal do IEFP,I.P.

|18h00 - Banda de Música dos Empregados da Carris

v  Estação Alto dos Moinhos |16h30 - Museu Nacional da Música - Alunos da Casa Pia de Lisboa

Serão, igualmente, distribuídas ofertas aos clientes que assistam aos concertos.

Breve História do Metropolitano de Lisboa:

A 26 de janeiro de 1948 foram aprovados pelo Governo os Estatutos de uma sociedade anónima de responsabilidade limitada, denominada “Metropolitano de Lisboa, S.A.R.L” com sede em Lisboa, que tinha como objetivo o estudo técnico e económico, em regime de exclusivo, de um sistema de transportes coletivos fundado no aproveitamento do subsolo da cidade.

Após constituição da sociedade, a concessão para a instalação e exploração do respetivo Serviço Público veio a ser outorgada a 1 de julho de 1949. Os trabalhos de construção iniciaram-se no primeiro dia do mês de agosto de 1955 e, quatro anos depois, no dia 29 de dezembro de 1959, assistiu-se à inauguração oficial deste novo sistema de transporte. A rede do Metro tinha uma configuração em Y, então, com 6,5 kms e 11 estações com términos em Sete Rios (estação hoje denominada Jardim Zoológico) e Entre Campos que convergiam na Rotunda num troço comum até aos Restauradores.

No dia 30 de Dezembro Lisboa pôde, então, experimentar o seu metropolitano, cerca de 100 anos depois de Londres e Nova Iorque e 60 após Berlim e Paris, mas, ainda, antes de muitas outras cidades do mundo. À semelhança de hoje, o Metropolitano era o meio de transporte mais rápido de passageiros e o corolário dos transportes públicos da cidade de Lisboa.

Atualmente, o Metropolitano de Lisboa, dispõe de uma rede composta por 4 linhas independentes, com 44,2 Km de rede e 56 estações, 6 estações de correspondência entre linhas, 21 estações de interface entre outros operadores públicos e privados de transporte, 36 estações com acesso pleno a pessoas com mobilidade reduzida, através de elevadores, escadas e/ou tapetes mecânicos. Opera nas cidades de Lisboa, Amadora e Odivelas e servindo cerca de 161,5 milhões de passageiros por ano.


tags:

publicado por Carlos Gomes às 11:36
link do post | favorito

PAN CONSIDERA FALSAS ESTATÍSTICAS SOBRE TAUROMAQUIA

PAN denuncia as falsas estatísticas da tauromaquia e apresenta iniciativa que garanta a credibilidade dos dados

•        Até 2010 as estatísticas eram realizadas pelo INE com base na bilhética

•        Desde então são apuradas apenas pela IGAC e calculadas por estimativa

•        Comparação entre os dois métodos revela disparidades enormes com extrapolação abusiva dos dados na ordem dos 200% a 400%

•    Clara diferença de tratamento entre a atividade tauromáquica e as restantes no que diz respeito à contagem de público  

•        Estatísticas da IGAC não revelam número de bilhetes oferecidos e encobrem o crescente desinteresse dos portugueses pelas touradas 

O PAN, Pessoas – Animais – Natureza, acaba de apresentar uma iniciativa legislativa que pretende que o tratamento de dados estatísticos referentes à atividade tauromáquica volte a ser atribuído ao Instituto Nacional de Estatística.

À Inspeção-Geral das Atividades Culturais (IGAC) cabe, atualmente, entre outras funções, a elaboração de um Relatório Anual da Atividade Tauromáquica. Um dos elementos constantes deste Relatório diz respeito ao número de espectadores presentes nos espetáculos realizados. No entanto, os dados relativos ao público que assiste a touradas são contabilizados através de uma estimativa por observação, ou seja, pelo “palpite” dos Delegados Técnicos Tauromáquicos, que em cada espetáculo tauromáquico indicam sem contabilização alguma o número de espectadores presentes na praça de touros. Tal como assume a IGAC nos Relatórios Anuais da Atividade Tauromáquica: “o número de espectadores é apurado por estimativa de ocupação através da verificação efetuada pelos Delegados Técnicos Tauromáquicos e com base na lotação definida pela IGAC”.

Até 2010 a estatística do número de espectadores que assistia aos Espetáculos Tauromáquicos era feita por duas entidades, o Instituto Nacional de Estatística (INE) e a IGAC, que utilizavam métodos diferentes de contabilização e registo. O INE fazia a contabilização através do número de bilhetes vendidos e oferecidos, o que aliás continua a fazer para os museus, para os espetáculos ao vivo e para o cinema ou para o teatro. A partir de 2011 a IGAC passou a ser a única entidade a realizar as estatísticas da atividade tauromáquica em Portugal, não tendo por base o número de bilhetes vendidos e oferecidos, mas mera estimativa, método de uma total aleatoriedade e suscetível a erros vários.

 A comparação entre os dados do INE e da IGAC entre 2000 e 2010 (em anexo) revela a falta de rigor e de credibilidade com que estes dados têm sido apresentados aos portugueses. Verifica-se uma diferença abissal entre o número de espectadores identificados pelo INE, com base nos bilhetes vendidos e oferecidos, e pela IGAC, demonstrando duas realidades completamente diferentes.  As estimativas “a olho” efetuadas pela IGAC revelam sempre números de espectadores duas a quatro vezes superiores relativamente aos contabilizados pelo INE, através da bilhética. Fica demonstrado que as estimativas realizadas pela IGAC apresentam resultados muitíssimos empolados face à realidade.

 A título de exemplo, no ano de 2005, o INE registou 120.864 bilhetes vendidos e oferecidos, já as estimativas da IGAC indicaram que 503.542 espectadores tinham assistido aos espetáculos, uma gritante diferença de público extrapolado de 417%. Não deixa também de ser assinalável que, por exemplo, no ano de 2008, a relação entre bilhetes oferecidos e vendidos é de 70%, informação que se deixou de obter devido ao fato de a IGAC não a apurar.

A Plataforma Basta alerta ainda de que, além da falta de rigor na obtenção dos números é necessário considerar que os Delegados Técnicos Tauromáquicos são habitualmente pessoas fortemente ligadas ao meio tauromáquico, podendo não estar aptos por falta de isenção a esta função, uma vez que existe uma preocupação assumida no meio em esconder o crescente desinteresse dos portugueses pelas touradas.

Esta análise permite concluir que a contabilização feita pela IGAC não produz resultados fidedignos, uma vez que é feita “a olho”, não se compreendendo qual o motivo para o INE ter deixado de realizar as estatísticas da tauromaquia, como o fazia até 2010, tendo sido esta a única atividade cujos dados deixaram de constar das suas publicações. Para além disso, existe uma clara diferença de tratamento entre a atividade tauromáquica e as restantes no que diz respeito a esta matéria, parecendo que se quer ocultar informação relativa ao crescente desinteresse dos portugueses por este espetáculo.



publicado por Carlos Gomes às 11:01
link do post | favorito

CONVENTO DOS CARDAES RECEBE CONCERTO DE ANO NOVO

unnamedcardaesannov.jpg


tags: ,

publicado por Carlos Gomes às 10:37
link do post | favorito

Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019
PORTUGUESES QUEREM ORDEM, JUSTIÇA E PAZ SOCIAL E REPUDIAM O INCITAMENTO AO ÓDIO, À VIOLÊNCIA E AO RACISMO

BLOGUE DE LISBOA repudia o vandalismo ocorrido na região de Lisboa e exige o respeito pela autoridade das corporações policiais

O BLOGUE DE LISBOA é um espaço de tolerância e respeito pela diversidade de opiniões e crenças. Porém, repudia todas as formas de perseguição, desrespeito pela autoridade e instituições da sociedade democrática, violência e alteração à ordem pública.

O BLOGUE DE LISBOA condena o incitamento ao ódio racial, étnico ou religioso e a todas as formas de violência social.

Seja sob que pretexto for, nenhuma das instituições do Estado deve demitir-se das suas responsabilidades. À Justiça o que é da justiça, à Polícia a autoridade que lhe compete, ao Governo aquilo que Portugal e os portugueses dele esperam! E, naturalmente, da Assembleia da República espera-se as decisões políticas mais sensatas… dos seus eleitos, jamais a desautorização das autoridades e o incitamento à desordem!

O BLOGUE DE LISBOA está solidário com a PSP e todas as forças policiais que, frequentemente solitárias no desempenho da sua missão, enforcam-se por manter a ordem e a segurança pública, não raras as vezes com o risco da própria vida.

Os portugueses estão fartos deste clima de intolerância. É tempo de dizer: basta!

A Administração do BLOGUE DE LISBOA


tags:

publicado por Carlos Gomes às 13:47
link do post | favorito

PAN QUER COMBATER A SOLIDÃO EM LISBOA

PAN Lisboa alerta para a importância de combater a Solidão

A solidão é apontada em vários países como um perigo de saúde pública maior do que, por exemplo, a obesidade. Aumenta o risco de morte prematura em 50% e pode ser tão fatal como fumar 15 cigarros por dia.

1inessousareal (1).png

Ao contrário do que se possa pensar, a solidão não afeta só as pessoas idosas nem as pessoas que vivem em zonas rurais. A solidão afeta outras faixas etárias, como os adolescentes, e existe também aqui, na nossa cidade”, refere a Deputada Municipal Inês de Sousa Real sobre o que esteve na base da Recomendação e da Moção que o Grupo Municipal do PAN vai apresentar esta tarde na Assembleia Municipal de Lisboa.

Estudos internacionais, e referidos na Recomendação e na Moção, apontam para a solidão como uma “epidemia” mundial, que afeta a saúde mental e física das pessoas e que, por isso, deve ser uma prioridade para as autoridades locais e nacionais. Fatores como isolamento de pessoas, quer em contexto rural ou urbano, sem apoio familiar, adolescentes com dificuldades de integração e que vivem pelos olhos dos chamados influencers digitais, casos de bullying, incluindo o cibernético, violência doméstica, novas realidades familiares, morte de familiares ou amigos ou abusos estão na origem de casos de solidão.

A recomendação apresentada visa promover a criação de um grupo de trabalho que faça o estudo e mapeamento da solidão em Lisboa nos diversos grupos etários; elaborar um conjunto de medidas que combata este fenómeno; criar uma campanha de sensibilização para esta temática que inclua uma linha de apoio para a qual as pessoas possam ligar caso identifiquem casos de solidão na sua comunidade; envolver empresas públicas e privadas e também grupos comunitários para que desenvolvam programas de combate à solidão; e, por fim, desenvolver equipamentos e ferramentas de apoio a atividades sócio recreativas e culturais, fomentando as relações interpessoais e intergeracionais.

Por outro lado, será também apresentada hoje uma Moção com o objetivo de criar um grupo de trabalho para estudar o fenómeno da solidão em Portugal, de realizar campanhas de sensibilização para o impacto da solidão e da importância das relações pessoais e sociais e de elaborar, posteriormente, um Plano Contra a Solidão que combata este flagelo.

A solidão tem que ser tratada como um problema de saúde pública e, por isso, deve ser encarada como uma prioridade na agenda das autoridades locais e nacionais. Devemos ser pioneiros e tomar um passo em frente para a saúde e bem-estar da nossa cidade. Em Portugal, faltam ainda estudos académicos sobre a solidão, pelo que esse é o primeiro passo para avançar com soluções para esta problemática. A solidão afeta a saúde das pessoas de forma muito violenta, devido ao stress diário, problemas económicos, depressões ou outras doenças, entre outros fatores. Pode tocar a cada um ou a cada uma de nós. Ninguém está imune”, afirma ainda Inês de Sousa Real.



publicado por Carlos Gomes às 10:53
link do post | favorito

CASA DO CONCELHO DE TOMAR REALIZA EM LISBOA NOITE TEMPLÁRIA

48361566_1462306707237429_2484828933686558720_n (1).png



publicado por Carlos Gomes às 03:15
link do post | favorito

Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2019
PAN QUER PROIBIR COMBUSTÍVEIS COM ÓLEO DE PALMA

PAN apoia fim do uso de óleo de palma em combustíveis Portugueses e Europeus

  •        - Partido alia-se à iniciativa Europeia promovida por associações ambientalistas
  •        - Em 2018 mais de metade do óleo de palma usado na Europa acabou nos depósitos dos veículos
  •        - Devem ser traçadas na Europa estratégias urgentes para não usar óleo de palma nos biocombustíveis

O PAN – Pessoas-Animais-Natureza – defende que Portugal e a União Europeia deixem de usar óleo de palma em biocombustíveis como forma de transição energética no sector da mobilidade, acompanhando a iniciativa Europeia que decorre hoje, promovida por Organizações Não Governamentais de Ambiente (ONGA) da Bélgica, França, Alemanha Itália, Portugal, Espanha, Suécia e Países Baixos.

Atualmente a produção e comércio de óleo de palma é já uma das grandes ameaças à biodiversidade e um dos maiores promotores de desflorestação de vários países, nomeadamente no sudoeste asiático e na América do Sul, segundo o estudo da Universidade de Duke. Em Portugal, e segundo a associação ambientalista ZERO, o biodiesel a partir do óleo de palma é “três vezes pior para o clima do que o gasóleo fóssil”, sendo que em 2018 mais de metade do óleo de palma usado na Europa acabou nos depósitos dos veículos.

“A economia Europeia, e a transição energética promovida pelos biocombustíveis, tem impactos gravíssimos nos ecossistemas florestais da Indonésia e da Malásia, mas também se repercutem no Equador, Brasil e Peru” afirma Francisco Guerreiro, cabeça de lista do PAN às Eleições Europeias 2019. “É necessária uma mudança no paradigma económico e ecológico privilegiando produtos e bens com reduzida pegada ambiental” conclui o candidato.

Ainda segundo a ZERO, “desde que foi introduzida a Diretiva das Energias Renováveis na União Europeia, em 2009, para a promoção dos biocombustíveis como alternativa aos combustíveis fósseis no sector dos transportes, o consumo de óleo de palma para produzir biocombustível aumentou, passando de 825.000 toneladas em 2008 para 3,9 milhões de toneladas em 2017.”

No que concerne à transição energética dentro da mobilidade, o PAN considera que todos os Estados Membros e a própria Comissão Europeia devem traçar estratégias urgentes para deixar de usar óleo de palma nos seus biocombustíveis, garantindo em alternativa que a aposta seja feita na mobilidade coletiva, na expansão do mercado de veículos elétricos e também no reforço da mobilidade ligeira (bicicletas em meio urbano).

 “O atual modelo económico Europeu, presente também nos acordos comerciais internacionais, desconsidera os mais básicos valores ambientais pelo que impera uma reordenação das prioridades da Comissão Europeia no que concerne à transição energética. Precisamos de uma revolução verde na economia e na Europa”, conclui o candidato.



publicado por Carlos Gomes às 15:30
link do post | favorito

Sábado, 19 de Janeiro de 2019
PORTAL DO FOLCLORE PORTUGUÊS INOVA AO SERVIÇO DO FOLCLORE

Na “versão anterior” do Portal do Folclore Português, havia uma página de divulgação e promoção dos programas de rádio (FM/AM ou online) que se dedicassem ao folclore e à música tradicional portuguesa e do folclore, de modo a facilitar o contacto entre os diretores dos Grupos de Folclore e os responsáveis pelos programas.

Nesta nova versão, o Portal do Folclore Português pretende continuar a fazer o mesmo, pelo que solicita e, desde já, se agradece a colaboração de todos no sentido de recolher os dados necessários para a respetiva divulgação que, para o efeito, devem ser enviados (pelos responsáveis pelo programa) para: folclore@folclore.pt:

Nome do programa (eventual link) - Logotipo (se tiver) / página no FB

Breve descrição do programa

Horário de emissão

Nome de apresentador e foto (se possível)

Nome da Rádio (eventual link) - Logotipo (se tiver) / página no FB

Frequência em que emite / Online

A Equipa

portal-logo_divulgação_de_programas_de_radio (1).jpg



publicado por Carlos Gomes às 15:09
link do post | favorito

Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2019
QUEM NUNCA PROVOU O DELICIOSO ARROZ DE SARRABULHO COM ROJÕES À MODA DE PONTE DE LIMA VAI TER AGORA OPORTUNIDADE DE O SABOREAR… EM LOURES, NO PRÓXIMO DIA 3 DE FEVEREIRO!

Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, engº Víctor Mendes, vai estar presente

Estão quase esgotadas as inscrições para o almoço de arroz de sarrabulho com rojões à moda de Ponte de Lima e a alheira de galo, numa iniciativa do Grupo Folclórico Verde Minho em parceria com os restaurantes de Ponte de Lima. Resta pouco mais de uma dezena de lugares vagos mas ainda vai a tempo de se inscrever!

IMG_6274

A iniciativa vai ter lugar no próximo dia 3 de Fevereiro em Loures, a ter lugar na cantina da Câmara Municipal de Loures.

Sob a experiente batuta do Chefe Paulo Santos, da Casa de S. Sebastião, na freguesia limiana de S. Pedro de Arcos, espera-se uma adesão bem mais superior à verificada no ano passado. Os comensais vão ter a oportunidade de saborear uma das requintadas obras do paladar da gastronomia minhota e portuguesa em geral – o arroz de sarrabulho com rojões à moda de Ponte de Lima!

IMG_6307

Trata-se, realmente, de uma iniciativa a não perder e cuja inscrição não deve ser relegada para mais tarde… os contactos são os seguintes:

- Teotónio Gonçalves – 964 006 657

- Mário Oliveira – 914 080 246

CapturarAlmoçoSarrabulho2019



publicado por Carlos Gomes às 08:24
link do post | favorito

Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2019
CASA DO CONCELHO DE TOMAR TRAZ TEMPLÁRIOS A LISBOA

48361566_1462306707237429_2484828933686558720_n.png



publicado por Carlos Gomes às 23:34
link do post | favorito

PARLAMENTO DEBATE PROPOSTA DO PAN POR NOVAS REGRAS NO TRANSPORTE DE ANIMAIS VIVOS

Agendado o debate da proposta do PAN por novas regras no transporte marítimo de animais vivos. Próxima Quinta-feira dia 17 de janeiro debate sobre medidas que assegurem bem-estar animal no transporte de animais vivos

  • Transporte de animais vivos em viagens superiores a oito horas deve ter regime de excecionalidade
  • Obrigatoriedade de veterinário a bordo
  • Fim da exportação de animais para países terceiros cujas regras de abate sejam menos garantísticas que as portuguesas
  • Fim dos apoios públicos à produção para exportação de animais vivos para países terceiros

O PAN – Pessoas-Animais-Natureza leva a debate no dia 17 de janeiro (quinta-feira) três iniciativas legislativas que pretendem alterar as regras de transporte de animais vivos, acompanhando uma petição da PATAV – Plataforma Anti-Transporte de Animais Vivos entregue no final de 2017 na Assembleia da República.

O PAN propõe a determinação de regras que tenham em conta a sensibilidade de seres vivos que são tratados apenas como “mercadoria”, nomeadamente a exigência de um veterinário a bordo que possa responder no imediato a qualquer necessidade dos animais transportados, bem como controlar se os mesmos estão ou não em sofrimento. No momento do embarque dos animais, deverá haver o acompanhamento de um outro órgão de fiscalização que não só a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).

O partido quer ainda colocar fim à exportação de animais para países cujas regras de abate dos animais sejam menos garantísticas que as portuguesas. Por motivos de transparência, deverão constar no site da DGAV os dias com indicação da data e hora de início do carregamento dos navios e que deve ser elaborado e publicado um relatório anual com a informação do número exato de animais exportados para países terceiros, elencando o número de animais que chegaram vivos ao país de destino. Por sua vez, os animais falecidos no percurso deverão ser sujeitos a necropsia para averiguar as causas da morte. As sanções para os casos de incumprimento deverão ser mais duras.

Por outro lado, o PAN considera que não é admissível a atual conivência do Estado português com uma realidade de transporte desenfreado de animais vivos em condições sanitárias inqualificáveis. Por isso, entende que deve ser implementado um regime no qual apenas em situações de excecionalidade se permita o transporte de animais vivos em viagens superiores a oito horas. Em todos os outros casos este transporte de longa duração deve ser suprimido.

A terceira iniciativa legislativa do PAN prevê o fim dos programas de apoio ou incentivos públicos à produção pecuária que tenha como finalidade a exportação de animais vivos para países terceiros. Os atuais trâmites legais permitem a elegibilidade de empresas de produção pecuária que exportam animais vivos para países terceiros com apoios do Estado. Se os apoios do Estado alocados a estas empresas são para alimentação dos indivíduos presentes em Portugal, não se entende a alocação de apoios estatais a empresas que procedam à exportação de animais vivos para países terceiros quando tal apoio apenas serve para maximizar ainda mais o lucro destes produtores, muito menos numa conjuntura de incumprimento sistemático das premissas legais nacionais e comunitárias relativas ao transporte e bem-estar animal.

Já em 2017 o PAN tinha apresentado uma proposta neste âmbito, chumbada pelos restantes partidos (Contra: PSD, PS, CDS-PP, PCP; Abstenção: BE, PEV). No entanto, o tema continua na ordem do dia, visto que se continua a incentivar a exportação de animais vivos para países terceiros em condições que estão longe de ser as mínimas aceitáveis, havendo cada vez mais denúncias da sociedade relativamente aos atos violentos a que estes são sujeitos nas ações de carregamento, maneio, viagem, descarregamento e ao abate sem atordoamento.



publicado por Carlos Gomes às 13:48
link do post | favorito

Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2019
PAN REPUDIA DIA DA TAUROMAQUIA

PAN Lisboa repudia celebração do “dia da tauromaquia”
O Grupo Municipal do PAN reage às atividades que vão ser promovidas no dia 23 de fevereiro e que pretendem expor de forma clara as crianças e jovens às práticas violentas da tauromaquia. O PAN já questionou a Câmara Municipal de Lisboa relativamente às licenças para ocupação do espaço público neste dia e reitera que deve ser dado outro uso à Praça do Campo Pequeno.
Face às comemorações do “dia da tauromaquia” no Campo Pequeno no próximo dia 23 de fevereiro, o PAN Lisboa reage com perplexidade e repúdio perante a intenção dos promotores do evento – a PróToiro - em torná-lo um evento “para toda a família”.
Estas atividades vão decorrer no recinto do Campo Pequeno e no espaço público envolvente, pelo que o Grupo Municipal do PAN já questionou a Câmara Municipal de Lisboa sobre que licenças foram concedidas para este dia, para que locais, se houve isenção do pagamento de taxas e qual o tipo de atividades a que concretamente se destinam.
De acordo com a comunicação social, este evento pretende “levar a cultura tauromáquica a vários públicos”, incluindo “atividades pedagógicas para crianças e adultos”, nomeadamente “demonstrações e aulas de toureio e pegas”, o que ignora por completo a recomendação da ONU para que as crianças não sejam expostas à violência física e psicológica da tauromaquia.
“Numa altura em que várias cidades do país, como Póvoa de Varzim e Viana do Castelo, já se declararam livres de touradas, é incompreensível que a nossa capital permita não só a realização de eventos tauromáquicos como também a celebração deste dia, do qual pouco ou nada se tinha antes ouvido falar”, refere a deputada municipal Inês de Sousa Real.
“O terreno onde a Praça de Touros se encontra instalada pertence à Autarquia e a Praça de Touros em si pertence à Casa Pia de Lisboa. É incompreensível que estas duas entidades públicas não desenvolvam esforços para reconverter o uso que é dado àquele espaço e ignorem a crescente consciencialização da população para a proteção animal. De referir também a situação jurídica pouco clara em que se encontra a Sociedade de Renovação Urbana do Campo Pequeno, que apesar de dissolvida detém ainda o direito de exploração do espaço. Mais grave ainda, quando o setor insiste em menosprezar o superior interesse das crianças e jovens, expondo-os a esta atividade”, acrescenta.
O PAN Lisboa compromete-se a acompanhar de perto as atividades previstas para o dia 23 de fevereiro bem como, neste sentido, vai continuar a trabalhar por uma cidade livre de violência contra pessoas e animais.



publicado por Carlos Gomes às 19:42
link do post | favorito

PAN QUESTIONA ILEGALIDADE DE ASSISTÊNCIA DE MÉDICO EM ESPETÁCULO TAUROMÁQUICO

PAN questiona Governo sobre ilegalidade de médico acerca das suas funções de assistência em espetáculo tauromáquico

  • Médico afastado do INEM por suspeitas de colocar em causa o transporte de doente para assistir a um espetáculo tauromáquico
  • Regulamento do Espetáculo Tauromáquico obriga à presença permanente de uma ambulância e de uma equipa de reanimação constituída por um médico
  • Médico afirma em televisão que não esteve presente durante a corrida, apesar de ter assinado relatórios, violando as suas obrigações 
  • Médico e promotor incorrem em ilegalidades desconsiderando a integridade física das pessoas que participam neste evento que envolve violência

No seguimento de um evento bastante divulgado na comunicação social que envolve o afastamento de um médico do INEM, António Peças, por suspeitas de por em causa o transporte de doentes, que em alguns casos vieram a morrer, o referido médico veio a prestar declarações alarmantes. Num dos casos, o referido médico recusou-se a transportar uma doente em Évora justificando essa impossibilidade com motivos de doença quando alegadamente estaria efetivamente a assistir a uma tourada. Face a esta acusação, António Peças, médico que supostamente deveria acompanhar um espetáculo tauromáquico para o qual foi contratado, admitiu numa entrevista televisiva, que deu o aval ao promotor do referido espetáculo para abrir as portas do recinto, havendo desde logo assinado ambos os relatórios de ocorrências (o de início e o de fim da corrida), sem, contudo, ter assistido à corrida de touros.

O Decreto-Lei n.º 89/2014, de 11 de Junho, que aprova Regulamento do Espetáculo Tauromáquico, prevê no artigo 7.º, relativo às competências do diretor de corrida, na alínea X que, (incumbe ao diretor de corrida) “entregar na Inspeção-Geral das Atividades Culturais (IGAC), até três dias úteis após o espetáculo, o relatório de ocorrências, de acordo com o modelo aprovado por aquele serviço, acompanhado dos documentos entregues pelos restantes intervenientes no espetáculo e dos autos de notícia levantados na sequência de infrações ao presente regulamento”.

Já o artigo 15.º, n.º 6 do mesmo diploma refere que “em todos os espetáculos, o promotor assegura a presença de uma ambulância de emergência do tipo B e de uma equipa de reanimação constituída por um médico, preferencialmente da área de traumatologia ou ortopedia, e um enfermeiro, ambos com formação e experiência em Suporte Avançado de Vida no Trauma”.

Com a confissão do referido médico, torna-se evidente um claro e patente atropelo a premissas legais que têm como principal objetivo zelar pela integridade física das pessoas intervenientes ou assistentes nos espetáculos tauromáquicos, que pela sua natureza, acarretam óbvios perigos para todos os seus intervenientes.

Posto isto o PAN pretende que o Ministério da Cultura esclareça sobre: 1) Se tomou o IGAC conhecimento destes factos; 2) Se António Peças foi efetivamente o médico alocado ao espetáculo tauromáquico; 3) Se não, teve este espetáculo algum médico alocado; 4) Se não, qual foi o médico alocado ao espetáculo em causa; 5) Se foram detetadas irregularidades/ilícitos no evento explicitado; 6) Se sim, quais; 7) A verificar-se que António Peças seria o médico de prevenção ao espetáculo, não havendo assistido ao mesmo, quais serão as consequências para o promotor e para o médico em causa.



publicado por Carlos Gomes às 19:28
link do post | favorito

Terça-feira, 8 de Janeiro de 2019
VAI HAVER SARRABULHO EM LOURES... À MODA DE PONTE DE LIMA!

Estão quase esgotadas as inscrições para o almoço de arroz de sarrabulho com rojões à moda de Ponte de Lima e a alheira de galo, numa iniciativa do Grupo Folclórico Verde Minho em parceria com os restaurantes de Ponte de Lima. Mas, praticamente metade das inscrições já estão asseguradas, devendo as mesmas ficarem esgotadas dentro de pouco tempo!

IMG_6307

A iniciativa vai ter lugar no próximo dia 3 de Fevereiro em Loures, a ter lugar na cantina da Câmara Municipal de Loures.

Sob a experiente batuta do Chefe Paulo Santos, da Casa de S. Sebastião, na freguesia limiana de S. Pedro de Arcos, espera-se uma adesão bem mais superior à verificada no ano passado. Os comensais vão ter a oportunidade de saborear uma das requintadas obras do paladar da gastronomia minhota e portuguesa em geral – o arroz de sarrabulho com rojões à moda de Ponte de Lima!

Trata-se, realmente, de uma iniciativa a não perder e cuja inscrição não deve ser relegada para mais tarde… os contactos são os seguintes:

- Teotónio Gonçalves – 964 006 657

- Mário Oliveira – 914 080 246

CapturarAlmoçoSarrabulho2019



publicado por Carlos Gomes às 23:01
link do post | favorito

PAN PROPÕE CRIAÇÃO DE VISTOS GREEN

PAN quer facilitar autorização de residência a quem investe em atividades ecológicas e propõe criação de vistos Green

  • Autorização de residência assente em atividades de investimento em projetos ecológicos
  • Investimentos em agricultura biológica não intensiva
  • Contribuição ativa para a implementação do Roteiro para a Neutralidade Carbónica
  • Projetos que incidam no autoconsumo com energias oriundas de fontes renováveis e que promovam investimentos em ecoturismo
  • Dia 10 de janeiro parlamento discute atribuição de “vistos Gold”

No âmbito da discussão agendada para 10 de janeiro sobre a autorização de residência para atividade de investimento, comummente designada por “Golden Visa” ou “Visto Gold”, o PAN, Pessoas-Animais-Natureza, propõe a instituição de um regime de autorização de residência assente em atividades de investimento em projetos ecológicos, os “Vistos Green”.

Desde a sua criação, em 2012, o investimento acumulado totalizou 4.155.454.320,27 euros, com a aquisição de bens imóveis a somar 3.769.059.383,67 euros e a transferência de capital no valor de 386.394.936,60 euros. Tem-se verificado um crescimento do investimento em Portugal nos últimos meses, com uma subida de 41% em Novembro de 2018 e 4% em Outubro, face ao período homólogo do ano anterior, de acordo com dados estatísticos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). Até à data foram atribuídas 6.813 autorizações de residência para atividades de investimento: 2 em 2012, 494 em 2013, 1.526 em 2014, 766 em 2015, 1.414 em 2016, 1.351 em 2017 e 1.260 em 2018. Por nacionalidades, a China lidera a atribuição de vistos (4.013), seguida do Brasil (625), Turquia (279), África do Sul (268) e Rússia (237).

Posto isto, o PAN propõe a criação de um regime de autorização de residência assente em atividades de investimento em projetos ecológicos (Vistos Green) respeitantes a qualquer atividade exercida pessoalmente ou através de uma sociedade que conduza à concretização de, pelo menos, uma das seguintes situações em território nacional e por um período mínimo de cinco anos, num montante igual ou superior a 250 000 euros, tais como, investimentos em agricultura biológica não intensiva; projetos que reforcem e contribuam ativamente para a implementação do Roteiro para a Neutralidade Carbónica; a criação de investimentos que incidam no autoconsumo com energias oriundas de fontes renováveis; projetos que apresentem manifestos e elevados padrões de eficiência energética com a obrigatoriedade de consumo de mais de 75% de energia oriunda de fontes 100% renováveis e que promovam investimentos em ecoturismo.

Tendo em conta estes dados e a importância de cimentar uma sociedade multicultural e aberta ao investimento estrangeiro, o PAN considera que este investimento exponencial deveria ser captado e canalizado para projetos de investimento estruturantes nomeadamente de cariz ecológico. Sendo que esta iniciativa terá um impacto significativo no audacioso compromisso assumido pelo Sr. º Primeiro-ministro António Costa, na COP-22, em Marraquexe, sobre a descarbonização da economia portuguesa até 2050, com o lançamento do “Roteiro Nacional de Baixo Carbono 2050” assumindo a urgência de, paulatinamente, se abandonar a dependência das energias fósseis, substituindo-as por outras fontes 100% limpas e renováveis.



publicado por Carlos Gomes às 11:04
link do post | favorito

Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2019
BOMBOS DA ASSOCIAÇÃO “US BAT N’PELLE” – ALFÂNDEGA DA FÉ – BRAGANÇA – RUFAM NO FOLKLOURES’19

Vêm do nordeste transmontano, mais especificamente de Alfândega da Fé, no concelho de Bragança. São a Associação Us Bat n’Pelle nasceu de um grupo de amigos que se juntavam no mês de fevereiro para ajudar na realização do desfile de carnaval daquela vila transmontana.

CapturarUsBateNaPele (1).PNG

Em 2015, numa brincadeira, pediram emprestados bombos a alguns amigos de terras vizinhas, apresentaramo-se no desfile de Carnaval e, de uma forma cuidada e organizada, juntaram mais de 20 tocadores de bombos.

A população perguntava se no ano seguinte iriam novamente desfilar nos festejos de Carnaval, porque tinha sido diferente e haviam emprestado mais alegria ao desfile. E, assim determinados, decidiram constituir notarialmente a associação Us Bat n’ Pelle.

A associação tem como objectivos fundamentais a produção, promoção e divulgação de actividades culturais, recreativas, desportivas e musicais, nomeadamente a prática da música com bombos e outros instrumentos, bem como a defesa do ambiente e contribuir para o desenvolvimento regional e local,.

É ainda seu propósito contribuir para um salutar e benéfico aproveitamento e utilização dos tempos livres, desenvolvendo actividades de âmbito nacional, dirigidas à população.

Cartaz-2019.jpg



publicado por Carlos Gomes às 00:00
link do post | favorito

Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2019
CONVENTO DOS CARDAES REALIZA CONCERTO DE REIS

unnamed



publicado por Carlos Gomes às 13:35
link do post | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

14
15
17
20

21
26
27

28
29
30


posts recentes

TOMARENSES REÚNEM-SE EM L...

25 DE ABRIL NÃO FOI SÓ CR...

INTERVENÇÃO DO DEPUTADO A...

RIO DE MOURO COMEMORA 25 ...

MOITA RECEBE BAILADO “NA ...

MINHOTOS EM LISBOA CELEBR...

VOLANTE DESENVOLVIDO NA U...

OEIRAS... DE ABRIL A ABRI...

PAN DEFENDE PRESCRIÇÃO DE...

LISBOA TEM 509 EMPRESAS C...

EUROPEIAS 2019: PAN LANÇA...

PAN ESTREIA DOCUMENTÁRIO ...

PAN ASSINALA O 25 DE ABRI...

PAN DENUNCIA À ORDEM ADVO...

OEIRAS: RANCHO FOLCLÓRICO...

ARTESANATO E TRADIÇÕES JU...

PAN PARTICIPA NO SEMINÁRI...

ATAQUE DE CORAÇÃO: RECUPE...

PAN QUER QUE TODOS OS AGR...

“MARCHA ANIMAL” JUNTA EM ...

METRO DE LISBOA COMEMORA ...

PAN ENTREGA LISTA DE CAND...

PAN PARTICIPA NA MARCHA A...

ARGANILENSES ORGANIZAM EM...

PAN ELEGE NOVA COMISSÃO P...

EM TEMPO DE QUARESMA AS J...

INVESTIGAÇÃO DA UNIVERSID...

PAN LISBOA QUER TRANSPORT...

OEIRAS: FOLCLORE DESFILA ...

RIO DE MOURO: EM CADA ESQ...

LISBOA DESFILA PELA CONSC...

LAMAS VERMELHAS PODEM, AF...

TRANSPORTES PÚBLICOS: OS ...

CASA DO CONCELHO DE TOMAR...

ALEXANDRE SOARES DOS SANT...

VIAGEM DE METRO ASSINALA ...

CASA DA COMARCA DE ARGANI...

FOLKLOURES’19 ESTÁ EM MAR...

COLECTIVIDADES REÚNEM EM ...

PAN DEFENDE RESIDÊNCIA AL...

SOB A ÉGIDE DA FEDERAÇÃO ...

CASA DO CONCELHO DE TOMAR...

PAN CONTRA MANUTENÇÃO DA ...

METRO ASSOCIA-SE AO ANO I...

DIA INTERNACIONAL DOS MON...

METRO DE LISBOA REFORÇA E...

RANCHOS FOLCLÓRICOS PEREG...

CENTRO GALEGO EM LISBOA P...

CANTORA MOLDAVA ADRIANA O...

PAN DEBATE RELAÇÃO DE LIS...

arquivos

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds