Blogue de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Lisboa e arredores

Quinta-feira, 26 de Julho de 2018
QUEM AINDA SE LEMBRA DO RESTAURANTE “MÓNACO”?

Quem circula pela marginal entre Lisboa e Cascais, na zona de Caxias, depara com um edifício que apesar de magnificamente situado, apresenta todos os sinais de uma profunda degradação. Poucos são os que ainda se lembram do famoso Restaurante Dancing “Mónaco” mas também são raras as pessoas que alguma vez não ouvira falar na célebre e fatídica “curva do Mónaco”…  pois, devido ao seu interesse, resolvemos recuperar uma peça jornalística do diário “Correio da Manhã” publicada em 12 de Fevereiro de 2014 e reproduzi-la aqui com a devida vénia.

0001_M (1)

Os anos de ouro do restaurante Mónaco: Dos anos 1950 ao ínicio deste século, o Restaurante Mónaco recebeu elites europeias e portuguesas, com música e vista de mar.

Vasco D’Orey Bobone, artista plástico de 70 anos, ainda guarda o convite que o pai, cônsul no Mónaco, recebeu em novembro de 1956 para a inauguração do restaurante, em Caxias, que foi buscar o nome ao principado de Rainier e Grace. Nos anos 1960, no apogeu da sua vida social, os príncipes do Mónaco, acompanhados dos filhos Alberto e Carolina, chegaram a visitar o local, tal como um presidente do Brasil, que marcou presença num jantar dançante. Mercês da Cunha Rego recorda com orgulho esse jantar no restaurante Mónaco, em janeiro de 1963, quando cantou para Juscelino Kubitscheck de Oliveira, que tinha fama de ‘pé de valsa’ e deixara a presidência do Brasil dois anos antes. "Ainda tenho a fotografia. Estou eu e o meu amigo, o também fadista João Ferreira Rosa, pois era comum sermos convidados para acontecimentos importantes como aquele. O restaurante Mónaco era um espaço de elite, com um ambiente muito bom, a vista sobre o mar e boa comida. Lembro-me de um robalo que serviam, com uma apresentação fantástica", recorda a fadista.

0001_M

Restaurante dançante

Nascido da inspiração de dois sócios, o empresário Manuel Outerelo Costa e o maestro Shegundo Galarza, que copiaram o conceito de restaurante dançante muito em voga nos Estados Unidos e América Latina, o Mónaco foi espaço de elite, boîte da moda, sala de chá, até esmorecer no início deste século, sem nunca conseguir recuperar o glamour dos anos de ouro. Muitos acreditam que pode renascer com a promessa de um novo proprietário, que terá pago menos do que os 800 mil euros pedidos pelos quatro herdeiros. O edifício, que se estende por um terreno de 1100 metros quadrados, mesmo sobre o local onde o rio Tejo se cruza com o mar, apresenta-se hoje num adiantado estado de degradação. Quem o frequentava lamenta o abandono e nota que reflete uma época irrepetível.

A37200

A Riviera Portuguesa

Nos anos 1950, a linha do Estoril ganhava o epíteto de ‘Costa do Sol’ e pretendia ombrear em riqueza e ostentação com a famosa Riviera Francesa. Lili Caneças viveu esses tempos de perto. "Íamos para a praia do Tamariz, onde as famílias reais de Espanha, Itália e Bulgária já exibiam fatos de banho e o Mónaco tinha qualidade para essas pessoas", lembra. Foi no restaurante, que deu nome a uma célebre curva na estrada marginal, que Lili Caneças ouviu o pedido de namoro feito pelo ex-marido, o arquiteto Álvaro Caneças. "Foi no casamento de uma amiga em comum, estávamos na varanda, com aquela vista sobre o mar. Em três meses eu estava casada", confessa a rir. Naqueles anos, quem ia ao Mónaco era um grupo reservado de pessoas conhecidas. Lili ia com o irmão e os dois, altos e louros, chegaram a ser confundidos com os actores franceses Brigitte Bardot e Jacques Charrier. "Eles estavam em Portugal e eram esperados no Mónaco, o que acabou por não acontecer. Nessa época eu usava o cabelo como ela e o meu irmão arranjou uns óculos pretos, fininhos, como os do Charrier. Até a menina da casa de banho me pediu um autógrafo. E eu assinei, ‘avec mon amour’. Foi muito divertido".

Noite das boas famílias

O carisma de um espaço reservado às boas famílias e a quem tinha folga financeira ficou também na memória de João Braga. "O ambiente era naturalmente selecionado, porque naquele tempo as boîtes eram frequentadas por quem não fazia nada ou vivia dos rendimentos", conta o fadista, que entrou no Mónaco pela primeira vez aos 15 anos, com amigos mais velhos. "Era um espaço independente, sem vizinhos, tinha glamour e encontravam-se lá pessoas de todas as idades. E a música era muito boa".

José Cid ia ao Mónaco só para apreciar o ali que se tocava. "Foi o primeiro local onde atuei ao vivo, com o maestro Shegundo Galarza. Além dele, tinha um guitarrista muito bom e eu, com apenas 13 anos, ia com um primito mais velho só para o ouvir". Nesses primeiros anos, Cid entrava tarde, já depois do jantar, pois a mesada de estudante não chegava para pagar o menu de cinco estrelas. "Voltei a ser frequentador anos mais tarde, com o Tozé Brito, a lagosta era muito boa", lembra.

O grupo que se juntava ao jantar era quase o mesmo que durante anos animou as noites de Ano Novo e Carnaval, que ficaram célebres na zona. Ramon Galarza, produtor, recorda muitas dessas festas passadas no restaurante idealizado pelo pai e pelo padrinho. "Era necessário fazer marcação e sei que era difícil conseguir a reserva. Esgotava rapidamente e suponho que era sempre o mesmo grupo que ia lá", conta. Nos anos 1960, "o Mónaco era o restaurante da moda e as pessoas procuravam isso". Ao serviço e gastronomia de qualidade, juntava-se a pista, onde se ouviam "músicas dançáveis". Na época, lembra o filho de Shegundo Galarza, "havia músicos com uma capacidade de memória incrível, que tocavam desde jazz, música latina, tango. Era um estilo menu que servia o que as pessoas queriam ouvir. Foi um hábito durante alguns anos".

Com o tempo, o conceito de restaurante dançante alterou-se e a sociedade também ela mudou. Ramon recorda que "financeiramente as coisas não correram bem e o meu pai sofreu bastante com aquilo".

Novos proprietários e músicos do conjunto de Mário Simões mantiveram a aura do Mónaco mesmo após a Revolução de Abril de 1974, quando muitos dos clientes habituais deixaram o País. São dessa época as recordações de Paula Bobone, mulher de Vasco D’Orey Bobone. "Lembro-me de ser um sítio elegante, bem frequentado, num sítio privilegiado e com decoração de bom gosto. A [pintora] Maluda dava lá uns jantares com gente muito interessante e divertida. Era um espaço convencional, à noite olhava-se o mar, e criou-se ali uma certa tradição de categoria. Com o tempo isso perdeu-se".

Abel Dias, cronista social, ajudou a revitalizar o espaço quando esteve nas mãos de dois empresários de confeções. "Produzi lá uma festa, em meados dos anos 80, ‘A Noite dos Cozinheiros’, com a Teresa Guilherme, Herman José, Filipa Vacondeus e Manuel Luís Goucha", conta. Nos anos 1990, apesar das dificuldades visíveis, o Mónaco ainda recebia artistas, gente da televisão e políticos. Mas com o virar do século, e a concorrência de locais mais modernos, "tornou--se um espaço foleiro. Passava- -se ali e via-se que estava em decadência", nota Paula Bobone.

Em 2008, com o empresário Luís Quaresma o Mónaco volta a falhar. No entanto, as paredes e a vista para o mar ainda se mantém, à espera de novo fôlego. E José Cid até tem ideias: "Um espaço para jantar e ouvir fado e flamenco funcionava de certeza".

Fonte: https://www.cmjornal.pt/

Fotos: Arnaldo Madureira; Artur João Goulart

Fonte: http://arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/

DSCF1518

DSCF1519

DSCF1520

DSCF1521



publicado por Carlos Gomes às 21:45
link do post | favorito

Quinta-feira, 12 de Outubro de 2017
RESTAURANTES VIRAM "CASAS DE PASTO"

Parlamento está de acordo sobre a entrada de animais em restaurantes

As três propostas apresentadas pelo PAN, Os Verdes e o Bloco de Esquerda vão agora ser discutidas na especialidade

As bancadas parlamentares mostraram-se disponíveis para a produção de legislação que permita a entrada de animais de companhia nos estabelecimentos de restauração. O PAN, Os Verdes e o Bloco de Esquerda (BE) apresentaram três propostas onde davam aos proprietários dos estabelecimentos o poder de decisão sobre a questão.

alfacinhas_retiro_f3

Na discussão das propostas que aconteceu quarta-feira na Assembleia da República, André Silva, deputado do PAN, utilizou exemplos de países europeus onde já é possível encontra animais de companhia em restaurantes. "No nosso país, verifica-se uma ingerência do Estado. Deve deixar-se que o mercado opere livremente e que os proprietários tenham o poder de decidir quem entra ou não nos seus estabelecimentos", disse, acrescentando que a necessidade de identificar ou não os estabelecimentos, com recurso a dísticos nas portas, deverá ser discutido na especialidade.

"Uma cidade justa é também uma cidade que trata bem os seus animais", afirmou a deputada do BE, Maria Manuel Rola. O partido que tinha também apresentado uma proposta neste sentido, defendeu que o bem-estar dos animais é uma preocupação dos portugueses e que devem estar asseguradas as condições para a entrada de animais em estabelecimentos comerciais de restauração. O BE focou ainda a necessidade de haver um dístico identificativo e a restrição do acesso aos espaços de confeção de alimentos.

Heloísa Apolónia, deputada d'Os Verdes, defende que é necessário discutir na especialidade que animais serão permitidos, se cães e gatos ou também outros, e quais as normas a seguir para que a medida não perturbe o funcionamento dos estabelecimentos. "Pode ser recusado acesso a animais que, pelo seu comportamento ou porte, perturbem o normal funcionamento", defendeu.

O PSD mostrou-se "sensível ao tema" e disponível para aprofundar a discussão, dando preferência ao projeto d'Os Verdes que apelidou de "o mais sensato". O CDS, pela voz de Nuno Magalhães, anunciou que o partido tem uma posição favorável à medida e afirmou que "está disponível para viabilizar estes diplomas e para, em sede de especialidade, podermos fazer uma lei".

Para o PS, é "mais um passo importante em matéria de animais", e para o PCP é importante ouvir os trabalhadores do setor, as empresas de restauração e as associações de bem-estar animal. A deputada comunista Ana Virgínia Pereira, não fechou a porta à proposta e disse estar "disponível para aprofundar a discussão nesta matéria"

Fonte: https://sol.sapo.pt/



publicado por Carlos Gomes às 15:11
link do post | favorito


mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11


20
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

QUEM AINDA SE LEMBRA DO R...

RESTAURANTES VIRAM "CASAS...

arquivos

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds