Blogue de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Lisboa e arredores
Sexta-feira, 23 de Março de 2018
PORTUGUESES ESTÃO MAIS PREOCUPADOS COM O AMBIENTE MAS NÃO MUDAM COMPORTAMENTOS

Primeira Conferência Green Project Awards (GPA) 2018, realizada em parceria com a DECO e o Fórum do Consumo, apresenta conclusões do 3º Estudo do Observatório do Consumo Consciente que mostra, entre outras conclusões, que os portugueses estão mais conscientes para a problemática ambiental, mas com pouca predisposição para pagar taxas ambientais ou para participarem socialmente numa mudança.

De acordo com o 3º Estudo do Observatório do Consumo Consciente e com o Índice Nacional do Consumo Consciente (INCC), os portugueses estão mais preocupados com o ambiente, mas sem mostrarem muitas mudanças ao nível comportamental. A conferência debateu ainda que o preço será um dos fatores principais no momento de decisão. Levantando assim, a questão de se devemos rever o que está incluído no preço de um produto.

Estas e outras conclusões foram apresentadas na primeira conferência do Ciclo de Conferências Green Project Awards (GPA) 2018, realizada em parceria com a DECO e em conjunto com o Fórum do Consumo, a Universidade Lusófona, o IADE-Universidade Europeia e a GfK, que decorreu esta manhã no Auditório Agostinho da Silva da Universidade Lusófona, em Lisboa.

Os resultados do 3º Estudo do Observatório do Consumo Consciente e do Índice Nacional do Consumo Consciente (2015 – 2017), apresentado pela primeira vez, mostram que os portugueses estão mais preocupados com o ambiente (69% relativamente aos 66% dos dois anos anteriores), mas pouco dispostos a pagar taxas ambientais e com pouca participação social. Ainda, usam pouco os transportes públicos nas deslocações diárias, aumentou a compra de automóveis, mas aumentaram também as boleias. 29% dos portugueses compram alimentos biológicos e 74% compram alimentos produzidos em Portugal. Quanto aos equipamentos eletrónicos, preferem repará-los em vez de comprar novos. Em 2017, 64% dos portugueses compram equipamentos eficientes, comparativamente aos 59% no ano anterior. O consumo de água engarrafada diminuiu, passando de 37% em 2015 para 32% em 2017, e os comportamentos de reciclagem mantêm-se inalterados.

Durante a sessão, vários foram os temas debatidos como o Preço vs Ambiente por Jorge Cancela da DECO, “fator essencial de consumo ainda é o preço e a qualidade. O consumidor nunca associa o produto às emissões de CO2. As associações de consumidores têm um papel fundamental na consciencialização do consumidor, mas este tema não pode recair apenas sobre os consumidores sendo que as empresas devem ser responsabilizadas. É preciso consciencializar o consumidor que o preço não é só moeda... são as consequências que determinados produtos acarretam e discutir realmente o que é um produto português. Com exceção dos BIO, o que devem os outros produtos ter para ser produto português?”.

José António Rousseau, moderador e Presidente do Fórum do Consumo, acrescentou ainda que é “pela evolução do consumo que estamos aqui, que vivemos com abundância de escolhas. No entanto, o consumo tem sido diabolizado por não ser feito de forma correta. Uma vez que não temos recursos infinitos, sabemos que precisamos de consumir de forma consciente. O consumo consciente devia ser um mantra no dia a dia, em casa, nas escolas e nas empresas”.

Manuela Botelho, Secretária-Geral da APAN – Associação Portuguesa de Anunciantes, realçou ainda que não é possível exigir à população a resolução de problemas que não estão na sua escala de prioridades. “Em 2007, de uma forma abrangente, os portugueses foram questionados quais eram as maiores preocupações que assombravam o mundo: Empregos, Pobreza e Sustentabilidade Económica, foram os tópicos mais referidos. É importante compreender que os esforços vão estar sempre virados para as prioridades da sociedade - O dinheiro, não o ambiente! Os portugueses já deram provas que estão conscientes para as causas ambientes e preparados para agir, no entanto, é importante que as empresas saibam comunicar o que estão a fazer e qual o impacto positivo que irão proporcionar”. 

O estudo revelou ainda que existe um baixo índice de sensibilização também nas camadas mais jovens, entre os 15 e os 24 anos, apesar do trabalho realizado para os sensibilizar. Sendo que estes são continuamente ‘bombardeados’ com incentivos ao consumismo e informação pouco explicita sobre o consumo consciente. Sendo claro no estudo que em todos os indicadores os valores mais baixos são apresentados nesta faixa etária.

Em suma, o INCC mostra uma ligeira recuperação do consumo consciente dos portugueses em 2017, que reconhecem a necessidade de redução e de mudança de comportamentos e de estilo de consumo, mas que ainda não adotaram um estilo de vida sustentável de forma generalizada. O Índice foi efetuado com base em indicadores obtidos por um inquérito realizado a uma amostra representativa da população portuguesa continental (1257 indivíduos), sendo possível avaliar o nível de atitudes ambientais e o nível de comportamento sustentável dos portugueses.

A Deco e o Fórum do Consumo, ambos parceiros Green Project Awards nesta conferência, juntam-se ao GPA com o objetivo de promover o debate e aproximar os diferentes agentes económicos que atuam e estabelecem relações comerciais na área do consumo.


tags:

publicado por Carlos Gomes às 10:35
link do post | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

15
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

PORTO DE LISBOA APRESENTA...

PROLONGAMENTO ORIENTE / A...

PAN CONSEGUE MAIS DIREITO...

PAN INTEGRA DELEGAÇÕES DO...

CASA DO CONCELHO DE TOMAR...

PAN ACUSA PSD, CDS E PCP ...

PAN CONSEGUE QUE OS ESTUD...

SINTRA: TERRUGEM RECEBEU ...

ACABOU O PRAZO INTERNUPCI...

PAN GARANTE 1ª VICE-PRESI...

METROPOLITANO DE LISBOA A...

PAN QUESTIONA MINISTRO SO...

CASA DO CONCELHO DE ARCOS...

FOLKLOURES'19 CELEBRA A A...

METRO DE LISBOA ASSINALA ...

PAN QUESTIONA COBRANÇA DE...

TOMAR ESTÁ EM FESTA!

COMUNIDADE MOLDAVA CONFRA...

COMUNIDADE MOLDAVA CONFRA...

SARDINHADA JUNTA TOMARENS...

PAN PROPÕE PROJETO-PILOTO...

PARLAMENTO EUROPEU: PAN E...

FOLKLOURES'19: VEM AÍ A G...

PROF. DOUTORA TERESA SOEI...

FEIRA INTERNACIONAL DO AR...

PROF. DOUTORA TERESA SOEI...

FEIRA INTERNACIONAL DE AR...

METRO DE LISBOA CELEBRA 7...

PAN CELEBRA MÊS ARCO-ÍRIS

PAN QUER QUE GOVERNO APRO...

FIA RECEBE ARTESANATO DE ...

GENTES DE ARGANIL TRAZEM ...

BELAS REALIZA FESTIVAL DE...

FESTA DA AMIZADE JUNTA MI...

SINTRA: BELAS REALIZA FES...

CASA DO CONCELHO DE TOMAR...

OEIRAS: PEDREIRA ITALIANA...

CASA DO CONCELHO DE PENAC...

GENTES DE ARGANIL TRAZEM ...

FIA RECEBE ARTESANATO DE ...

COMUNIDADE MOLDOVA CONFRA...

RIO DE MOURO: NEM TUDO É ...

ARTESÃOS DE TODO O MUNDO ...

ARTESÃOS DE TODO O MUNDO ...

FESTA DOS TABULEIROS EM T...

PAN INCENTIVA A UMA MAIOR...

UNIVERSIDADE DE AVEIRO AS...

LOURES PREPARA-SE PARA A ...

RIO DE MOURO: ESTE É O CA...

METRO DE LISBOA PROLONGA ...

arquivos

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds