Blogue de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Lisboa e arredores

Sexta-feira, 21 de Junho de 2019
OEIRAS: PEDREIRA ITALIANA REALIZA FESTIVAL DE FOLCLORE

Capturarminhotpeditali (2).PNG



publicado por Carlos Gomes às 08:15
link do post | favorito

Quinta-feira, 26 de Julho de 2018
QUEM AINDA SE LEMBRA DO RESTAURANTE “MÓNACO”?

Quem circula pela marginal entre Lisboa e Cascais, na zona de Caxias, depara com um edifício que apesar de magnificamente situado, apresenta todos os sinais de uma profunda degradação. Poucos são os que ainda se lembram do famoso Restaurante Dancing “Mónaco” mas também são raras as pessoas que alguma vez não ouvira falar na célebre e fatídica “curva do Mónaco”…  pois, devido ao seu interesse, resolvemos recuperar uma peça jornalística do diário “Correio da Manhã” publicada em 12 de Fevereiro de 2014 e reproduzi-la aqui com a devida vénia.

0001_M (1)

Os anos de ouro do restaurante Mónaco: Dos anos 1950 ao ínicio deste século, o Restaurante Mónaco recebeu elites europeias e portuguesas, com música e vista de mar.

Vasco D’Orey Bobone, artista plástico de 70 anos, ainda guarda o convite que o pai, cônsul no Mónaco, recebeu em novembro de 1956 para a inauguração do restaurante, em Caxias, que foi buscar o nome ao principado de Rainier e Grace. Nos anos 1960, no apogeu da sua vida social, os príncipes do Mónaco, acompanhados dos filhos Alberto e Carolina, chegaram a visitar o local, tal como um presidente do Brasil, que marcou presença num jantar dançante. Mercês da Cunha Rego recorda com orgulho esse jantar no restaurante Mónaco, em janeiro de 1963, quando cantou para Juscelino Kubitscheck de Oliveira, que tinha fama de ‘pé de valsa’ e deixara a presidência do Brasil dois anos antes. "Ainda tenho a fotografia. Estou eu e o meu amigo, o também fadista João Ferreira Rosa, pois era comum sermos convidados para acontecimentos importantes como aquele. O restaurante Mónaco era um espaço de elite, com um ambiente muito bom, a vista sobre o mar e boa comida. Lembro-me de um robalo que serviam, com uma apresentação fantástica", recorda a fadista.

0001_M

Restaurante dançante

Nascido da inspiração de dois sócios, o empresário Manuel Outerelo Costa e o maestro Shegundo Galarza, que copiaram o conceito de restaurante dançante muito em voga nos Estados Unidos e América Latina, o Mónaco foi espaço de elite, boîte da moda, sala de chá, até esmorecer no início deste século, sem nunca conseguir recuperar o glamour dos anos de ouro. Muitos acreditam que pode renascer com a promessa de um novo proprietário, que terá pago menos do que os 800 mil euros pedidos pelos quatro herdeiros. O edifício, que se estende por um terreno de 1100 metros quadrados, mesmo sobre o local onde o rio Tejo se cruza com o mar, apresenta-se hoje num adiantado estado de degradação. Quem o frequentava lamenta o abandono e nota que reflete uma época irrepetível.

A37200

A Riviera Portuguesa

Nos anos 1950, a linha do Estoril ganhava o epíteto de ‘Costa do Sol’ e pretendia ombrear em riqueza e ostentação com a famosa Riviera Francesa. Lili Caneças viveu esses tempos de perto. "Íamos para a praia do Tamariz, onde as famílias reais de Espanha, Itália e Bulgária já exibiam fatos de banho e o Mónaco tinha qualidade para essas pessoas", lembra. Foi no restaurante, que deu nome a uma célebre curva na estrada marginal, que Lili Caneças ouviu o pedido de namoro feito pelo ex-marido, o arquiteto Álvaro Caneças. "Foi no casamento de uma amiga em comum, estávamos na varanda, com aquela vista sobre o mar. Em três meses eu estava casada", confessa a rir. Naqueles anos, quem ia ao Mónaco era um grupo reservado de pessoas conhecidas. Lili ia com o irmão e os dois, altos e louros, chegaram a ser confundidos com os actores franceses Brigitte Bardot e Jacques Charrier. "Eles estavam em Portugal e eram esperados no Mónaco, o que acabou por não acontecer. Nessa época eu usava o cabelo como ela e o meu irmão arranjou uns óculos pretos, fininhos, como os do Charrier. Até a menina da casa de banho me pediu um autógrafo. E eu assinei, ‘avec mon amour’. Foi muito divertido".

Noite das boas famílias

O carisma de um espaço reservado às boas famílias e a quem tinha folga financeira ficou também na memória de João Braga. "O ambiente era naturalmente selecionado, porque naquele tempo as boîtes eram frequentadas por quem não fazia nada ou vivia dos rendimentos", conta o fadista, que entrou no Mónaco pela primeira vez aos 15 anos, com amigos mais velhos. "Era um espaço independente, sem vizinhos, tinha glamour e encontravam-se lá pessoas de todas as idades. E a música era muito boa".

José Cid ia ao Mónaco só para apreciar o ali que se tocava. "Foi o primeiro local onde atuei ao vivo, com o maestro Shegundo Galarza. Além dele, tinha um guitarrista muito bom e eu, com apenas 13 anos, ia com um primito mais velho só para o ouvir". Nesses primeiros anos, Cid entrava tarde, já depois do jantar, pois a mesada de estudante não chegava para pagar o menu de cinco estrelas. "Voltei a ser frequentador anos mais tarde, com o Tozé Brito, a lagosta era muito boa", lembra.

O grupo que se juntava ao jantar era quase o mesmo que durante anos animou as noites de Ano Novo e Carnaval, que ficaram célebres na zona. Ramon Galarza, produtor, recorda muitas dessas festas passadas no restaurante idealizado pelo pai e pelo padrinho. "Era necessário fazer marcação e sei que era difícil conseguir a reserva. Esgotava rapidamente e suponho que era sempre o mesmo grupo que ia lá", conta. Nos anos 1960, "o Mónaco era o restaurante da moda e as pessoas procuravam isso". Ao serviço e gastronomia de qualidade, juntava-se a pista, onde se ouviam "músicas dançáveis". Na época, lembra o filho de Shegundo Galarza, "havia músicos com uma capacidade de memória incrível, que tocavam desde jazz, música latina, tango. Era um estilo menu que servia o que as pessoas queriam ouvir. Foi um hábito durante alguns anos".

Com o tempo, o conceito de restaurante dançante alterou-se e a sociedade também ela mudou. Ramon recorda que "financeiramente as coisas não correram bem e o meu pai sofreu bastante com aquilo".

Novos proprietários e músicos do conjunto de Mário Simões mantiveram a aura do Mónaco mesmo após a Revolução de Abril de 1974, quando muitos dos clientes habituais deixaram o País. São dessa época as recordações de Paula Bobone, mulher de Vasco D’Orey Bobone. "Lembro-me de ser um sítio elegante, bem frequentado, num sítio privilegiado e com decoração de bom gosto. A [pintora] Maluda dava lá uns jantares com gente muito interessante e divertida. Era um espaço convencional, à noite olhava-se o mar, e criou-se ali uma certa tradição de categoria. Com o tempo isso perdeu-se".

Abel Dias, cronista social, ajudou a revitalizar o espaço quando esteve nas mãos de dois empresários de confeções. "Produzi lá uma festa, em meados dos anos 80, ‘A Noite dos Cozinheiros’, com a Teresa Guilherme, Herman José, Filipa Vacondeus e Manuel Luís Goucha", conta. Nos anos 1990, apesar das dificuldades visíveis, o Mónaco ainda recebia artistas, gente da televisão e políticos. Mas com o virar do século, e a concorrência de locais mais modernos, "tornou--se um espaço foleiro. Passava- -se ali e via-se que estava em decadência", nota Paula Bobone.

Em 2008, com o empresário Luís Quaresma o Mónaco volta a falhar. No entanto, as paredes e a vista para o mar ainda se mantém, à espera de novo fôlego. E José Cid até tem ideias: "Um espaço para jantar e ouvir fado e flamenco funcionava de certeza".

Fonte: https://www.cmjornal.pt/

Fotos: Arnaldo Madureira; Artur João Goulart

Fonte: http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/

DSCF1518

DSCF1519

DSCF1520

DSCF1521



publicado por Carlos Gomes às 21:45
link do post | favorito

APEADEIRO DE CAXIAS ESTÁ A SER REQUALIFICADO

Começaram já as operações de limpeza na fachada do edifício do apeadeiro de comboios de Caxias da Linha de Cascais, facto que registamos com agrado na sequência do nosso alerta em https://bloguedelisboa.blogs.sapo.pt/apeadeiro-de-comboios-em-caxias-1127268 para o adiantado estado de degradação em que o mesmo se encontrava.

DSCF1517

Convém, porém, não esquecer todo o conjunto que inclui abrigos, ascensores, passagens desniveladas sobre a linha férrea e, de um modo geral, o aspecto de chiqueiro que, mau grado o sistema de videovigilância, este não é capaz de reprimir maus hábitos.

Refira-se, a título de exemplo da situação de desleixo a que este local chegou, uma das portas do edifício da estação apenas está fechada… por arames!

DSCF1471

DSCF1507

DSCF1509

DSCF1510

DSCF1512

DSCF1513

DSCF1514

DSCF1515

DSCF1516

DSCF1470



publicado por Carlos Gomes às 21:14
link do post | favorito

QUINTA REAL DE CAXIAS: O PATRIMÓNIO CAIU EM DESGRAÇA!

Apenas se salvam os jardins com os seus magníficos buxos

Quem percorre os jardins da que foi outrora a Quinta Real de Caxias depara com um espectáculo desolador a toda a dimensão. À excepção dos jardins magnificamente ornamentados e alguma estatuária, a destruição é total. Os edifícios encontram-se completamente degradados, os azulejos danificados a um ponto em que a sua recuperação já é inviável, o mato cresce por tudo quanto é sítio e o recinto de entrada virou zona de parqueamento automóvel.

DSCF1478

Da Wikipédia, extraímos a seguunte descrição: “A Quinta Real de Caxias é o principal parque de CaxiasOeiras. Um agradável espaço de passeio criado em torno dos jardins do Paço Real de Caxias. Um Real exemplo das Quintas de Recreio que caracterizam Oeiras, e atualmente um dos elementos de maior interesse arquitetónico e histórico. É um exemplar único no panorama da arte dos jardins pelo valor arquitetónico, escultórico e alegórico do conjunto da cascata, miradouro e grupos escultóricos. As suas esculturas de Machado de Castro são envolvidas por um ambiente ao estilo de Versailles.

Famosa pela sua cascata, estes jardins convidam a agráveis passeios ao modo da sofisticada vida social do século XVIII. Quando ativa, a cascata verte sobre o lago, onde se salienta o conjunto escultórico de Machado de Castro. As estátuas representam uma cena mitológica em que a Deusa Diana vinha tomar banho junto da gruta onde o seu amado pastor Endimião dormia um sono eterno. Das estátuas partem vários jogos de água, emprestando ainda mais movimento aos figurantes deste gigantesco palco wagneriano.

A Quinta Real de Caxias tem ainda galerias comunicantes, duas salas com pintura decorativa e o Paço Real. Palmeiras e araucárias ajudam a embelezar os jardins localizados em Caxias, muito perto da Praia de Caxias. A sua obra e embelezamento se arrastaram durante o século XVIII e início de XIX. O conjunto dos jardins e da quinta tiveram várias fases de construção, tendo a propriedade sido progressivamente aumentada. Existia uma malha geométrica que percorria a propriedade de acordo com os eixos definidos pelo caminho principal e cujas diagonais se intercetavam formando clareiras enquadradas por canteiros de buxo onde se localizavam pequenos lagos. A cascata foi construída pelos irmãos Mathias Francisco e situa-se no centro do jardim sendo ornamentada com elementos escultóricos de onde partem jatos de água.

Propriedade da Casa do Infantado, a Quinta Real de Caxias, com o respectivo palácio, foi mandada edificar na primeira metade do século XVIII pelo Infante D. Francisco de Bragança, filho de D. Pedro II e D. Maria Sofia de Neuborg, irmão de D. João V. Prolonga-se a sua construção até ao início do séc. XIX. Das obras da 2ª metade do séc. XVIII datam a construção da Cascata monumental e organização do jardim, bem como os grupos escultóricos em terracota da autoria de Machado de Castro (1731-1822), considerado o maior escultor português da época. O conjunto dos jardins e Quinta real sofreu várias fases de construção, tendo a propriedade aumentado por sucessivas incorporações de outros casais, unificando as várias parcelas primitivamente separadas por muros. Situado mesmo à beira-mar, este pequeno Jardim Le Nôtre, como Branca Colaço o classifica nas suas “Memórias da Linha de Cascais”, é bem um exemplo da sofisticada vida social do século XVIII. A moda do Jardim Francês e a grandiosidade e espetacularidade dos jardins do padre de Versailles, concebidos pelo grande mestre André Le Nôtre, especialista de jardinagem do Rei Sol, Luís VIX, foi copiada e imitada por todas as Cortes Europeias da época. A utilização da água como elemento de ornamentação é também característica deste estilo aparecendo associada aos mais variados elementos construídos. Um deste exemplos é a cascata, elemento típico dos jardins barrocos muito utilizado em Portugal no séc. XVIII. Foi quinta de recreio da rainha D. Maria I e, D. Luís usou-o como residência durante algumas semanas, antes de se estabelecer no Palácio da Ajuda. Nestes encantadores jardins, inspirados nos do Palácio de Versalhes, encontramos lagos, jogos de água e arbustos com formas geométricas, a evocar os faustos barrocos. A recuperação levada a cabo pela Câmara de Oeiras mereceu o Prémio Europeu atribuído à Recuperação de Jardins Históricos. A quinta está classificada como Imóvel de Interesse Público desde 1953.

Em 2016 o Estado pretende concessionar o edifício a privados com o compromisso de reabilitação, preservação e conservação por parte dos investidores.”

Fonte: Wikipédia

Fotos: Artur João Goulart; Casa Fotográfica Garcia Nunes (Arquivo Municipal de Lisboa)

DSCF1472

DSCF1473

DSCF1474

DSCF1475

DSCF1476 (2)

DSCF1476

DSCF1477

DSCF1479

DSCF1480

DSCF1481

DSCF1482

DSCF1483

DSCF1484

DSCF1485

DSCF1486

DSCF1487

DSCF1488

DSCF1489 (2)

DSCF1491

DSCF1492

DSCF1493

 

DSCF1494

DSCF1495

DSCF1496

DSCF1497

DSCF1498

DSCF1499

DSCF1500

DSCF1501

DSCF1502

DSCF1503

DSCF1504

DSCF1505

DSCF1506

Noutros tempos era assim...

0001_M (1)

0001_M (3)

0001_M (4)

0001_M (5)

0001_M



publicado por Carlos Gomes às 16:29
link do post | favorito

Sexta-feira, 20 de Julho de 2018
APEADEIRO DE CAXIAS ENTROU EM OBRAS E VAI SER RECUPERADO

Escassos dias após o alerta feito pelo BLOGUE DE LISBOA, eis que o apeadeiro de Caxias da Linha de Cascais entrou em obras de restauro.

DSCF1452

Os andaimes começaram ontem a ser colocados no edifício e espera-se que a requalificação abranja todo o espaço envonvolvente, incluindo ascensores, resguardos e passagens pedonais.

Conforme então fizémos referência – ver em https://bloguedelisboa.blogs.sapo.pt/apeadeiro-de-comboios-em-caxias-1127268 - o apeadeiro de Caxias da linha de Cascais encontra-se em avançado estado de degradação. Portas e estores partidos, pichagens nas paredes, nos vidros dos elevadores, abrigos de passageiros e tudo quanto é sítio.

DSCF1454

No interior funciona apenas um pequeno bar de aspecto pouco convidativo. A CP já retirou daquele apeadeiro os seus funcionários, substituindo-os pelas máquinas automáticas de validação. Mas, a avaliar pelas duas antenas parabólicas ali existentes, o local deve servir de residência e não dispensa a recepção do sinal de televisão por satélite…

Antes era assim:

DSCF1361

DSCF1359

DSCF1363

DSCF1379

DSCF1386



publicado por Carlos Gomes às 18:31
link do post | favorito


mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

OEIRAS: PEDREIRA ITALIANA...

QUEM AINDA SE LEMBRA DO R...

APEADEIRO DE CAXIAS ESTÁ ...

QUINTA REAL DE CAXIAS: O ...

APEADEIRO DE CAXIAS ENTRO...

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds