Blogue de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Lisboa e arredores
Quarta-feira, 24 de Setembro de 2014
ECOLOGISTAS EXORTAM NO PARLAMENTO AO COMBATE ÀS CAUSAS ANTROPOGÉNICAS DA MUDANÇA DO CLIMA

A Deputada Heloísa Apolónia, do partido “Os Verdes”, proferiu hoje na Assembleia da República, uma declaração política sobre a cimeira do clima em Nova Iorque. Na sua intervenção (o documento segue anexo), Heloísa Apolónia exorta o Governo português a combater as causas antropogénicas da mudança do clima e a promover sérias medidas de adaptação a este fenómeno.

1003141_139756409564853_38033895_n

Declaração política da Deputada Heloísa Apolónia (PEV)

Cimeira do clima Nova Iorque

Senhora Presidente,

Senhoras e Senhores Deputados,

Ocorreu mais uma cimeira do clima, agora em Nova Iorque. Para aqueles que se consolariam com discursos que relevassem a importância de combater as alterações climáticas, foi certamente uma cimeira positiva, porque os discursos têm-se, nesta matéria, demonstrado muito mais hábeis do que as ações. Para aqueles que exigiriam passos sérios que demonstrassem que as próximas cimeiras do clima trarão resultados concretos, confirmou-se a ausência das expetativas já inexistentes naquela que foi intitulada uma cimeira especial sobre o clima.

Muitos cidadãos marcharam, um pouco por todo o mundo, a clamar que importa deter a mudança climática, no que depende da ação humana, a clamar que só temos um planeta, que é preciso intervir seriamente sobre as alterações do clima. São os povos do mundo a clamar avidamente por soluções, perante líderes mundiais alheados dessa urgência.

Em 2013 as concentrações de gases com efeito de estufa atingiram novos máximos históricos e, em particular, as emissões de dióxido de carbono galoparam nas últimas décadas. Foi justamente esse o alerta que os primeiros relatórios do IPCC fizeram, referindo que, caso não se movessem processos eficazes de mitigação das causas antropogénicas que motivam as alterações climáticas, a tendência era o agravamento da situação.

Nada que não se soubesse antes, perante e depois da conferência de Copenhaga, em 2009, que constituiu uma das cimeiras mais frustrantes e demonstrou como os líderes mundiais dos países mais ricos davam prioridade à recapitalização da banca e descuravam a harmonização da relação da economia com a natureza.

De adiamento em adiamento, os olhos estão agora postos na cimeira das partes que se realizará em Paris no próximo ano, mas as negociações mostram-se difíceis devido à falta de vontade política de governantes, designadamente dos países que mais contribuem para as emissões de gases com efeito de estufa, ameaçando, num ponto de partida, resultados necessários em Paris.

Entretanto, o aquecimento global não espera nem por 2015, nem por Paris, nem, tão pouco, por acordos mundiais. Os seus efeitos estão aí, a ser sentidos em todo o mundo, incluindo em Portugal, de uma forma muito visível. O Verão de 2014 foi o mais quente ao nível global, apesar de não ter assim parecido em Portugal, onde o mês de setembro está a revelar um tempo marcadamente tropical. As variações metereológicas extremas, as chuvas intensas, as consequentes inundações graves que ameaçam vidas, destroem lares e economia, são exemplos claros de que, para além do esforço sério de mitigação a realizar, há um esforço de medidas de adaptação a fazer que não podem esperar muito mais. E o problema é que, em Portugal, passamos a vida a remendar o que o clima e a natureza vão afetando, designadamente em relação ao litoral, quando é preciso, de uma vez por todas, entender que a palavra de ordem na adaptação ao fenómeno climático é recuar no território e reconhecer que não temos engenho que trave a força do mar e dos céus.

E fundamentalmente o que é preciso é deixar de cometer erros tão disparatados, quanto perigosos, como o Programa Nacional de Barragens, cujas consequências sobre o litoral não foram estudadas e que trava a chegada de sedimentos ao litoral, intensificando uma erosão que desgasta a faixa costeira, ou erros como a construção de urbanizações às portas do mar, tal como a que foi aprovada para Carcavelos, que representará mais um confronto com esse mar. São exemplos de opções políticas erradas, que depois geram problemas gravíssimos.

Senhora Presidente,

Senhoras e Senhores Deputados,

O que o Governo português, bem como os líderes de todo o mundo, precisam de entender, cada um à medida das suas responsabilidades, é que combater as causas antropogénicas da mudança do clima e promover adaptação às alterações climáticas não é um despesismo. É antes salvaguardar vidas humanas, preservar a biodiversidade, defender a economia e as condições para o seu desenvolvimento. É preservar o único planeta que nos acolhe, como tantos cidadãos clamaram na marcha pelo clima.



publicado por Carlos Gomes às 21:35
link do post | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

LUÍS ESTEVES, PRESIDENTE ...

PAN PEDE REVOGAÇÃO DA AUT...

PAN QUER AUDIÇÕES URGENTE...

PAN PEDE AUDIÇÃO SOBRE O ...

PAN AVANÇA COM AS PRIMEIR...

PAN QUESTIONA O GOVERNO S...

METRO LEVA CINEMA AO CAIS...

BANDAS FILARMÓNICAS DESFI...

TOMARENSES CONFRATERNIZAM...

METROPOLITANO DE LISBOA A...

PROGRAMA DE GOVERNO ACOLH...

CASA DO CONCELHO DE TOMAR...

PAN QUER PORTUGAL A SEGUI...

METRO DE LISBOA ASSINALA ...

METRO CELEBRA DIA MUNDIAL...

O QUE DISSE ANDRÉ SILVA, ...

METRO CELEBRA DIA MUNDIAL...

METRO DE LISBOA APOSTA NA...

METROPOLITANO DE LISBOA R...

ESTUDO DA INTRUM REVELA Q...

JORNADAS EUROPEIAS DO PAT...

METRO DE LISBOA ADERE À D...

OUTLOOK DO RATING DO METR...

TOMARENSES EM LISBOA CONF...

FEDERAÇÃO DO FOLCLORE POR...

CASA DO CONCELHO DE TOMAR...

ALFRAGIDE REALIZA FEIRA S...

ALDEIAS DE CRIANÇAS SOS C...

METRO REALIZA CONCURSO DE...

FEDERAÇÃO DO FOLCLORE POR...

METRO DE LISBOA REFORÇA P...

MOVIMENTOS CÍVICOS CONTRA...

METROPOLITANO DE LISBOA V...

METRO DE LISBOA ASSINALA ...

CENTRO NACIONAL DE CULTUR...

PAN APRESENTA PROGRAMA EL...

METRO DE LISBOA COMEMORA ...

ARGANILENSES EM LISBOA RE...

PAN INSTA GOVERNO A INTER...

PAN CONTESTA ENCONTRO EM ...

PAN ENTREGA LISTA DE CAND...

ESTAÇÃO BAIXA-CHIADO CELE...

COMUNIDADE ROMENA DA REGI...

INVESTIGAÇÃO DA UNIVERSID...

ALFRAGIDE REALIZA FESTIVA...

PAN ANUNCIA CABEÇAS DE LI...

METRO DE LISBOA PROMOVE C...

PAN FAZ BALANÇO DA LEGISL...

FAMÍLIAS NAVEGAM NO METRO...

PORTO DE LISBOA APRESENTA...

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds