Blogue de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Lisboa e arredores

Segunda-feira, 8 de Outubro de 2018
METRO DE LISBOA PROMOVE VISITA GUIADA À ESTAÇÃO DE CHELAS PELO ARTISTA JORGE MARTINS

10 outubro |11:00 horas

No âmbito do seu 70.º aniversário, que se assinala ao longo de 2018, o Metropolitano de Lisboa prossegue com várias iniciativas de animação nas estações, entre as quais se inclui o programa de visitas a diversas estações da sua rede.

LDCH_07

Em parceria com a Az - Rede de Investigação em Azulejo, a próxima visita será à estação Chelas, no dia 10 de outubro, pelas 11 horas, com a presença de Jorge Martins, o artista plástico que intervencionou a estação.

Esta visita insere-se nas comemorações do Mês do Azulejo, um projeto piloto que envolve as entidades Museu Nacional do Azulejo, Laboratório Nacional de Engenharia Civil e a Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS-IHA/FLUL), em parceria com o Metropolitano de Lisboa.

Para beneficiar desta experiência, é necessário a prévia inscrição dos interessados, no site da Az - Rede de Investigação em Azulejo,http://redeazulejo.fl.ul.pt/  tendo a visita um limite máximo de 25 participantes.

A estação Chelas na linha Vermelha inaugurou em 1998, por ocasião da abertura da Expo’98. A intervenção plástica de Jorge Martins constitui um trabalho de grande vulto já que implicou a conceção do revestimento em azulejo de toda a área da estação, inclusive das enormes colunas do cais. Esta estação dispõe de um duplo pé direito com grandes superfícies de alçados que proporcionaram ao artista o desenvolvimento do seu trabalho criando um efeito estético de volume nos painéis de azulejos, uma novidade reforçada por iluminação própria.

O Metropolitano de Lisboa continua, assim, a promover a transversalidade cultural junto dos cidadãos estabelecendo parcerias e protocolos de cooperação com diversas instituições com vista a fomentar o interesse e a motivação para os aspetos culturais que se revelem de especial qualidade e que se pretendem sejam amplamente difundidos, reafirmando, igualmente, a promoção da mobilidade sustentável, através da aposta em diversas formas de fidelização e de captação de novos clientes.



publicado por Carlos Gomes às 15:09
link do post | favorito

Segunda-feira, 3 de Setembro de 2018
CONVENTO DE S. PEDRO DE ALCÂNTARA: CUIDADO COM AS IMITAÇÕES!

Um magnífico painel de azulejos nexiste no Convento de S. Pedro de Alcântara, em Lisboa, foi recentemente “restaurado” e o resultado foi a luminosa obra que vemos numa das fotos… é como se alguém se lembrásse de endireitar a Torre de Pina ou colocar umas próteses à Vénus de Milo!

40612719_2251077215121680_4726751503707013120_n

Apesar do avançado estado de degradação ou melhor, de destruição a que o painel original chegou, o mesmo deveria ser conservado como tal e jamais serem feitas cópias de azulejos e, muito menos, proceder à substituição integral do painel.

Quanto aos azulejos originais, resta saber qual foi o seu destino... podem crer que valem mais do que as cópias!

Entretanto, esperemos que alguém não se lembre de “reconstruir” a cidade romana de que restam as ruínas de Conímbriga… o que fizeram é tudo menos restauro!

Fotos: João Matos Alves

40635744_2251076978455037_6162828494058291200_n



publicado por Carlos Gomes às 19:47
link do post | favorito

Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2018
MUSEU BORDALO PINHEIRO DÁ CURSO DE AZULEJO

Elizabete Canavarro está de regresso ao Museu Bordalo Pinheiro para mais um curso dedicado a explorar a arte de pintar em azulejo. As aulas inspiram-se em Bordalo Pinheiro e na sua técnica de pintura mas convidam a novas experimentações e provas de talento e originalidade. É um dos nossos cursos mais procurados, ao que não é alheio o profissionalismo de Elizabete Canavarro e a sua capacidade para derrubar preconceitos sobre o que é saber desenhar, pintar, criar. No final, cada aluno leva o seu trabalho para casa, devidamente cozido e acondicionado.

28379213_1689723047755239_3828635722897060871_n



publicado por Carlos Gomes às 22:16
link do post | favorito

Terça-feira, 3 de Maio de 2016
AZULEJO VIRA SUPORTE DE PROPAGANDA

Os cartazes, grafites, autocolantes e faixas sempre constituíram materiais utilizados na propaganda política e outras formas de divulgação de ideias ou manifestação pública de protestos. Porém, é a primeira vez que deparamos com a utilização do azulejo para esse fim… o azulejo que aparece na imagem encontra-se colado na fachada do edifício onde se encontra instalado o Tribunal da Relação de Lisboa!

 



publicado por Carlos Gomes às 19:23
link do post | favorito

Sexta-feira, 1 de Janeiro de 2016
AZULEJOS DA ESTAÇÃO DO ROSSIO DÃO A CONHECER FIGURAS HISTÓRICAS DE PORTUGAL

A estação ferroviária do Rossio exibe um conjunto azulejar nos quais retrata 14 figuras históricas portuguesas e os mitos e símbolos nacionais que lhes estão associados e fazem parte da nossa cultura.

Estação Rossio3

A obra, da autoria de Lima de Freitas, data de 1995, e revela uma simbiose entre o neo-realismo e o esoterismo que caraterizou o artista.

Os painéis são alusivos à cidade de Lisboa e representam o seu Padroeiro, São Vicente de Lisboa, Santo António e a Sé Catedral, o Santo Condestável e o Convento do Carmo, a Rainha D. Leonor e a Madre de Deus, os mosteiros dos Jerónimos e a Ordem de Cristo, Francisco de Holanda e a sua obra sobre Arquitetura, D. Sebastião, o Encoberto, Padre António vieira e o V Império, Almeida Garrett e o Teatro D. Maria II, Alexandre Herculano e a História, Fernando Pessoa e o caminho da Serpente.

Estas magníficas obras de arte constituem mais um motivo para uma visita à estação ferroviária do Rossio, em Lisboa.

HPIM0362



publicado por Carlos Gomes às 00:01
link do post | favorito

Quinta-feira, 31 de Dezembro de 2015
AZULEJOS DA ESTAÇÃO DO ROSSIO DIVULGAM EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS À ÉPOCA DO ESTADO NOVO

A estação ferroviária do Rossio é uma das mais belas estações ferroviárias de Portugal, quer pela sua conceção arquitetónica como ainda pelas magníficas obras de arte decorativas que exibe.

Estação Rossio3

Trata-se, na realidade, de uma verdadeira galeria de arte de onde se destacam nomeadamente de dois conjuntos azulejares. Não obstante, a maioria das pessoas que utilizam diariamente esta estação nas suas deslocações diárias entre a casa e o emprego, não se detém para contemplar estas obras de arte com receio de perder o combóio no horário previsto.

Na parede do lado nascente da gare encontra-se uma sequência de medalhões em relevo alusivos às principais exportações portuguesas, obra do multifacetado artista francês Lucian Donnat e Amaral, que viveu em Lisboa e deixou-nos em 2013.

Excelente peça de propaganda do Estado Novo, o conjunto exibe uma inscrição que esclarece: “Estes quadros publicitários foram oferecidos pelo Fundo de Fomento de Exportação – 1958”.

HPIM0400

Com molduras compostas de flores, frutos e pássaros, encimadas com a esfera armilar, estes painéis representam os principais produtos exportados por Portugal à época, muitos dos quais provenientes dos antigos territórios ultramarinos. São eles as frutas, vinhos de mesa, café, cortiça, vinhos do Porto, porcelanas, vidros e faianças, conservas de peixe, resinosas, vinhos da Madeira, pratas e filigranas, sisal, tecelagem e bordados, oleaginosas.

748272

Lucian Donnat foi o autor destes painéis que se encontram na estação ferroviária do Rossio, em Lisboa



publicado por Carlos Gomes às 16:46
link do post | favorito

Quarta-feira, 5 de Agosto de 2015
HISTORIADOR JOÃO ALPUIM BOTELHO PUBLICA A OBRA “AZULEJOS DA MISERICÓRDIA DE VIANA DO CASTELO”

João Alpuim Botelho é atualmente responsável pelo Museu Bordallo Pinheiro, em Lisboa

“Azulejos da Igreja da Misericórdia de Viana do Castelo. Representação das obras da Misericórdia” é o título do mais recente livro publicado pelo historiador João Alpuim Botelho, dando-nos a conhecer o magnífico património azulejar da autoria de Policarpo de Oliveira Bernardes, um dos maiores azulejistas do século XVIII. Editado pela Santa Casa da Misericórdia de Viana do Castelo, ricamente ilustrado com fotografia de Rui Carvalho e Carlos Valencia Maya e excelente grafismo de Rui Carvalho, a obra foi impressa na Gráfica Casa dos Rapazes, em Viana do Castelo.

Na Nota Introdutória, assinada por Manuel Gomes Afonso, Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Viana do Castelo, refere-se o seguinte: “Em boa hora beneficiou esta igreja de obras de conservação e restauro. Ao conjunto azulejar de Policarpo de Oliveira, cuja assinatura deixou gravada num dos azulejos, foi dedicado especial cuidado. O mérito deste trabalho de recuperação, um decisivo contributo para salvaguarda e preservação de um património de que nos podemos orgulhar, tem merecido o devido reconhecimento e a atestá-lo, ainda recentemente, a atribuição do Prémio SOS Azulejo com que foi distinguido pelo Museu da Polícia Judiciária. Por isso, é de inegável oportunidade e a todos os títulos bem-vinda a edição desta obra do Dr. João Alpuim Botelho, profundo conhecedor do património da Santa Casa da Misericórdia de Viana do Castelo.

Neste trabalho o autor, com o conhecido rigor, mestria e precisão que incute aos seus estudos, conduz-nos a conhecer as principais características e particularidades dos vários painéis, permitindo-nos um diferente olhar e um mais aprofundado conhecimento de todo o conjunto que a Igreja nos oferece”.

Através deste livro, o autor dá-nos a conhecer o magnífico património azulejar barroco da Igreja da Misericórdia de entre o qual se destacam as catorze obras de Misericórdia situadas no corpo da igreja, mas também a representação da vida de Maria e de Jesus Cristo, na Capela-mor, com finalidade catequética de, através da imagem e das referências bíblicas inscritas nas respetivas cartelas, lembrar aos irmãos e a todos quantos frequentavam aquele espaço a própria missão a que a se propunha a Irmandade.

De planta transversal composta por nave única e capela-mor, da mesma altura e largura, a igreja é rasgada por janelas e portal de arco de volta perfeita encimado por frontão interrompido pela imagem da Virgem, refletindo do ponto de vista arquitetónico o período de transição do maneirismo para o barroco.

Apresentando o interior uma extraordinária riqueza decorativa, o vasto conjunto azulejar monocromático azul que reveste as paredes da igreja apresenta-se perfeitamente combinado com a talha dourada e as pinturas do teto da nave, traduzindo-se num património integrado bem caraterístico do período do barroco.

João Alpuim Botelho nasceu em 1967, em Viana do Castelo. Licenciado em História (FLL, 1989) e Mestre em Museologia, tendo defendido uma tese sobre “Panorama Museológico do Alto Minho” (U.N.L., 2007), foi responsável por dois museus certificados pela Rede Portuguesa de Museus: o Museu de Artes Decorativas e o Museu do Traje. Desde 2013, encontra-se ligado à Câmara Municipal de Lisboa, sendo responsável pelo Museu Bordallo Pinheiro.

Trabalhou desde 1991 na Câmara Municipal de Viana do Castelo e, desde 1999, foi responsável pelo Museu do Traje, criado em 1997, com a gestão e direção da instalação e processo de adesão à Rede Portuguesa de Museus concluído em 2004.

No âmbito da sua atividade no Museu do Traje realizou cerca de 20 exposições de temática etnográfica, ligada à investigação e pesquisa da vida rural tradicional e da identidade alto minhota.

Publicou, entre catálogos e artigos, cerca de 50 trabalhos sobre a mesma temática. Destes trabalhos relevo a edição de Uma Imagem da Nação, O Traje à Vianesa, com Benjamim Pereira e António Medeiros (ed CMVC, 2009)

Ainda no âmbito dos Museus desenvolvi um conjunto de Núcleos Museológicos situados nas freguesias do Concelho de Viana do Castelo, que dispõe de cinco em funcionamento (Moinhos de Vento de Montedor, em Carreço; Moinhos de Água, em S.L. Montaria; do Pão, em Outeiro; do Sargaço, em Castelo de Neiva; das actividades Agro-Marítimas, em Carreço) estando esta rede em permanente alargamento.

Desde Julho de 2009 sou Chefe de Divisão de Museus da Câmara Municipal de Viana do Castelo, tendo a meu cargo dois Museus que integram a Rede Portuguesa de Museus: o Museu de Arte e Arqueologia e o Museu do Traje

Iniciou a sua vida profissional no Centro Nacional de Cultura com Helena Vaz da Silva, no Dep de Divulgação Patrimonial em 1990/91. Entre 1995 e 2002 deu aulas no Curso de Turismo da Escola Superior de Tecnologia e Gestão do IPVC de História de Artes e Ofícios Tradicionais, Animação Cultural e Património e Museologia.

Entre 2002 e 2005, foi Diretor Executivo da Culturporto – associação de produção cultural privada, financiada pela Câmara Municipal do Porto, responsável pela gestão do Teatro Rivoli e pela Animação da Cidade. Durante este período, e para além da atividade normal do teatro Rivoli, organiza o projeto Bairros - projeto de criação artística com crianças de bairros desfavorecidos, a Festa na Baixa, conjunto de atividades de animação e divulgação do património da Baixa do Porto, o Capicua 2002, Ciclo de programação comissariado por Eduardo Prado Coelho, o Pontapé de Saída, ciclo de programação de encontro entre as artes e o futebol, no âmbito do Euro 2004, Colóquio Encenação do Passado, com Marc Augé, Vítor Oliveira Jorge, Jorge Freitas Branco, Nuno Carinhas, Abertura da Livraria do Rivoli, primeira livraria do Porto dedicada às Artes de Palco, Fundação da Sem Rede, Rede de Programação de Novo Circo, para a divulgação da disciplina de novo circo, integrada por 13 espaços culturais.

Integrou o Grupo de Trabalho para a Animação da Cidade durante o Euro 2004, criado pela Câmara Municipal do Porto para a coordenação da animação da cidade durante o Campeonato Europeu de Futebol e também a Comissão Executiva da exposição Homenagem a Fernando Galhano: 1904 -1994, na Biblioteca Almeida Garrett, em Novembro de 2004.

Realizou a Exposição Sala do Oriente de José Rodrigues Proposta para uma viagem, no Convento de S. Paio, Vila Nova de Cerveira, em Dezembro de 2006.

Foto da Igreja: http://olharvianadocastelo.blogspot.pt/



publicado por Carlos Gomes às 21:21
link do post | favorito

Quinta-feira, 14 de Maio de 2015
PORTUGAL CANDIDATA AZULEJO PORTUGUÊS A PATRIMÓNIO MUNDIAL DA UNESCO

O Secretário de estado da Cultura, Dr. Jorge Xavier Barreto anunciou ontem a candidatura do azulejo português a Património Mundial da UNESCO. A iniciativa teve lugar no Museu do Azulejo, por ocasião da inauguração da Sala D. Manuel.

11270578_928486723880481_139566139170021704_o

De acordo com o gobernante, “os portugueses foram, e são, originais criadores na arte do Azulejo. Esta é, sem dúvida, uma das mais originais criações do espírito inventivo português, que, integrado na Arquitectura, confere uma singularidade aos nossos edifícios, aos nossos Monumentos, às nossas Vilas e Cidades”.

Esta candidatura vai ser preparada pela Direção-Geral do Património Cultural, em parceria com o Laboratório Nacional de Engenharia Civil e a Comissão Nacional da UNESCO/Ministério dos Negócios Estrangeiros e será certamente muito importante para uma maior sensibilização da sociedade para a necessidade de conservação desta forma de expressão artística.



publicado por Carlos Gomes às 23:09
link do post | favorito


mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

METRO DE LISBOA PROMOVE V...

CONVENTO DE S. PEDRO DE A...

MUSEU BORDALO PINHEIRO DÁ...

AZULEJO VIRA SUPORTE DE P...

AZULEJOS DA ESTAÇÃO DO RO...

AZULEJOS DA ESTAÇÃO DO RO...

HISTORIADOR JOÃO ALPUIM B...

PORTUGAL CANDIDATA AZULEJ...

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds